Storytelling

Por: Fabiana Dias
19 Fevereiro 2013 - 22h51

Usando o poder da narrativa para mobilizar e engajar

Esta é uma proposta de usar storytelling na comunicação corporativa com o intuito de aumentar a qualidade das relações com públicos importantes para seu negócio ou iniciativa, pois a narrativa tem o poder de conquistar, mobilizar e engajar pessoas devido ao fato de trazer ‘significado’.

O storytelling aproxima o interlocutor da experiência vivenciada, permite que se crie empatia e é muito eficiente em realmente tocar e se diferenciar diante das milhões de informações disponíveis.

As histórias estão revalorizadas porque praticamos por muito tempo uma indiferença à vida do outro. Com esta proposta, saímos de um contexto informacional para um relacional.
Mas como utilizar este poder de mobilizar? Há muitas maneiras e muitos usos. Porém, o melhor é basear essa comunicação numa estratégia.

Na comunicação organizacional – e falo de uma perspectiva de Relações Públicas –, pretende-se usar histórias com uma intenção, uma finalidade. Não é a história pela história, como nas artes (literatura, cinema).
Por isso, é muito importante construir uma estratégia que oriente a escolha e o desenvolvimento da história ou de um conjunto de histórias.

Para fazer a estratégia, precisamos saber quem é o público com quem vamos ficar em contato, ou seja, quem é de verdade, qual é seu perfil, o que esperar um do outro e qual é nossa intenção com ele. Qual é a mensagem que precisamos comunicar?

Com isso, a estratégia nos conduz a uma escolha intencional de qual história melhor reflete nosso objetivo. Às vezes, uma história que nos atenda já existe; porém, precisamos criá-la. Assim, escolhemos que tipo de narrativa deve ser usada (ficcional ou memória).

Escolhida a narrativa, trabalhamos o roteiro. Qual é a trama? Quem é o protagonista e que desafio ele vive? Que temática vamos usar? Como a marca da minha empresa ou da minha iniciativa entrará nessa história? Sua marca pode assumir o papel de protagonista, mas ela pode ser também o elemento que proporciona o desfecho, que ajuda o protagonista a tomar uma decisão, a encontrar sua ‘caverna escura’. Depende da criatividade.
Aqui, estabelecemos quais são os fatos desta narração e em qual ordem serão apresentados. Com isso, é possível montar a história. É a partir deste momento que ela será recheada com detalhes, descrições e palavras certas para formar imagens mentais e sentimentos. Precisamos ser capazes de levar para o campo das emoções e nos distanciar da tradicional racionalidade de informar. Tudo é um processo interno. A seguir, aborda-se o telling.

Tudo o que foi construído será contado como? Decidimos se será a fala de alguém, alguma apresentação (ppt ou prezi), um vídeo, uma história em quadrinhos ou uma colagem. Será utilizada uma história contada com palavras ou imagens? Haverá um narrador? É o próprio protagonista que assume este papel? É um coadjuvante desta história? É um observador que vê tudo?

A elaboração da estratégia indica os recursos utilizados para narrar a história, mas como estamos falando de um processo gerenciado, porém subjetivo, pode ser que a montagem da história traga novas dicas da melhor forma de transmiti-la. Então, é melhor decidir estruturar o recurso de contar sua história ao final. Junto dele, deve-se pensar a forma de distribuir tal relato.
A estratégia usualmente pede que nossa empresa ou iniciativa gere uma história para mobilizar. A mobilização e o engajamento podem vir da oportunidade de que os outros contem a história. Isso quer dizer que podemos fazer materiais e peças baseados em histórias ou podemos criar campanhas para que as pessoas contem suas histórias conosco, fatos que também envolvem.

Seja com histórias próprias ou com a valorização daquelas de nossos interlocutores (geralmente memórias), temos um poder imenso de conquistar atenção e manter pessoas que perceberam o significado que as aproxima de nossos negócios e iniciativas.
Se garantirmos bons e frequentes momentos de contar tal história – seja fazendo muitas reuniões relevantes para contar oralmente essa história, seja usando uma boa distribuição em mídias sociais, ou mesmo, nas tradicionais, com mais recursos –, nossas chances de mobilizar e atrair serão multiplicadas.

Que história você tem para contar?

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
15.490
Oportunidades Cadastradas
9.585
Modelos de Documentos
3.095
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
15 Abr
2020
1º Concurso Sua Arte no Livro Didático - FNDE
Prazo
20 Mar
2020
IX Prêmio Fotografia-Ciência & Arte - CNPq
Prazo
2 Fev
2019
7º Edital SECMA - Seleção de Projetos Audiovisuais...
Prazo
1 Mar
2020
2ª Chamada de artigos Censo GIFE
Prazo
23 Mar
2020
World Habitat Awards 2020
Prazo
31 Mar
2020
United Nations Voluntary Fund on Disability
Prazo
Contínuo
Mitsubishi Corporation Foundation for the Americas
Prazo
Contínuo
Oak Foundation’s - Issues Affecting Women Programme
Prazo
Contínuo
Apoio Emergencial para organizações indígenas na...
Prazo
Contínuo
Fundo Regenerativo Brumadinho

PARCEIROS VER TODOS