Nilmar

Por: Juliana Fernandes
01 Março 2012 - 00h00

ilmar Honorato da Silva é um dos jogadores mais habilidosos do futebol nacional. Atualmente no Villareal, da Espanha, o paranaense de Bandeirantes já esteve em campo pelos principais times do país, entre eles: o Internacional de Porto Alegre – onde foi revelado – e o Sport Club Corinthians Paulista. Vestindo a camisa da seleção brasileira, o jogador foi um dos 23 convocados para a Copa do Mundo de 2010. Hoje, além de trabalhar para representar o país na próxima edição da competição em 2014, Nilmar ainda atua como padrinho do projeto ‘Era uma vez Europa’. A iniciativa busca dar oportunidades de conhecimento e desenvolvimento social e cultural, além de incentivar os estudos aos jovens que não teriam a oportunidade de fazer um intercâmbio por conta própria.
Por meio de atividades multidisciplinares, o programa é dividido em três etapas: “Era uma vez... Redação”, em que os participantes produzem textos e as 100 melhores redações escolhidas se tornam parte de um livro – distribuído em escolas do Brasil e da Europa; na segunda fase, os selecionados seguem para o “Era uma vez... Capoeira” para terem contato direto com as raízes históricas da cultura do país; e, por fim, os alunos têm a chance de conviver com estudantes europeus e fazer apresentações de capoeiras nas escolas estrangeiras. O intuito principal é compartilhar experiências e realizar atividades culturais. Em entrevista à Revista Filantropia, Nilmar conta como pretende ajudar no combate ao abandono escolar por meio de sua atuação no projeto.

Revista Filantropia: Atualmente, você participa como padrinho do Projeto Era uma vez Europa. Conte um pouco sobre a iniciativa e sua atuação.
Nilmar:
A iniciativa é muito ambiciosa e compreende uma atividade multidisciplinar desde o início, para colaborar no desenvolvimento social de uma zona muito concreta do Brasil: São Paulo e Paraná. O objetivo é diminuir o absentismo escolar das crianças mais desfavorecidas em uma idade crítica de suas vidas (13 e 14 anos), que é o período mais sensível para entrarem no mundo das drogas. Eu promovo esse projeto, o qual incentiva a atividade cultural e consiste na realização de uma redação escolar, aprendizado da capoeira e um estágio na Europa.

RF: Como surgiu o convite para o projeto e o que o motivou a aderir à causa?
N:
Sou consciente dos problemas sociais que existem em todas as partes do mundo e especialmente no meu país. Sempre quis ajudar as crianças carentes, e quando recebi a proposta, não pensei duas vezes.

RF: O projeto busca incentivar e contribuir com a educação no Brasil. Em sua opinião, qual a importância de agregar o esporte ao desenvolvimento educacional das crianças e dos adolescentes?
N:
Considero que o esporte desenvolve a criança fisicamente e mentalmente, ajudando em sua formação, para que aprendam a respeitarem o próximo e a trabalharem em grupo.

RF: Em sua opinião, o Brasil possui políticas públicas eficientes para o desenvolvimento de novos atletas?
N:
Acredito que, com as mudanças que vêm acontecendo, o Brasil está realizando um esforço muito grande para chegar ao nível das grandes potencias do esporte. Porém, ainda é preciso trabalhar muito. Mas, acho que o país está no caminho certo.

RF: De que maneira os eventos esportivos que o país sediará, em 2014 e 2016, irão ajudar na profissionalização e no investimento nos futuros esportistas?
N:
É um feito fantástico para o Brasil sediar a Copa do Mundo em 2014 e as Olimpíadas em 2016. Sem sombra de dúvidas será incrível, e como brasileiro espero poder participar da Copa do Mundo de 2014. Esses dois eventos esportivos ajudarão o desenvolvimento do país tanto na parte de infraestrutura quanto na parte econômica. Acredito que, a partir desses acontecimentos, seremos um exemplo para os outros países com as mesmas características que o Brasil.

RF: Quem é o seu ídolo no esporte? Algum jogador que seja uma inspiração por seu trabalho dentro e fora dos campos.
N:
É claro que o meu maior ídolo é o Pelé. Acho que para todos os jogadores de futebol brasileiros, o Pelé é uma referência por toda a história que ele viveu.

RF: Sempre que possível, você se reúne com outros de jogadores em partidas beneficentes. Qual é a importância dos atletas se engajarem em eventos desse tipo?
N:
Acho que é muito importante ajudar os que mais precisam. Sempre que minha agenda esportiva me permite eu colaboro em todas essas iniciativas, que são muito importantes para diminuir a desigualdade social.

RF: Muitos esportistas, além de participarem de ações sociais, criam o seu próprio Instituto­ ou Fundação, como no caso dos ex-jogadores Raí, Leonardo e Cafú. Já pensou na possibilidade de ter a sua própria instituição social?
N:
No dia de hoje não tenho pensado, mas não descarto no futuro. Mas, gostaria de fazer algo na minha cidade, Bandeirantes (Paraná).

RF: Qual é a sua opinião sobre o trabalho realizado pelas organizações e entidades não-governamentais no Brasil?
N:
Acho que o Brasil é um país formado por boas pessoas, que cada vez mais se sensibilizam para ajudar os que precisam. Nós, jogadores, também falamos cada vez mais de nossas obrigações quanto à sociedade.

Tudo o que você precisa saber sobre Terceiro setor a UM CLIQUE de distância!

Imagine como seria maravilhoso acessar uma infinidade de informações e capacitações - SUPER ATUALIZADAS - com TUDO - eu disse TUDO! - o que você precisa saber para melhorar a gestão da sua ONG?

Imaginou? Então... esse cenário já é realidade na Rede Filantropia. Aqui você encontra materiais sobre:

Contabilidade

(certificações, prestação de contas, atendimento às normas contábeis, dentre outros)

Legislação

(remuneração de dirigentes, imunidade tributária, revisão estatutária, dentre outros)

Captação de Recursos

(principais fontes, ferramentas possíveis, geração de renda própria, dentre outros)

Voluntariado

(Gestão de voluntários, programas de voluntariado empresarial, dentre outros)

Tecnologia

(Softwares de gestão, CRM, armazenamento em nuvem, captação de recursos via internet, redes sociais, dentre outros)

RH

(Legislação trabalhista, formas de contratação em ONGs etc.)

E muito mais! Pois é... a Rede Filantropia tem tudo isso pra você, no plano de adesão PRATA!

E COMO FUNCIONA?

Isso tudo fica disponível pra você nos seguintes formatos:

  • Mais de 100 horas de videoaulas exclusivas gratuitas (faça seu login e acesse quando quiser)
  • Todo o conteúdo da Revista Filantropia enviado no formato digital, e com acesso completo no site da Rede Filantropia
  • Conteúdo on-line sem limites de acesso no www.filantropia.ong
  • Acesso a ambiente exclusivo para download de e-books e outros materiais
  • Participação mensal e gratuita nos eventos Filantropia Responde, sessões virtuais de perguntas e respostas sobre temas de gestão
  • Listagem de editais atualizada diariamente
  • Descontos especiais no FIFE (Fórum Interamericano de Filantropia Estratégica) e em eventos parceiros (Festival ABCR e Congresso Brasileiro do Terceiro Setor)

Saiba mais e faça parte da principal rede do Terceiro Setor do Brasil:

Acesse: filantropia.ong/beneficios

PARCEIROS VER TODOS