Um FIFE Para Chamar de Seu

Por: Aurimar Pacheco
09 Junho 2016 - 04h38

 

Estive no Fórum Interamericano de Filantropia Estratégica (FIFE) 2016 em Fortaleza (CE) e vi mais uma vez nosso povo ávido por formação, informação e aquilo que todos queremos e de que gostamos: atenção. Nós, que cuidamos tanto de gente, gostamos que cuidem de nós também. Se possível em um hotel à beira-mar, a preço de custo. Que se cuide do cuidador.

Esse é o conjunto de ações de um movimento emergente que se firma a cada ano, e já se foram três deles. Essa força chamada FIFE taxia rumo a seu destino: tornar-se indispensável na abordagem do social. Seja como política pública (desejável), investimento social privado, seja mais genericamente esse termo autorreferente chamado Terceiro Setor.

O segmento dito tem obedecido muitas regras de fácil compreensão. Quanto mais se afasta dos vícios do passado nas práticas sociais casuístas e amadoras, mais encontra seu lugar, sua espécie, seus iguais.

Ainda há resíduos do que se esvai, gotejamento daquilo que está passando perante o devir. Essa intercessão do velho e do novo ainda nos perseguirá muito, porque é um dado histórico, uma contingência inescrutável dos fenômenos sociais. O tempo social tem a velocidade de sua própria ação e de seus princípios. Quase sempre é geracional e agora também tecnológico, internacionalizado.

Mas mesmo assim já se afasta há minutos-luz de nossa realidade quando sentimos na busca coletiva as soluções individuais. Aquilo que responde a mim e a minha causa. Por outro lado, minha solução individual não será viável sem a verdade consolidada da mudança geral, da chavinha virada que retome uma lógica republicana. Será que é possível?

A prova da possível viabilidade está no elã das discussões. Discute-se tudo, de metodologia a financiamento, regras e relacionamento com o poder público ao cotidiano das entidades, o presente, o passado e o futuro da expressão projeto social. Se novas descobertas são essenciais para isso, faça-se o FIFE. Que nos encontremos nos litorais, montanhas e cataratas. Merecemos ótimas discussões e paisagem natural.

Dos participantes, alguns têm perfil bem definido.

Têm os dirigentes e técnicos que bem sabem o que querem. Com olhar de sabedor em equilíbrio com uma pitada de insegurança, circulam nas ideias. Querem saber o que tem de novo, eficiente e eficaz. Querem ver e ouvir novidades e não se furtam de puxar assunto com quem estiver por perto. Fazem conchavos e manuseiam o catálogo de cursos a acontecer com desenvoltura e marca-texto em riste.

Alguns destacam com asteriscos seus insondáveis interesses. Aqui e ali um resmungo de que “hum, foi bom saber disso. Não tinha pensado nisso”, ou os mais exigentes “isso no ano passado foi melhor”. São os veteranos do FIFE e que seguem para a quarta experiência.

Têm os de primeira viagem. São auscultores do momento. Dizem pouco e observam. Circulam nos ambientes e ouvem tudo. Comparam o FIFE mentalmente com aquele seminário do Recife, com a conferência de Brasilia e com a reunião do fórum X. Caminham encontrando seus semelhantes e estão sempre com uma informação nova a ser pedida. Nas mulheres o detalhe da bolsa grande e o caminhar sempre em duplas. Nos homens um ar circunspecto e a camisa social manga longa em listras bem ajustada por dentro da calça.

Esses calouros mantêm certo deslumbre no olhar e uma importante descoberta. “Parecem entrar enfim numa existência superiormente interessante”. Começam a entender o FIFE lá pela terceira oficina. Ficam sedados de interesse.

Têm a ala engravatada. Deixam-nos pensar que levam a sério demais a coisa simples. Mas ajudam a coisa a funcionar e garantem a estética do Terceiro Setor, aquela que se identifica com a empresa e com o negócio. Caminham pelos corredores com suas importâncias intactas demonstrando a si e ao mundo que têm palavra final. Deixam transparecer, sem esforço, a sombra Excel/ Power Point que lhes acompanha nos eventos. São lindos.

Falar nisso, este ano teve a radicalização do high tech, a tecnologia impondo-se pelos aplicativos e demais redes. Ainda não funciona total. O nosso povo, na maioria, é do tempo da agenda e da pergunta direta, participação saliva. Porém a aura que se cria alimenta a modernidade que queremos para nós. Tá bom de “questão de ordem” ou “questão de encaminhamento”, das nossas antigas sessões de militância estudantil.

Por fim, a alegria e as surpresas. Têm gente engraçada produzindo sorriso e a doce sensação de que você não está sozinho. De que há um modelo de formação para o social que constrói grife e supera o evento esquálido de que nos acostumamos a participar. E o cardápio é inesgotável. O Brasil social encontra-se ali, com seus sotaques, vestuários, temperaturas e incertezas. Faz tempo que somos uma usina de ideias e responsabilidades e orgulhamo-nos disso. Por isso, se você chegou aqui e ainda não foi a um FIFE, vá ao próximo. Você também precisa de um FIFE para lhe chamar de seu. Ele o acolherá.

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
15.094
Oportunidades Cadastradas
9.565
Modelos de Documentos
3.051
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
22 Dez
2019
UNDEF - 2019 Call to Civil Society to Apply for Funding...
Prazo
20 Dez
2019
Concurso Anual para Jovens - Mulheres Rurais: inovando...
Prazo
17 Abr
2020
Conservation Grant - Amphibian Ark
Prazo
16 Dez
2019
Bikeducação: Edital Itaú para Seleção de Projetos...
Prazo
16 Dez
2019
ONU / FIDA - Concurso de Fotografia “Juventude e...
Prazo
17 Jan
2020
Cisco Global Problem Solver Challenge 2020
Prazo
25 Jan
2020
Environmental Curricula Grants
Prazo
31 Mar
2020
United Nations Voluntary Fund on Disability
Prazo
Contínuo
Mitsubishi Corporation Foundation for the Americas
Prazo
Contínuo
Oak Foundation’s - Issues Affecting Women Programme

PARCEIROS VER TODOS