Museus E O Voluntariado

Por: Silvia Naccache
15 Setembro 2016 - 00h00

O ponto de partida para o sucesso de um programa de voluntariado em museus e espaços culturais não é tanto a experiência, mas o entusiasmo e a certeza de que os voluntários são apaixonados pelo tema e encantados com a possibilidade de atuar nesses locais. Uma das atividades mais praticadas no mundo todo por voluntários nos museus é a acolhida de visitantes. Nos últimos anos, os gestores de voluntários têm realizado treinamentos cada vez mais intensos para se certificar de que eles podem fornecer, com alegria, o melhor serviço possível de “boas-vindas”. Uma oportunidade de promover e de criar memoráveis experiências práticas para quem visita o espaço e certamente também para quem realiza a ação.

Número de funcionários dos museus por setor ou especialidade segundo vínculo, Brasil, 2010
Setor/
especialidade
Vínculo
Efetivo Cedido Função
gratificada
Contratado por
tempo determinado
Terceirizado Voluntário Estagiário/
bolsista
Outro
Diretoria 627 73 335 110 37 409 38 77
Museólogo 232 23 25 33 23 49 86 6
Bibliotecário 191 37 20 29 23 33 78 13
Arquivista 153 17 7 16 12 35 59 2
Conservador 177 39 21 46 77 32 18 30
Pedagogo 166 56 14 36 34 53 44 3
Historiador 307 57 39 50 36 88 273 9
Arquiteto 48 9 6 18 15 26 22 7
Antropólogo 55 3 2 10 4 7 11 3
Administrativo 2040 153 305 261 321 99 336 53
Manutenção 1215 141 434 265 1086 160 6 45
Limpeza 1294 200 23 111 1185 45 6 35
Segurança 1190 190 40 68 1599 17 2 32
Outro 1581 134 75 281 389 476 1492 191
Fonte: www.museus.gov.br

 

Todo voluntário é uma parte integrante do museu, quer atue ou interaja com os visitantes ou trabalhe como apoio com uma equipe de pesquisadores. A atividade pode acontecer na área de comunicação, como divulgadores e conteudistas nas mídias sociais; como mobilizadores de recursos; com a tradução de materiais; e com o apoio administrativo e em eventos pontuais.

O Cadastro Nacional de Museus (CNM) constitui-se em um instrumento do Sistema Brasileiro de Museus (SBM) e tem por objetivo conhecer e integrar o campo museal brasileiro, por meio da coleta, registro e disseminação de informações sobre museus. Segundo o cadastro de 2006, existem 3.200 instituições museológicas no Brasil.

Mas, comparar aspectos do universo dos museus dentro do Brasil e também com outros países, observar aspectos de gestão e ainda de participação de voluntários foi o resultado de uma relevante publicação de 2011: Museus em números. Ela veio com o objetivo de fortalecer o cadastro e para oferecer aos museus os dados estatísticos, levantados pelo CNM, com um olhar multidisciplinar, servindo de referência ao planejamento de políticas públicas, ao desenvolvimento de pesquisas e um convite a participação social. A publicação, produzida pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), órgão do Ministério da Cultura, tem a grande expectativa de que, com esses dados e análises, os museus do Brasil possam estimular o envolvimento da sociedade civil, não só ampliando o número de visitas, mas também como um convite a participar, seja por meio das associações de amigos, clube de sócios e, principalmente, como acontece em tantos outros países do mundo, por meio do voluntariado. A partir desses dados e investigações é possível propor novos rumos. Pensar na participação do voluntariado nos museus ainda é um grande desafio no Brasil.

Quantidade de museus mapeados e cadastrados, segundo unidades da federação e grandes regiões, Brasil, 2010
Unidade da Federação Total de Museus Mapeados Museus Cadastrados no CNM
Frequência simples % Frequência
simples
%
BRASIL 3.025 100,0 1.500 100,0
Norte 146 4,8 70 4,7
Rondônia 15 0,5 4 4,7
Acre 23 0,8 11 0,7
Amazonas 41 1,4 17 1,1
Roraima 6 0,2 1 0,1
Pará 42 1,4 27 1,8
Amapá 9 0,3 7 0,5
Tocantins 10 0,3 3 0,2
Nordeste 632 20,9 273 18,2
Maranhão 23 0,8 11 0,7
Piauí 32 1,1 10 0,7
Ceará 113 3,7 55 3,7
Rio Grande do Norte 65 2,1 30 2,0
Paraíba 63 2,1 14 0,9
Pernambuco 98 3,2 46 3,1
Alagoas .61 2,0 26 1,7
Sergipe 25 0,8 10 0,7
Bahia 152 5,0 71 4,7
Sudeste 1.151 38,0 571 38,1
Minas Gerais 319 10,5 165 11,0
Espírito Santos 61 2,0 26 1,7
Rio de Janeiro 254 8,4 118 7,9
São Paulo 517 17,1 262 17,5
Sul 878 29,0 453 30,2
Paraná 282 9,3 99 6,6
Santa Catarina 199 6,6 119 7,9
Rio Grande do Sul 397 13,1 235 15,7
Centro-Oeste 218 7,2 133 8,9
Mato Grosso do Sul 54 1,8 27 1,8
Mato Grosso 43 1,4 28 1,9
Goiás 61 2,0 39 2,6
Distrito Federal 60 2,0 39 2,6
Fonte: www.museus.gov.br

 

Os voluntários participam de associações de amigos de museus e em conselhos. Oficinas, cursos e, principalmente, o intercâmbio com museus de outros países têm sido fundamentais para inserir o voluntariado em diferentes áreas.

Oportunidades de voluntariado em museus, centros culturais, memoriais, bibliotecas e ainda em espaços e pontos de cultura:

  1. atendimento ao público;
  2. acompanhamento dos visitantes;
  3. captação de novos sócios;
  4. recepção;
  5. apoio administrativo;
  6. apoio no arquivo;
  7. atualização de banco de dados de parceiros e sócios;
  8. direção, gestão e conselho das associações de amigos de museus;
  9. tradução de documentos e de catálogos de exposições;
  10. apoio a área de comunicação;
  11. produção de boletim eletrônico;
  12. atualização e construção de conteúdo para site e mídias sociais;
  13. divulgação das exposições, atividades educativas e eventos;
  14. apoio à área de museologia com pesquisa e na conservação de documentos e objetos;
  15. apoio nas oficinas de artes, fotografia e história da arte;
  16. participação em cursos e eventos externos;
  17. visitas a outros museus para intercâmbio e troca de experiências
  18. captação de recursos financeiros e materiais;
  19. mobilização de recursos humanos, ampliando quadro de parceiros e apoiadores;
  20. gestão de voluntários, associados e parceiros.

Existem muitas maneiras importantes de os voluntários contribuírem, tornando-os um dos recursos reconhecidamente relevantes também nos museus do Brasil e de todo o mundo.

 

Tudo o que você precisa saber sobre Terceiro setor a UM CLIQUE de distância!

Imagine como seria maravilhoso acessar uma infinidade de informações e capacitações - SUPER ATUALIZADAS - com TUDO - eu disse TUDO! - o que você precisa saber para melhorar a gestão da sua ONG?

Imaginou? Então... esse cenário já é realidade na Rede Filantropia. Aqui você encontra materiais sobre:

Contabilidade

(certificações, prestação de contas, atendimento às normas contábeis, dentre outros)

Legislação

(remuneração de dirigentes, imunidade tributária, revisão estatutária, dentre outros)

Captação de Recursos

(principais fontes, ferramentas possíveis, geração de renda própria, dentre outros)

Voluntariado

(Gestão de voluntários, programas de voluntariado empresarial, dentre outros)

Tecnologia

(Softwares de gestão, CRM, armazenamento em nuvem, captação de recursos via internet, redes sociais, dentre outros)

RH

(Legislação trabalhista, formas de contratação em ONGs etc.)

E muito mais! Pois é... a Rede Filantropia tem tudo isso pra você, no plano de adesão PRATA!

E COMO FUNCIONA?

Isso tudo fica disponível pra você nos seguintes formatos:

  • Mais de 100 horas de videoaulas exclusivas gratuitas (faça seu login e acesse quando quiser)
  • Todo o conteúdo da Revista Filantropia enviado no formato digital, e com acesso completo no site da Rede Filantropia
  • Conteúdo on-line sem limites de acesso no www.filantropia.ong
  • Acesso a ambiente exclusivo para download de e-books e outros materiais
  • Participação mensal e gratuita nos eventos Filantropia Responde, sessões virtuais de perguntas e respostas sobre temas de gestão
  • Listagem de editais atualizada diariamente
  • Descontos especiais no FIFE (Fórum Interamericano de Filantropia Estratégica) e em eventos parceiros (Festival ABCR e Congresso Brasileiro do Terceiro Setor)

Saiba mais e faça parte da principal rede do Terceiro Setor do Brasil:

Acesse: filantropia.ong/beneficios

BAIXE GRATUITAMENTE
E-book Como começar uma⠀ONG

BAIXE GRATUITAMENTE

BAIXE GRATUITAMENTE
E-book 18 PASSOS essenciais para ajudar sua ONG

BAIXE GRATUITAMENTE

PARCEIROS VER TODOS