Voluntariado também na escola

Por: Silvia Naccache
21 Agosto 2013 - 00h00

As transformações no mundo do trabalho também pressionam escolas de todo o mundo a questionar-se sobre suas funções, responsabilidades e práticas. O Ministério da Educação (MEC) publicou em 1998 os Parâmetros Curriculares Nacionais. Esse documento teve um significado muito especial e demonstrou grande avanço para a educação brasileira, afinal, pela primeira vez foi criado, como o próprio nome já indica, um referencial único para toda a educação nacional. Diante da extensão do território brasileiro e suas diversidades regionais, culturais e políticas, foi preciso pensar um documento que respeitasse as diferenças existentes dentro do país e pudesse ser traduzido em propostas regionais. Os parâmetros são uma proposta de reorientação curricular que, interpretada regionalmente, serve como orientação e base para a elaboração da proposta curricular de cada instituição escolar, sendo adequada e adaptada ao cotidiano da sala de aula. Propõe uma revisão dos currículos escolares, estimula um debate educacional ampliado e aprofundado envolvendo toda a comunidade escolar.
A escola deve ser reconhecida como um espaço em que referenciais éticos sejam não só discutidos, mas vivenciados e construídos; um local onde devem ser compartilhados em valores cidadãos. Escolas de todo o mundo estão direcionando os seus currículos escolares para a formação de homens e mulheres capazes de ingressar no mundo do trabalho, mas também, e acima de tudo, preparados para o exercício da cidadania. O voluntariado junto aos jovens tem esse papel formador, para que sejam mais conscientes e preparados.
Muitas escolas planejam, organizam e desenvolvem projetos de voluntariado. Temas como ética, cidadania, respeito e solidariedade são bastante enfatizados e refletem a importância de que a escola brasileira seja responsável por formar cidadãos que tenham atitudes de solidariedade, de cooperação, de participação social e política, de justiça e de respeito.
O desenvolvimento de projetos de voluntariado traz benefícios tanto para a comunidade que recebe a ação, quanto para alunos, professores, enfim, toda a escola que a planeja e desenvolve. Os alunos que se envolvem com projetos sociais como voluntários têm a oportunidade de se tornarem empreendedores juvenis, ou seja, esses jovens exercitam capacidades como a de imaginar, de planejar e de colocar em prática sonhos e projetos. Tornam-se protagonistas de transformações dentro e fora da escola, exercitando assim a participação ativa nas transformações necessárias à sua comunidade.
O jovem voluntário é capaz de concretizar projetos pessoais, favorecendo seu desenvolvimento emocional e, consequentemente, profissional. Muitas das habilidades exercitadas no voluntariado são exigidas no mundo do trabalho, porém, poucas vezes são estimuladas e vivenciadas na escola. O professor também é beneficiado quando se envolve em projetos sociais, estimula seus alunos a participarem dessas ações e relaciona tais experiências com os conteúdos curriculares: planejar e desenvolver projetos sociais contribui para que a escola chegue mais perto da realidade dos seus alunos.
Já o público-alvo que recebe diretamente a ação planejada e desenvolvida pela escola vê a sua realidade transformada positivamente e passa a ter uma relação mais próxima com a instituição escolar, vendo-a como um lugar público que pode contribuir muito para a melhoria da qualidade de vida não só pela construção teórica de conhecimentos, mas também pelo o que é capaz de fazer na prática: a comunidade para dentro da escola e vice-versa. Incentivar e criar condições para a participação de jovens no voluntariado são práticas essenciais para o desenvolvimento da consciência de cidadania, democracia e do encontro com valores como solidariedade, inclusão, respeito a diferenças, valores que contribuem, e muito, para o desenvolvimento harmonioso da nossa sociedade.
O voluntariado é uma oportunidade que potencializa a formação de cidadãos envolvidos com a solução de problemas de suas realidades, sejam eles sociais, educacionais, de saúde, ambientais, entre outros.
A proposta de trabalhar o tema solidariedade, cidadania e ética dentro das escolas brasileiras não é uma exigência do MEC, mas a vivência e o exercício são exigências para uma aprendizagem para a vida. No ambiente da escola, existe a promoção do voluntariado educativo. Esta proposta visa estimular a cultura do voluntariado, com caráter pedagógico, a partir do desenvolvimento de projetos que potencializam a principal função da escola: promover a aprendizagem, preparando o aluno para a vida e para o trabalho. Promove atuações sociais integradas ao currículo escolar e têm também o objetivo de melhorar a qualidade de vida da comunidade onde a escola está inserida. Nas universidades, a proposta de que os jovens realizem atividades complementares reconhece a importância das competências adquiridas pelo aluno fora do ambiente escolar, obtidas nas relações com o mundo do trabalho e junto à comunidade. Várias atividades são sugeridas, tais como projetos de pesquisa ou iniciação científica; cursos de extensão ou de atualização cultural ou científica; monitoria, participação em empresas juniores, curso de idiomas ou informática; seminários; palestras e a participação em atividades de voluntariado. Uma vez que estas experiências podem ser vivenciadas desde a juventude, há enorme probabilidade que este tipo de atuação e compromisso social e político perpetuem-se ao longo da vida dessas pessoas.
O jovem voluntário desenvolve uma responsabilidade com a sociedade em que vive e uma maior consciência de suas habilidades e competências, direitos e deveres como cidadão. O movimento é mundial, é global, e o voluntariado é a ferramenta para alcançarmos uma sociedade mais justa, solidária e cidadã.

Tudo o que você precisa saber sobre Terceiro setor a UM CLIQUE de distância!

Imagine como seria maravilhoso acessar uma infinidade de informações e capacitações - SUPER ATUALIZADAS - com TUDO - eu disse TUDO! - o que você precisa saber para melhorar a gestão da sua ONG?

Imaginou? Então... esse cenário já é realidade na Rede Filantropia. Aqui você encontra materiais sobre:

Contabilidade

(certificações, prestação de contas, atendimento às normas contábeis, dentre outros)

Legislação

(remuneração de dirigentes, imunidade tributária, revisão estatutária, dentre outros)

Captação de Recursos

(principais fontes, ferramentas possíveis, geração de renda própria, dentre outros)

Voluntariado

(Gestão de voluntários, programas de voluntariado empresarial, dentre outros)

Tecnologia

(Softwares de gestão, CRM, armazenamento em nuvem, captação de recursos via internet, redes sociais, dentre outros)

RH

(Legislação trabalhista, formas de contratação em ONGs etc.)

E muito mais! Pois é... a Rede Filantropia tem tudo isso pra você, no plano de adesão PRATA!

E COMO FUNCIONA?

Isso tudo fica disponível pra você nos seguintes formatos:

  • Mais de 100 horas de videoaulas exclusivas gratuitas (faça seu login e acesse quando quiser)
  • Todo o conteúdo da Revista Filantropia enviado no formato digital, e com acesso completo no site da Rede Filantropia
  • Conteúdo on-line sem limites de acesso no www.filantropia.ong
  • Acesso a ambiente exclusivo para download de e-books e outros materiais
  • Participação mensal e gratuita nos eventos Filantropia Responde, sessões virtuais de perguntas e respostas sobre temas de gestão
  • Listagem de editais atualizada diariamente
  • Descontos especiais no FIFE (Fórum Interamericano de Filantropia Estratégica) e em eventos parceiros (Festival ABCR e Congresso Brasileiro do Terceiro Setor)

Saiba mais e faça parte da principal rede do Terceiro Setor do Brasil:

Acesse: filantropia.ong/beneficios

PARCEIROS VER TODOS