Reunião de ideias e pessoas

Por: Instituto Filantropia
21 Junho 2013 - 22h26

Festival ABCR reúne mais de 500 pessoas em Salvador e abre diversos espaços para debates sobre captação de recursos

Em sua quinta edição, o FLAC 2013 – Festival ABCR, realizado em Salvador nos dias 23 a 25 de abril, superou as edições anteriores em termos de quantidade e variedade de participantes e trouxe temas muito pertinentes à realidade do cenário de captação de recursos no Brasil. O evento foi realizado pela Associação Brasileira de Captadores de Recursos (ABCR) e correalizado pelo Instituto Filantropia e pela Santa Casa de Misericórdia da Bahia.
Mais de 60 temas foram abordados nas grandes palestras, salas temáticas e espaço aberto, este que possibilita que os participantes proponham assuntos e liderem a discussão. “Recebemos o maior número de participantes de todas as edições do evento e contamos com uma diversidade incrível dos participantes, que tinham origem em quase todos os Estados do país, além de alguns visitantes da Argentina e Peru”, conta João Paulo Vergueiro, presidente da ABCR. “Como realizadores, foi importante poder oferecer conhecimento de qualidade a todos, em um evento onde também se estimula a formação de vínculos dentre os captadores e a integração social”, completa.
Na abertura do evento, após a solenidade de abertura, o primeiro debate envolveu a cultura de doação no Brasil e no mundo e contou com a participação de Bob Carter, presidente do conselho da Association of Fundraising Professionals (AFP), João Paulo Vergueiro e Rodrigo Alvarez, diretor do Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social (IDIS). Os palestrantes discutiram o perfil dos doadores e a da captação de recursos com indivíduos. Eles apontaram dados do World Giving Index, publicado pela organização britânica Charities Aid Foundation (CAF), afirmando que o Brasil tinha, em 2011, 35 milhões de doadores. Com este número, o país é o oitavo no mundo com mais pessoas doando. No ranking global, em termos de engajamento social da população, o Brasil ficou em 83º, dentre os 146 países pesquisados.
No período da tarde, as salas foram abertas e os temas passaram a ser divididos — fazendo com que os participantes tivessem de escolher o que gostariam de assistir. A primeira parte foi dividida em temas, como direitos humanos, meio ambiente, esportes, saúde, educação, assistência social e cultura, com foco na atuação de organizações dessas naturezas. Depois, os temas giraram em torno de diferentes formas de captar recursos, ou seja, crowdfunding, economia criativa, fundos patrimoniais, captação para municípios e organizações religiosas, entre outros. O dia acabou com o case da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, sobre investimento social, e uma seção de autógrafos com autores de livros voltados à captação de recursos. “Para mim, os pontos fortes do evento são a organização, a diversidade e a qualidade dos temas, a qualidade dos palestrantes e o grande número de participantes, que possibilita ampliar o network e a troca de experiências”, conta Jonas Flores, da ONG Impacto Social.
A abertura do segundo dia do FLAC contou com a participação de Laís Lopes, assessora especial do Ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, André Degenszajn, secretário-geral do Grupo de Institutos, Fundações e Empresas (Gife) e João Paulo Vergueiro. O tema debatido foram os desafios do financiamento e sustentabilidade das organizações da sociedade civil, discutindo o marco regulatório do Terceiro Setor. Com esse assunto, uniram-se à discussão representantes do governo e das empresas, que muito têm a conversar com os captadores de recursos das instituições. “Vejo o Flac como informativo e precioso no que se refere à atualizacão sobre tendências nas diversas maneiras de mobilização de recursos. Vejo também como importante ambiente para a troca de experiências e estabelecimento de redes”, conta o participante Moisés Pangoni, assessor de financiamentos da Norwegian Church Aid.
A marca registrada do FLAC, presente desde a primeira edição, não deixou de acontecer na edição de Salvador. O Espaço Aberto, originado do termo em inglês Open Space, teve duas sessões com sete salas à disposição, somando 14 espaços para temas sugeridos e liderados por participantes. Dentre esses temas, falou-se de cultura, comunicação, captação com indivíduos, entre outros.
Neste dia, temas como mídias sociais, contabilidade, legislação, incentivos fiscais, voluntariado, gestão de projetos em editais, dificuldades na captação de recursos, planejamento e negócios sociais foram abordados no período da tarde por diversos profissionais. Por fim, o case da AACD e do Teleton foram abordados. “Com a profissionalização da gestão das organizações como uma necessidade cada vez mais reconhecida, realizar eventos para debater a captação de recursos é fundamental. Disseminar informações relevantes, apresentar casos de sucesso, debater os problemas da profissão e a sustentabilidade das organizações são, dentre outros, motivos que nos incentivam a promover encontros e debates por todo o país”, explica João Paulo.
O último dia foi marcado por um debate sobre o futuro da profissão de captador de recursos, com Marcelo Estraviz e Marcio Zeppelini, presidente do Instituto Filantropia. Temas como fundos independentes, captação com eventos, grandes doadores, geração de renda e editais internacionais ainda foram abordados. O encerramento do evento contou com a apresentação da pesquisa da ABCR sobre o perfil do captador de recursos no Brasil e o lançamento do FLAC 2014, que acontecerá em Vitória, no Espírito Santo. Para a ABCR, as expectativas estão altas. “Para 2014, queremos aprofundar o modelo desenvolvido neste ano: ter um evento para um público estimado de 500 participantes, possibilitar que captadores dos mais variados tipos de organizações participem e, principalmente, continuar o processo de ter o festival como um momento para profundo debate sobre o financiamento das organizações da sociedade civil, trazendo casos e palestrantes que estão dentro das organizações, com suas experiências e dificuldade”, complementa João Paulo.

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
15.198
Oportunidades Cadastradas
9.566
Modelos de Documentos
3.061
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
16 Dez
2019
Bikeducação: Edital Itaú para Seleção de Projetos...
Prazo
16 Dez
2019
ONU / FIDA - Concurso de Fotografia “Juventude e...
Prazo
Contínuo
Fundo Regenerativo Brumadinho
Prazo
22 Dez
2019
UNDEF - 2019 Call to Civil Society to Apply for Funding...
Prazo
1 Jan
2020
Fundo Julia Taft para Refugiados
Prazo
25 Jan
2020
Environmental Curricula Grants
Prazo
31 Mar
2020
United Nations Voluntary Fund on Disability
Prazo
20 Jan
2020
United Nations Voluntary Trust Fund for Victims of...
Prazo
Contínuo
Mitsubishi Corporation Foundation for the Americas
Prazo
Contínuo
Oak Foundation’s - Issues Affecting Women Programme

PARCEIROS VER TODOS