Voluntário: recrutamento profissional

Por: Revista Filantropia
01 Novembro 2008 - 00h00

Em muitas organizações do Terceiro Setor, o recrutamento e a seleção de voluntários obedecem a procedimentos parecidos com os das empresas do setor privado. O “processo seletivo social” tem o objetivo de identificar pessoas engajadas e comprometidas com a causa e mantê-las nas instituições. E a escolha começa dentro de casa, na descrição das atividades que serão desenvolvidas por quem quer doar seu tempo, trabalho e talento.

No Doutores Cidadãos, um dos programas da Oscip Canto Cidadão, que atua em hospitais e asilos de São Paulo, o recrutamento começa com a definição de critérios para ser voluntário. “Em um primeiro momento, basta o interessado ter mais de 17 anos e se identificar com o nosso principal objetivo: a amenização hospitalar”, diz Luciana Telles Ferri, uma das coordenadoras de voluntários da entidade.

Definido o perfil desejado, é preciso escolher a forma de convocação das pessoas, ou seja, de que maneira e onde a vaga será divulgada. A Canto Cidadão faz dois recrutamentos por ano para o Doutores Cidadãos, oferecendo de 55 a 100 vagas. “Como em qualquer empresa, a oferta depende da demanda, que pode surgir com novos hospitais e asilos atendidos, devido ao desligamento de voluntários, entre outros motivos”, conta a coordenadora Luzia Cristiana da Silva.

Para comunicar as vagas, a entidade utiliza pelo menos três meios de divulgação: rádio, mais especificamente o Programa Canto Cidadão, transmitido pela emissora Boa Nova (1.450 AM), cartazes fixados em hospitais onde a instituição atua e, sobretudo, a famosa propaganda boca-a-boca entre os voluntários. “Chegamos a receber aproximadamente 600 inscrições por recrutamento”, afirma Fernanda Coimbra dos Santos, também coordenadora de voluntários.

Seleção

Depois da convocação, vem a seleção, que, no Canto Cidadão, consiste em uma prova de conhecimentos gerais, testes de raciocínio lógico e redação. “Aqui, temos uma triagem natural”, conta Luciana, reforçando que essa etapa visa avaliar o grau de informações gerais do interessado, como ele imagina o trabalho em hospitais, entre outras características.

Os aprovados são encaminhados para entrevista com a equipe de coordenadores. “Durante a conversa conhecemos melhor o interessado, o entendimento dele sobre trabalho voluntário, quanto tempo ele dispõe para o trabalho social, qual o grau de comprometimento, e também falamos sobre o programa de voluntariado e nossas expectativas”, explica Fernanda.

Antes de se tornar um “Doutor Cidadão”, o candidato passa por um treinamento teórico e prático de quatro meses e meio. “Nessa fase, avaliamos, entre outros quesitos, presença, pontualidade, organização, adequação ao figurino, respeito à orientação, postura geral, bom senso e capacidade de ouvir”, finaliza Luzia, lembrando que, atualmente, são 600 voluntários trabalhando ativamente e outros cem em treinamento neste semestre, o que configura o maior grupo de voluntários palhaços hospitalares do mundo.

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
15.198
Oportunidades Cadastradas
9.566
Modelos de Documentos
3.061
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
16 Dez
2019
Bikeducação: Edital Itaú para Seleção de Projetos...
Prazo
16 Dez
2019
ONU / FIDA - Concurso de Fotografia “Juventude e...
Prazo
Contínuo
Fundo Regenerativo Brumadinho
Prazo
22 Dez
2019
UNDEF - 2019 Call to Civil Society to Apply for Funding...
Prazo
1 Jan
2020
Fundo Julia Taft para Refugiados
Prazo
25 Jan
2020
Environmental Curricula Grants
Prazo
31 Mar
2020
United Nations Voluntary Fund on Disability
Prazo
20 Jan
2020
United Nations Voluntary Trust Fund for Victims of...
Prazo
Contínuo
Mitsubishi Corporation Foundation for the Americas
Prazo
Contínuo
Oak Foundation’s - Issues Affecting Women Programme

PARCEIROS VER TODOS