Voluntariado educativo: escola e comunidade agindo juntos

Por: Valeuska de Vassimon
01 Julho 2007 - 00h00

Solidariedade e cidadania são valores que podem, e devem, ser praticados nas escolas. Se a principal função de uma instituição de ensino é promover a aprendizagem do aluno, preparando-o para a vida e o trabalho, desenvolver projetos que estimulem tal objetivo e alinhem a sociedade à escola é uma prática muito bem-vinda.

A proposta do voluntariado educativo é estimular a cultura da solidariedade com caráter pedagógico, a fim de potencializar a função da escola e melhorar a qualidade de vida da comunidade, além de fortalecer a formação do aluno.

O Instituto Faça Parte atua nesta área por meio da certificação e divulgação de experiências escolares exemplares. A organização produz conteúdos, que visam à melhoria dos projetos, e trabalha pelo fortalecimento da cultura do voluntariado. “O voluntariado educativo permite integrar diversos saberes, competências e habilidades. Alunos, professores, funcionários, pais e demais atores que se envolvem em projetos nesta área vivenciam valores de solidariedade, participação, cidadania, comprometimento e respeito às diferenças”, afirma a diretora-presidente do instituto, Milú Villela.

Culinária, educação e meio-ambiente
Com pouco mais de 10 mil habitantes, a cidade de Meruoca, no Ceará, abriga uma única escola estadual de ensino médio, a EE Monsenhor Furtado. Apesar da infra-estrutura deficiente e de enfrentar dificuldades como a falta de sinal constante da internet, a escola lançou, em 2005, o projeto “Culinária Alternativa”, com o intuito de melhorar os hábitos alimentares dos alunos. “O projeto visa conscientizar nossos alunos e a comunidade quanto ao valor nutritivo dos alimentos”, afirma a coordenadora pedagógica da escola, Maria José da Silva.

O “Culinária Alternativa” ultrapassou os muros da escola e atingiu a comunidade como um todo. Um grupo de alunos voluntários dos ensinos fundamental e médio se envolveu em estudos e preparação de receitas, elaboração de um informativo sobre a importância da alimentação alternativa e trabalhos de conscientização a respeito dos alimentos nas feiras livres, entre outros. O resultado, além do acesso a informações saudáveis, foi a criação de um novo cardápio para a merenda escolar.

A escola possui outros projetos na área de voluntariado educativo, como o “Universidade à Vista”, que está em desenvolvimento. O objetivo é atingir alunos formandos do ensino médio, já que o município possui um número muito reduzido de universitários. Para tanto, a escola conta com a ajuda de professores de outras escolas e de alunos universitários.
Neste semestre, também foi criado o projeto “Aquecimento global: uma questão de vida ou morte”, com a finalidade de instruir alunos e a comunidade em geral quanto às causas e conseqüências do aquecimento global. Alunos e voluntários visitam famílias para entregar um boletim informativo elaborado por eles.

Além disso, há o projeto “Escola limpa, lares limpos”, com o intuito de conscientizar os alunos a manter a escola limpa e higienizada. “O projeto se estende aos pais e à comunidade, já que todos são convidados a freqüentar a escola para fazer um curso de produtos de limpeza”, afirma Maria José.

A primeira etapa foi um sucesso. De acordo com a instituição, alguns pais até montaram seu próprio negócio, ajudando na renda familiar, e os alunos foram preparados para dar o curso em outras escolas e associações.

Incentivo à leitura e recreio dirigido
Na pequena cidade de Carapicuíba, interior de São Paulo, a EE Didita Cardoso Alves também possui projetos interessantes de voluntariado educativo. Em 2003, a instituição lançou um projeto de incentivo à leitura que conta com a participação de membros da comunidade e de ex-alunos, que narram suas histórias para estudantes de primeira a quarta séries.

Além disso, mães de alunos promoveram um projeto de recreio dirigido, com o objetivo de reduzir as brigas entre as crianças durante o intervalo das aulas. “Nossa proposta pedagógica tem como eixo principal o letramento, a solidariedade e o respeito, fazendo da escola um espaço favorável à aprendizagem e à cultura de paz”, afirma Gilmara Dantas Turquetti, diretora da escola.

Para ela, a principal dificuldade dos projetos de voluntariado educativo é realizar um trabalho de orientação com professores e funcionários, para que compreendam que os voluntários não estão na escola para vigiar ou substituir ninguém, mas, sim, para somar.

“Atualmente os voluntários são acolhidos e respeitados por todos. Ninguém mais consegue imaginar a rotina escolar sem eles”, conta a diretora.

A escola já possui outros projetos, como cursos de idiomas, cursinho popular pré-vestibular, aulas de jazz, dança do ventre e coral, todos apoiados por professores, pais e membros voluntários da comunidade. Recentemente, a instituição recebeu uma proposta de apoio voluntário de bombeiros civis para realizar um trabalho de orientação aos alunos e à comunidade sobre prevenções e cidadania, o projeto “Bombeiros Mirins”.

Para Gilmara Turquetti, o trabalho voluntário não pode ser visto como uma forma de suprir uma defasagem de funcionários. Ele deve estar relacionado a uma necessidade específica diagnosticada, ser planejado e acompanhado de maneira coletiva. “O voluntário deve ter claro que seus objetivos pessoais devem estar atrelados à necessidade da escola”, afirma.

Como elaborar um projeto de voluntariado educativo?
Para o instituto Faça Parte, os projetos de voluntariado educativo devem estar sempre alinhados aos projetos pedagógicos desenvolvidos pelas escolas. Assim, eles são associados ao contexto educativo a partir da realidade local.
Para isso, há etapas que podem direcionar um novo projeto de voluntariado educativo, que incluem:
• Convocação tanto de apoio interno (coordenadores, professores, alunos e funcionários da escola), como externo (vizinhança, ONGs, comércio, imprensa locais, associação do bairro etc);
• Elaboração de um diagnóstico para descobrir as reais necessidades de quem receberá a ação voluntária;
• Elaboração do projeto, que deve considerar informações como justificativa, objetivo, grupo de trabalho, público-alvo, plano de ação, cronograma e recursos para a sua realização;
• Ação, ou seja, colocar em prática a idéia do projeto;
• Reflexão dos resultados a partir de constantes avaliações;
• Registro das etapas e processos com o objetivo de analisar, revisar, ampliar, reeditar e divulgar a experiência; e
• Reconhecimento e comemoração, a fim de valorizar, estimular e divulgar ações de voluntariado para incentivar a continuidade do projeto.

Links
www.facaparte.org.br
EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
15.094
Oportunidades Cadastradas
9.565
Modelos de Documentos
3.051
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
22 Dez
2019
UNDEF - 2019 Call to Civil Society to Apply for Funding...
Prazo
20 Dez
2019
Concurso Anual para Jovens - Mulheres Rurais: inovando...
Prazo
17 Abr
2020
Conservation Grant - Amphibian Ark
Prazo
16 Dez
2019
Bikeducação: Edital Itaú para Seleção de Projetos...
Prazo
16 Dez
2019
ONU / FIDA - Concurso de Fotografia “Juventude e...
Prazo
17 Jan
2020
Cisco Global Problem Solver Challenge 2020
Prazo
25 Jan
2020
Environmental Curricula Grants
Prazo
31 Mar
2020
United Nations Voluntary Fund on Disability
Prazo
Contínuo
Mitsubishi Corporation Foundation for the Americas
Prazo
Contínuo
Oak Foundation’s - Issues Affecting Women Programme

PARCEIROS VER TODOS