Uma visita ao Solo Sagrado

Por: Roberto Ravagnani
01 Janeiro 2003 - 00h00
Se existem paraísos, um exemplar está bem próximo à cidade de São Paulo, mais precisamente a 25 quilômetros da avenida Paulista, em Parelheiros, Zona Sul de São Paulo - bairro que preenche com freqüência páginas policiais de periódicos e é retrato de um desequilíbrio social gerador de índices de violência alarmantes. Mas a pauta, neste espaço, é outra: a preservação da natureza e admiração por ela.

Todos deveríamos ter a oportunidade de viver em um lugar parecido com o Solo Sagrado. Sagrado pela beleza, pelo cuidado e pelo respeito à natureza. Sagrado por Deus, que certamente vê nesse espaço sua obra reproduzida pelas mãos do homem.

Uma visita ao Solo Sagrado faz levar ao seu dia-a-dia as experiências que lá foram sentidas

Estamos nos referindo ao Solo Sagrado, sede do Movimento Mundial Mokiti Okada no Brasil, que fica às margens da represa de Guarapiranga. O local já recebeu, desde 1995, milhões de pessoas em busca de paz e tranqüilidade, sensações imprescindíveis para a estabilidade humana, mas freqüentemente perdidas nas grandes cidades brasileiras.

O parque, como o nome diz, é sagrado pela conjunção dos elementos básicos da natureza: terra, lua (água) e sol (fogo). Sagrado também pela intervenção consciente das mãos do homem, que ajudaram a resgatar o meio ambiente, tornando-o mais harmonioso. Foram criadas cascatas, jardins que florescem o ano todo, espaços para meditação, lagos e trilhas convidativas por meio de projetos paisagísticos inspirados na milenar cultura japonesa. Como marco do local, existe um templo a céu aberto, que convida instantaneamente o visitante a uma pausa para reflexões sobre sua condição humana.

Visitamos o Solo em um dia chuvoso. Mesmo sem a motivação de um dia de sol, encontramos guias voluntários extremamente dispostos a ajudar, anunciando a forma de relação interpessoal predominante naquele espaço. Encontramos um grande número de visitantes provenientes de todo o Brasil, reunidos em excursões ou em investidas solitárias. Afinal, o que uma visita ao Solo Sagrado poderia acrescentar para essas pessoas – e inclusive para nós – que visitavam o parque?

As respostas começaram a surgir logo no início da jornada. Imediatamente, fica caracterizada a harmonia entre os elementos da natureza e com os freqüentadores. Por incrível que pareça, apesar de existirem milhares de metros quadrados gramados, cada pedaço é conservado limpo e sem uma pessoa sequer fazendo deles um caminho adaptado. Detalhe: não há placas que proíbam pisar na grama. Itens bastante simples, mas ignorados no corre-corre diário.

Durante a nossa visita, fomos acompanhados pelo chefe do Setor Ambiental, que nos conduziu até o escritório administrativo do Solo. Na sala de espera, notamos a existência de um monjolo feito com bambu (instrumento utilizado para triturar milho ou trigo). O som produzido por aquele aparato apresenta-se em perfeita consonância com o conjunto do parque: suavidade harmônica, fonte inspiradora de paz.

Seguimos nossa visita conhecendo o centro cultural, local que abriga uma réplica de uma típica casa de chá japonesa. Lá, as pessoas recebiam Johrei (uma técnica de energização) e apreciavam uma exposição de quadros produzidos com a técnica denominada pontilhismo. Em cada uma das atividades presentes, havia um convite explícito à apreciação consciente da natureza, e não apenas uma contemplação passiva e reativa.

O BÊ-A-BÁ DO PARQUE:

  • Monjolo – instrumento utilizado pelas fazendas antigas para triturar o milho ou trigo, feito de madeira com uma das pontas em forma de martelo e a outra em forma de concha, que se abaixa quando cheia d’água e
    esvazia, quebrando os grãos com a outra ponta.

    • Johrei – técnica de energização por imposição das mãos, utilizada pelos membros da Igreja Messiânica.

O respeito aos seus freqüentadores, oriundos de todo o Brasil, está presente também nas acomodações e nas estruturas. Há um alojamento para 300 pessoas, além de um refeitório, um centro de treinamento, um posto de saúde e lanchonetes, entre outras facilidades, extremamente necessárias em função das caravanas de voluntários que vêm para prestar ao menos um dia de auxílio. No centro do parque, encontra-se o altar do Deus Supremo Criador do Universo, onde existe uma torre de 71 metros de altura, que cumpre um papel de captador da luz solar, posteriormente dissipada e expandida pelo altar.

Apesar da vontade de detalhar com mais precisão o que pode ser presenciado nesse local, precisamos completar o texto com outras informações. Mas as imagens que ilustram esta matéria, certamente, nos ajudarão a transmitir a mensagem desejada pelos administradores do parque. Faz-se necessário complementar a resposta iniciada linhas atrás, após perguntarmos em que a criação desse espaço pode agregar algo àqueles que o freqüentam e à comunidade? Qual o papel social dessa iniciativa? Imediatamente, percebe-se a preocupação em transmitir a importância do respeito à natureza, base do trabalho no Solo Sagrado.

Essa noção de respeito no contato com o natural pode ser transportada para fora do parque, causando transformações, pequenas ou grandes, no espaço em que cada visitante ocupa. A forma de construção e manutenção do parque é lição constante de como o homem pode interagir harmonicamente com a natureza. Alguns exemplos: canais de condução da água pluvial com degraus para evitar a erosão e o assoreamento da represa de Guarapiranga (que circunda o parque), utilização de adubo orgânico nos jardins e em parte das verduras utilizadas no refeitório, coleta seletiva e reciclagem do lixo e preservação e recriação de parte da Mata Atlântica.

SAIBA MAIS

  • 237 mil metros quadrados

  • Capacidade do espaço: 50 mil pessoas

  • 71 metros – altura da torre de captação de luz solar

  • 1.500 voluntários no primeiro domingo de cada mês

  • 5 mil árvores plantadas

  • Dois milhões de visitantes em
    sete anos

    No Solo Sagrado, a educação ambiental voltada para a sustentabilidade rege as regras do jogo. Cursos e eventos são realizados com freqüência a partir de iniciativas dos próprios administradores e também de organizações sociais que utilizam o espaço para conduzir suas atividades. Dentre outros aprendizados, o parque, criado e mantido por meio da contribuição dos membros da Igreja Messiânica Mundial do Brasil, nos ensina que é possível o desenvolvimento sustentável, mesmo em ambientes urbanos, assim como é viável desenvolver projetos arquitetônicos causando o mínimo de impacto ambiental. Além disso, exercita-se fluência a consciência de nossa responsabilidade para com a grande natureza.

    Fica bastante claro o interesse da Fundação Mokiti Okada em tornar o espaço do parque disponível para a interação com empresas, instituições de pesquisa e organizações – governamentais ou não – visando o desenvolvimento de trabalhos que multipliquem a importância da educação ambiental. Aproveitar essa oportunidade é uma decisão válida e enriquecedora, especialmente quando levamos em conta o papel decisivo que cada um de nós tem na interação com o meio ambiente.

    A FILOSOFIA DE MOKITI OKADA

    “Ao longo de 3000 anos, a humanidade veio se afastando cada vez mais da Lei da Natureza, que é a Lei do Universo, a Verdade. Movido pelo materialismo, que o faz acreditar somente naquilo que vê, e pelo egoísmo, que o leva a agir de acordo com sua própria conveniência, o homem tornou-se prisioneiro de uma ambição desmedida e inconseqüente e vem destruindo o equilíbrio do planeta, criando, para si e seu semelhante, desarmonia e infelicidade.

    As graves conseqüências do desrespeito às Leis Naturais podem ser verificadas na Agricultura, na Medicina, na Saúde, na Educação, na Arte, no Meio Ambiente, na Política, na Economia e em todos os demais campos da atividade humana. Essa situação já chegou ao seu limite. Se continuar agindo assim, é certo que o homem acabará destruindo o planeta e a si mesmo. O propósito da filosofia de Mokiti Okada é despertar a humanidade, alertando-a para esta triste realidade.

    Por isso, cultiva o espiritualismo e o altruísmo, faz o homem crer no invisível e ensina que existem espírito e sentimento não só no ser humano, mas também nos animais, nos vegetais e nos demais seres. O Johrei, a Agricultura Natural e o Belo são práticas básicas dessa filosofia, capazes de transformar as pessoas materialistas em espiritualistas e as egoístas, em altruístas, restituindo ao planeta seu equilíbrio original. Seu objetivo final é reconduzir a humanidade a uma vida concorde com a Lei da Natureza e construir uma nova civilização, alicerçada na verdadeira saúde, na prosperidade e na paz.”

    EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
    16.515
    Oportunidades Cadastradas
    9.597
    Modelos de Documentos
    3.222
    Concedentes que Repassam Recursos
    Prazo
    30 Abr
    2020
    Prêmio Melhores ONGs
    Prazo
    30 Abr
    2020
    Dubai International Best Practices Award
    Prazo
    1 Mai
    2020
    World Food Prize 2020
    Prazo
    8 Mai
    2020
    15ª edição do prêmio Para Mulheres na Ciência
    Prazo
    21 Mai
    2020
    Zayed Sustainability Prize 2021
    Prazo
    26 Mai
    2020
    UNESCO - Prize for Girls’ and Women’s Education...
    Prazo
    1 Jun
    2020
    Sophie Danforth Conservation Biology Fund
    Prazo
    18 Jun
    2020
    Global Health Security & Pandemics Challenge
    Prazo
    30 Jun
    2020
    Prêmio Internacional de Seguros Julio Castelo Matrán
    Prazo
    31 Dez
    2020
    Patrocínios e Doações - Instituto Usiminas

    PARCEIROS VER TODOS