Tecnologia de monitoramento e avaliação de programas sociais

Por: Carol Zanoti
01 Julho 2010 - 00h00

Confesso que não aprecio muito filmes de ficção, mas ouso começar este artigo lembrando o filme “O exterminador do futuro”, de 1984, para comparar a necessidade de qualificar tecnicamente as avaliaçõesde projetos ou programas socioambientais.

O filme conta a história de um futuro próximo, quando a guerra entre humanos e máquinas é deflagrada. Um plano inusitado é arquitetado pelas máquinas ao enviar para o passado um androide (Arnold Schwarzenegger) com a missão de matar a mãe (Linda Hamilton) daquele que seria um líder e seu pior inimigo.Nos nossos projetos socioambientais acontece, infelizmente, algo muito parecido. A frustração de não conseguirmos mensurar claramente seu sucesso e contribuir com a causa assumida reflete a crença de que eles poderiam ser exterminados antes mesmo de serem gerados.

Ao assumirmos uma causa desejamos construir ações para colaborar com a produção de resultados e impactos relevantes. Investimos recursos, serviços e capacidades para gerar uma referência de sucesso diante da causa assumida.

Muitas organizações intuem o desenvolvimento e o sucesso dos seus processos pontualmente quando analisam o desempenho de suas ações apenas com relatos subjetivos: “sei que meu projeto é muito bom...”. Mas, quando aprofundamos a análise de seus resultados, na maioria das vezes não há vínculo com o objetivo proposto. Um projeto ou programa que não tem objetivo e metas claras (marco zero) e não estabelece os mecanismos e técnicas para monitorá- lo, raramente apresentará resultados que produzem impacto diante da causa. Nesses casos, a perda de foco contribui com uma frustração diante da causa.

Outras avaliam seus processos somente como forma de supervisão do investidor ou apoiador, para verificar se o investimento é aplicado de forma correta, sem envolver e correponsabilizar todos os atores no processo. Nessas organizações, maçantes mecanismos de supervisão impedem que todos os envolvidos possam se empoderar e enriquecer com metodologias de sucesso.

Poucas organizações conseguem identificar, esclarecer e aplicar critérios passíveis de serem defendidos publicamente para determinar o valor (mérito e relevância), qualidade, utilidade, efetividade, importância e eficiência dessas ações. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou neste ano novas informações sobre assistência social nos municípios brasileiros. Uma parte dessa pesquisa mostra avanços nos serviços sociais, mas também traz um alerta: faltam técnicas de monitoramento no desenvolvimento de projetos e programas e avaliação de seus resultados e impactos diante da causa.

Segundo esse levantamento, duas em cada três prefeituras não possuem tecnologia para avaliar a qualidade dos serviços e saber se, de fato, estão sendo úteis. A avaliação é entendida como um processo que apoia a gestão e a tomada de decisão e ajuda a corrigir rumos, identificar erros e acertos, verificar a realização de objetivos, identificar os resultados no público do projeto e gerar credibilidade.

Os principais desafios apontados pelos que avaliam projetos e programas são: a construção de indicadores, o envolvimento dos públicos do projeto na avaliação, o desenvolvimento de instrumentos, a coleta de informações, a análise dos resultados e a mobilização de recursos.

As abordagens iniciais à avaliação de impacto datam da década de 1950 e foram feitas pelas agências de desenvolvimento, como Environment Impact Assessment (EIA – ambiental); Social Impact Assessment (SAI – social); Cost-Benefit Analysis (CBA – custo-benefício); e Social Cost-Benefit Analysis (SCBA – custo-benefício social). Até então, as análises estavam restritas a avaliações anos após o encerramento de um projeto ou programa.

No início de 1980 começaram a surgir novos métodos de avaliação que contribuíram para: tornar participantes todos os públicos envolvidos nas ações; a partir de um diagnóstico inicial (marco zero), verificar o progresso das ações; e verificar a efetividade dos resultados qualitativos e quantitativos periodicamente no processo das ações.

Em 1988, o desenvolvimento do planejamento de um projeto orientado por objetivos introduz as noções do marco lógico, criado no âmbito da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID). Essa metodologia foi adotada pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para planejamento, elaboração, monitoramento e avaliação de projetos e programas.

Tal histórico convida nossa geração ao prazeroso serviço de, com profissionalismo, estabelecer instrumentos criativos e inculturados de aperfeiçoamento e novas técnicas de monitoramento e avaliação de projetos e programas socioambientais.

O pior inimigo de nossas ações é a falta de clareza de seu impacto diante da causa. É premente a necessidade de investir em pesquisas nessa área do conhecimento, formar profissionais capacitados para executá-las, além de trabalhar com modelos participativos. Só assim nossas ações poderão sair da ficção e se tornarem referência e motivação.

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
19.064
Oportunidades Cadastradas
9.597
Modelos de Documentos
3.404
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
30 Jun
2020
Linha emergencial de crédito Conexsus
Prazo
Patrocínio BS2
Prazo
31 Jul
2020
GlobalGiving Accelerator - Virtual Training Program...
Prazo
30 Nov
2020
Stop Slavery Award 2021
Prazo
31 Jul
2020
AEB - Chamamento Público para lançamentos a partir...
Prazo
4 Set
2020
Ideias para o Futuro
Prazo
Matchfunding Enfrente o Corona
Prazo
1 Ago
2020
Todos os olhos na Amazônia
Prazo
1 Ago
2020
The IFREE Small Grants Program
Prazo
31 Dez
2020
Patrocínios e Doações - Instituto Usiminas

PARCEIROS VER TODOS