Transformação pelo engajamento

Por: Marcela Porto
21 Agosto 2019 - 00h00

5228-abertura 

A implementação de um projeto social, seja ele voltado à educação, cultura, conservação ambiental ou a qualquer outra área, inclui aspectos estratégicos. Nesse processo, um dos eixos principais para o sucesso e a continuidade da iniciativa é o envolvimento da comunidade. Muitas organizações acreditam que envolver a comunidade se resume apenas em realizar eventos e, isoladamente, receber alguns inputs locais. Porém, tão fundamental quanto a participação é uma etapa anterior: a análise do território onde a iniciativa será desenvolvida e as interações estabelecidas com ele.

Essa análise mais ampla, da paisagem como um todo, busca contemplar a identificação e o reconhecimento não apenas de dados demográficos, mas sobretudo de aspectos sociais: quais são os vínculos daquela comunidade com o local e entre as próprias pessoas? Qual história essa população conhece e qual ajudaram a construir? Quais as conexões emocionais que existem? Mais do que conhecer, é preciso respeitar, valorizar, fazer perguntas sobre esses aspectos, e genuinamente reconhecer suas especificidades.

Essa etapa antecede e fortalece, portanto, a participação da comunidade. Quando os cidadãos se engajam, o potencial de transformação social da iniciativa se torna ainda mais evidente, e isso pode contribuir para que seus resultados sejam mais duradouros. A comunidade deve ser vista como o ponto central dos projetos, de modo que a prioridade seja que esses cidadãos tenham suas necessidades e expectativas atendidas e possam, inclusive, desempenhar um papel atuante durante as fases de consolidação dos projetos.

De acordo com a International Organization for Standardization (ISO) 26000, norma internacional de Responsabilidade Social, há sete diretrizes para que as organizações possam manter uma conduta sustentável. Dentre elas, “a identificação e o engajamento das partes interessadas” e “o envolvimento e desenvolvimento de comunidades”, tópicos que destacam a relevância de se compreender como a comunidade será afetada pelo projeto e de que forma é possível mobilizá-la. Mas, na prática, o que seria esse engajamento e por que a comunidade é fundamental para a perpetuação de programas desse tipo? O projeto Biblioteca Comunitária Ecofuturo é um bom exemplo para ilustrar essa relação.

Desde 1999, o Instituto Ecofuturo, em parceria com o poder público, iniciativa privada e comunidade local, trabalha na implantação de bibliotecas em escolas públicas, abertas à comunidade, e no incentivo à leitura. O espaço, que é construído ou reformado para abrigar a nova biblioteca, recebe um acervo com 1.000 livros novos de literatura, além de equipamentos eletrônicos e mobiliário. Atualmente, são mais de 100 Bibliotecas Comunitárias Ecofuturo instaladas em 12 estados do Brasil, com média de 660 mil atendimentos por ano.

Ao ser definido o município onde será implantada a biblioteca, é executado um diagnóstico de grande importância, que permite a ampliação do olhar sobre a cidade que receberá o projeto. Consideramos não apenas os dados demográficos, como mencionei anteriormente, mas também aquilo que é vivo e afetivo, ou seja, as interações humanas existentes naquele território e como elas contribuem para o formato atual do espaço. Essa análise ajuda a entender de que maneira as pessoas, ao longo do tempo, deixaram suas impressões sobre aquela cidade e quais vínculos humanos e afetivos se formaram. Com a implantação do projeto, pretendemos restaurar esses vínculos e possibilitar que os indivíduos se sintam mais conectados com a sua comunidade, aumentando a sensação de pertencimento, tão necessária para a mobilização e a luta por melhorias no município.
Mapeamos também iniciativas culturais e de promoção de leitura já existentes na região, a fim de integrá-las de alguma forma ao projeto, trocar conhecimento e inspirar outras tantas boas ações – e aqui, vale um parêntese: em todos os nossos processos de implantação de bibliotecas comunitárias, por mais remotos que tenham sido, sempre encontramos alguma iniciativa prévia relacionada à formação leitora na comunidade. Já vimos de quase tudo, desde livros na praça, rodas de leitura, “bike-livros”, “jegue-livros”, e por aí vai...

Retomando o processo, a conexão com as demandas locais não se encerra por aí. Concluída a etapa de articulação para assinatura de um acordo de cooperação com a Prefeitura do município que receberá a biblioteca e do apoio das instituições privadas - primeiro passo para dar início à implantação -, a comunidade passa a ser o eixo mais importante, norteando nossas ações.

Para começar, organizamos uma mobilização dos moradores do entorno da escola para apresentar o projeto e para que escolham representantes que acompanharão as etapas de implantação mais de perto, estimulando que todos façam parte dos momentos de decisão e enxerguem a biblioteca como uma construção coletiva. Envolvemos as pessoas posteriormente, por exemplo, em sugestões para o mobiliário – que é comprado em fornecedores locais –, na escolha do homenageado que dará nome à biblioteca e no processo de composição de parte do acervo.
Cerca de 70% dos livros adquiridos pelo Ecofuturo e doados para a biblioteca são selecionados por especialistas da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ), enquanto os outros 30% são escolhidos conforme os interesses da comunidade. Apresentar títulos alinhados aos gostos e necessidades da população local aumenta as chances de aproximação das pessoas com o espaço.

Outra fase da implantação é a formação de aproximadamente 40 educadores e moradores da comunidade local em cursos de Auxiliar de Biblioteca e Promotor de Leitura, e em uma oficina de Educação Ambiental, que visa valorizar o ambiente natural também como espaço educador. Dois dos participantes serão funcionários da nova biblioteca; os demais se tornam multiplicadores da leitura e muitas vezes contribuem com o desenvolvimento de novas iniciativas na região.
Essas ações buscam, sobretudo, estimular a criação de vínculos afetivos da comunidade com a biblioteca comunitária. Muitas vezes, a biblioteca é o único equipamento cultural da cidade, o que a torna uma referência e até um ponto de encontro. Aquele espaço passa a ser mais do que um acervo físico de livros (e de muito conhecimento, claro!) e adquire outras tantas potencialidades: é lá que a comunidade pode descobrir novas vocações profissionais, por exemplo – há casos de jovens que, a partir do curso de Auxiliar de Biblioteca, decidiram que gostariam de cursar Biblioteconomia. É também na biblioteca que os moradores aprendem maneiras de dar continuidade à gestão do local, a se empoderarem e se mobilizarem para, juntos, reivindicarem outras demandas de interesse comum ao poder público, além de várias outras possibilidades de encontros e descobertas.

Outro ponto que merece atenção é a comunicação contínua com o público-alvo, aspecto primordial, como indica o guia Project Management Body of Knowledge (PMBOK), publicação que é referência para gerenciamento de projetos. Com a intenção de estimular esse processo e reconhecer o trabalho desenvolvido nas bibliotecas, realiza-se o Prêmio Ecofuturo de Bibliotecas a cada dois anos. As bibliotecas da rede podem se inscrever e compartilhar as práticas de leitura que promoveram ao longo do ano. Os relatos recebidos demonstram o quanto uma comunidade engajada no uso permanente da biblioteca é capaz de criar e realizar atividades significativas. O interesse pela leitura é capaz de gerar outras ações que beneficiam cada vez mais pessoas. Um caso que ilustra isso ocorreu na cidade de Agudos, no estado de São Paulo: as crianças de uma escola, em uma atividade proposta pela equipe da biblioteca comunitária do município, leram para idosos de um abrigo próximo ao local, que ficaram encantados com a visita.

É válido mencionar também que os impactos das bibliotecas comunitárias podem chegar ao âmbito educacional, influenciando o desempenho escolar de jovens e crianças. Segundo pesquisa de impactos desenvolvida pela consultoria METAS Sociais, os municípios que receberam bibliotecas da rede do Ecofuturo apresentaram melhora nos índices educacionais, como aumento médio de 7,8% no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) no Ensino Fundamental II, em comparação com cidades de mesmo porte, mas que não têm bibliotecas do projeto. O estudo apontou também uma elevação na taxa de aprovação, além de verificar uma relação positiva entre a presença das bibliotecas e uma maior participação das famílias na vida escolar dos estudantes.

Assim, a lição aprendida nessa caminhada, e que esperamos que possa servir de inspiração para outras iniciativas na área do investimento social privado, é que os projetos podem ir muito além de suas propostas iniciais e promover transformações na paisagem cultural, social e ambiental de uma comunidade. Observar essa mudança acontecendo na sociedade nos certifica que os vínculos criados a partir da implantação dos projetos são essenciais para que as iniciativas sejam efetivas e sustentáveis. Ao oportunizar vivências e abrir caminhos para novas perspectivas e novos sonhos, empoderamos os cidadãos e deixamos como legado um modelo de articulação que pode ser replicado, aperfeiçoado e utilizado como ferramenta para outras conquistas importantes para a comunidade.

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
19.064
Oportunidades Cadastradas
9.597
Modelos de Documentos
3.404
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
30 Jun
2020
Linha emergencial de crédito Conexsus
Prazo
Patrocínio BS2
Prazo
31 Jul
2020
GlobalGiving Accelerator - Virtual Training Program...
Prazo
30 Nov
2020
Stop Slavery Award 2021
Prazo
31 Jul
2020
AEB - Chamamento Público para lançamentos a partir...
Prazo
4 Set
2020
Ideias para o Futuro
Prazo
Matchfunding Enfrente o Corona
Prazo
1 Ago
2020
Todos os olhos na Amazônia
Prazo
1 Ago
2020
The IFREE Small Grants Program
Prazo
31 Dez
2020
Patrocínios e Doações - Instituto Usiminas

PARCEIROS VER TODOS