Voluntariado em saúde: como engajar colaboradores?

Por: Bettina Grajcer
21 Agosto 2013 - 01h04

Muitas empresas querem engajar seus colaboradores em ações de voluntariado. Mas a pergunta é: como fazer para que esta se torne uma prática contínua e prazerosa e que ainda agregue valor ao negócio como um todo? Nesses oito anos de experiência, temos testado diversos modelos de engajamento de público interno em ações de voluntariado e encontramos um caminho que tem apresentado ótimos resultados e merece ser compartilhado.
Um primeiro passo é identificar a causa em que a empresa deseja atuar. Questione-se: temos uma causa clara? Essa causa está relacionada ao nosso negócio? Qual é a realidade que queremos transformar? Em seguida, vale analisar o perfil do público que queremos engajar. Existem diferentes perfis de voluntários. Há pessoas que querem realizar atividades o mais distante possível do seu dia a dia, como é o caso do analista financeiro que vai contar histórias para crianças de um orfanato pelo simples prazer de estar lá. Há também o que não tem tanto tempo disponível, nem interesse em atuar diretamente com uma população necessitada. Neste caso, ele pode aproveitar toda sua expertise em determinado tema para multiplicá-lo em prol de uma ação social. Falando em voluntariado corporativo, essa atuação tende a ser mais motivadora, uma vez que, em um curto período, o voluntário consegue entregar resultados.
O que queremos contar é uma experiência muito positiva que vivemos com o Projeto Dom do Grupo Fleury. A empresa, uma das maiores na área de medicina e saúde do país, procurou-nos com um desejo de gerar impacto positivo na sociedade por meio do voluntariado corporativo. Eles já organizavam internamente algumas ações e projetos, mas estavam em busca de algo novo, que de fato estivesse ligado à estratégia da organização e gerasse maior impacto aos beneficiados. Iniciamos em conjunto uma série de diálogos internos e externos para identificar um caminho que gerasse transformação efetiva na sociedade.
O primeiro passo foi identificar as principais necessidades da sociedade civil na área da saúde. Em seguida, mapeamos as principais demandas de diversas organizações não-governamentais dessa área: do que elas realmente precisavam? E, então, descobrimos que existe uma real necessidade de capacitação de equipe, de melhora de processos e de formação dos profissionais envolvidos com as causas sociais. Em paralelo, fizemos uma pesquisa com as principais lideranças internas do Grupo Fleury para identificar o que eles tinham de melhor a oferecer em questão de conhecimento.
Ao cruzar esses dados, identificamos uma sinergia entre o que o Grupo Fleury poderia oferecer e o que as organizações desejavam. Foi definido, então, um foco de atuação: repassar o conhecimento da empresa sobre excelência em atendimento para aprimorar o trabalho de organizações sociais que atuam na área da saúde. Nessa forma de repassar o conhecimento, vimos ainda uma oportunidade de impactar muito mais pessoas do que simplesmente ajudar pontualmente uma ou outra instituição. Foi então que surgiu o Dom, um projeto de responsabilidade social do Grupo Fleury para capacitar organizações do Terceiro Setor por meio da apresentação de conceitos inovadores de gestão, qualidade e inovação em todos os pontos do processo de atendimento. E como fazer isso? Com o envolvimento de colaboradores voluntários da empresa.
Desde o início, o projeto foi elaborado de forma que pudesse ser tocado essencialmente por voluntários, com pouco ou quase nenhum suporte externo, dando, assim, autonomia aos que quisessem participar. Para facilitar o trabalho dos voluntários, que, em um primeiro momento, eram todos diretores e gerentes da instituição, criamos um plano de aulas com todo o conteúdo a ser discutido, esquematizado nas palestras que seriam dadas às ONGs. E, para garantir que o projeto fosse replicado nas diversas regionais do Grupo Fleury, criou-se um guia com instruções para que a capacitação pudesse ser dada em diferentes locais.
O projeto teve ótimos resultados, superando as expectativas de engajamento de voluntários de diferentes níveis hierárquicos e trazendo melhorias concretas nas organizações sociais por meio de projetos práticos implantados com os conhecimentos adquiridos.
E lembre-se sempre de que ações bem estruturadas e baseadas em um interesse genuíno em fazer o bem trazem benefícios também para o negócio. Seus colaboradores trabalharão mais motivados e engajados ao reconhecerem que a empresa tem uma causa. Aumentará a integração entre áreas e também entre os diferentes níveis hierárquicos da companhia, além de contribuir para a retenção de talentos que se identificam com a empresa e sentem que, de fato, estão fazendo a diferença.

Dicas para quem quer INICIAR uma ação de voluntariado em sua corporação

  • Envolva as lideranças da empresa no projeto. Essa postura garante o alinhamento estratégico da iniciativa com as diretrizes da companhia, valoriza o projeto e ainda faz com que os colaboradores tenham seus gestores como exemplo.
  • Ao traçar o projeto de voluntariado corporativo, utilize o capital intelectual da própria empresa. As pessoas sentem-se recompensadas quando percebem que podem ajudar aos outros com suas expertises.
  • A comunicação é essencial para o engajamento dos colaboradores. Mostre aos envolvidos que a ação está relacionada a um papel estratégico da empresa e que vai além do que muitos chamam de “abraçar árvore”. Mas transmita essa mensagem de forma sedutora e contagiante.
  • Engaje o público interno desde a concepção do projeto, para que eles se sintam parte da ação de voluntariado. Eles podem contribuir com a escolha do nome, com a definição da instituição a ser beneficiada etc.
  • Preocupe-se com a gestão. Defina responsáveis por fazer a ação acontecer. Ao escolher os líderes do projeto, dê preferência a profissionais que circulem bem em diferentes áreas da empresa. Trate essa iniciativa com a mesma competência dos demais projetos de empresa. Defina e monitore indicadores.
  • Procure, com essa ação de voluntariado, atender às demandas concretas, legítimas e reais da organização ou do público a ser beneficiado.
  • Celebre! É muito importante que as pessoas envolvidas com o projeto vejam seu trabalho ser reconhecido.
EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
15.094
Oportunidades Cadastradas
9.565
Modelos de Documentos
3.051
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
22 Dez
2019
UNDEF - 2019 Call to Civil Society to Apply for Funding...
Prazo
20 Dez
2019
Concurso Anual para Jovens - Mulheres Rurais: inovando...
Prazo
17 Abr
2020
Conservation Grant - Amphibian Ark
Prazo
16 Dez
2019
Bikeducação: Edital Itaú para Seleção de Projetos...
Prazo
16 Dez
2019
ONU / FIDA - Concurso de Fotografia “Juventude e...
Prazo
17 Jan
2020
Cisco Global Problem Solver Challenge 2020
Prazo
25 Jan
2020
Environmental Curricula Grants
Prazo
31 Mar
2020
United Nations Voluntary Fund on Disability
Prazo
Contínuo
Mitsubishi Corporation Foundation for the Americas
Prazo
Contínuo
Oak Foundation’s - Issues Affecting Women Programme

PARCEIROS VER TODOS