Retrato do Brasil

Por: Valeuska de Vassimon
01 Novembro 2009 - 00h00

Um Brasil mais pardo, com maior longevidade e famílias cada vez menores. Estas são algumas das conclusões da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), divulgada pelo IBGE, em setembro, que analisa as características gerais do país, como: população, migração, educação, trabalho, famílias, domicílio e rendimentos, entre outros.

Neste ano, a boa notícia ficou por conta do trabalho infantil, que apresentou uma queda acentuada entre a faixa de 5 e 13 anos. Além disso, o brasileiro viu sua renda aumentar 1,7% acima da inflação.

No entanto, em pleno século 21, há ainda 9,2 milhões de residências que dependem de poços, nascentes, carros-pipa ou da água da chuva para atividades simples do dia a dia, como tomar banho, por exemplo. E mesmo com tantas campanhas sociais, 2,2 milhões de casas ainda não possuem nenhum tipo de escoamento para o esgoto.

Veja, abaixo, alguns resultados da publicação, que entrevistou cerca de 150 mil domicílios brasileiros.

Analfabetismo

A taxa de analfabetismo do país apresentou ligeira queda; ainda há 14,2 milhões de analfabetos com 15 anos ou mais. Segundo a Pnad, um em cada dez brasileiros com 15 anos ou mais não consegue ler ou escrever um bilhete simples. Dos 14,2 milhões, 95% têm 25 anos ou mais, sendo que mais da metade dos analfabetos do Brasil vive no Nordeste (7,5 milhões), seguida pelo Norte.

O número de analfabetos funcionais, pessoas que sabem ler, mas não conseguem usar a leitura, a escrita e o cálculo para levar adiante seu desenvolvimento, apresentou uma ligeira queda. No entanto, ainda há 21% de pessoas com mais de 15 anos com menos de quatro anos de estudo completo, sendo 10,2% homens e 9,8% mulheres.

Trabalho infantil

Já o número de crianças e adolescentes entre 5 e 13 anos que trabalham apresentou queda significativa de 20% em um ano. Cerca de 4,5 milhões de crianças entre 5 e 17 anos trabalham no Brasil, sendo a maioria com trabalho doméstico. Segundo a legislação brasileira, nenhum tipo de trabalho é permitido para menores de 14 anos.

A pesquisa mostra, ainda, que as crianças e adolescentes que trabalham têm um salário pequeno, ou até mesmo trabalham de graça. A média salarial foi de R$ 269 mensais. Segundo o Ministério do Trabalho, mais de 90% dos casos de trabalho infantil não são remunerados. Apenas 9,7% possuem carteira de trabalho assinada.

Migração

A região Centro-Oeste, que engloba os Estados do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Distrito Federal, é um dos principais polos migratórios do país. Segundo a pesquisa, mais da metade da população é não-natural do município, e 35,6% é oriunda de outros Estados. Na região Norte, a segunda com residentes nascidos em outros Estados, o percentual é de 21,9%.

A maioria das pessoas que migram para a região é de São Paulo e do Paraná, atraída pela falta de mão de obra qualificada. Já os nordestinos realizam trabalho de baixa qualificação, como o plantio da cana-de-açúcar.

Segundo especialistas, os migrantes são atraídos para a região por questões econômicas, visto que há mais incentivo fiscal e o número de sindicatos é reduzido.

Raça

Em um ano, a população brasileira viu desaparecer 450 mil brancos e 1 milhão de negros, enquanto ganhou 3,2 milhões de pessoas que se declaram pardas, tanto na população masculina como na feminina.

Para especialistas, como a noção de raça é uma construção social, os dados podem estar ligados a questões subjetivas, como o preconceito ou a incerteza sobre a identidade negra. O que espanta, no entanto, é o aumento do número de pessoas brancas que se autodeclaram pardas.

Enquanto no Norte e no Nordeste há mais de 70% de pessoas que dizem ser predominantemente pardas ou negras, na região Sul, 78,7% dos entrevistados se declaram brancos. A diferença de etnias no campo e nos centros urbanos também é expressiva: 60,4% de pardos ou negros trabalham no campo, enquanto 50,3% de brancos trabalham na cidade.

Emprego

O Brasil viu o índice de trabalho com carteira assinada aumentar de 33,1 para 34,5% em um ano, sendo a região Norte o maior destaque, com um aumento de 2,1 pontos percentuais.

Também houve um crescimento do rendimento médio mensal dos funcionários, estimado em R$ 1.034 em 2008, e do número de trabalhadores com carteira assinada.

Segundo a pesquisa, grande parte do desemprego atinge os jovens entre 18 e 24 anos, e uma possível explicação para o fenômeno é a exigência de não apenas o nível de escolaridade, mas de qualificação técnica para certos empregos.

Habitação

Segundo a Pnad, a rede de abastecimento de água cresceu 0,7 ponto percentual entre 2007 e 2008, sendo a região Nordeste a maior beneficiária do aumento. A região Norte tem apenas 58,3% das casas com água encanada e os três Estados com as redes mais precárias: Rondônia, Pará e Acre.
A situação não é diferente na coleta de esgoto. Enquanto o Distrito Federal trata 96,8% do esgoto residencial, o Tocantins trata apenas 32,1%, e o Mato Grosso do Sul, 24%.

Segundo o IBGE, a coleta de lixo cresceu 0,6 ponto percentual em um ano. O Sudeste tem 95,3% do lixo recolhido, enquanto o Nordeste tem apenas 24,6%, configurando o pior quadro.

Link
http://downloads.uol.com.br/windows/educativos/pnad2008sintese.jhtm

Tudo o que você precisa saber sobre Terceiro setor a UM CLIQUE de distância!

Imagine como seria maravilhoso acessar uma infinidade de informações e capacitações - SUPER ATUALIZADAS - com TUDO - eu disse TUDO! - o que você precisa saber para melhorar a gestão da sua ONG?

Imaginou? Então... esse cenário já é realidade na Rede Filantropia. Aqui você encontra materiais sobre:

Contabilidade

(certificações, prestação de contas, atendimento às normas contábeis, dentre outros)

Legislação

(remuneração de dirigentes, imunidade tributária, revisão estatutária, dentre outros)

Captação de Recursos

(principais fontes, ferramentas possíveis, geração de renda própria, dentre outros)

Voluntariado

(Gestão de voluntários, programas de voluntariado empresarial, dentre outros)

Tecnologia

(Softwares de gestão, CRM, armazenamento em nuvem, captação de recursos via internet, redes sociais, dentre outros)

RH

(Legislação trabalhista, formas de contratação em ONGs etc.)

E muito mais! Pois é... a Rede Filantropia tem tudo isso pra você, no plano de adesão PRATA!

E COMO FUNCIONA?

Isso tudo fica disponível pra você nos seguintes formatos:

  • Mais de 100 horas de videoaulas exclusivas gratuitas (faça seu login e acesse quando quiser)
  • Todo o conteúdo da Revista Filantropia enviado no formato digital, e com acesso completo no site da Rede Filantropia
  • Conteúdo on-line sem limites de acesso no www.filantropia.ong
  • Acesso a ambiente exclusivo para download de e-books e outros materiais
  • Participação mensal e gratuita nos eventos Filantropia Responde, sessões virtuais de perguntas e respostas sobre temas de gestão
  • Listagem de editais atualizada diariamente
  • Descontos especiais no FIFE (Fórum Interamericano de Filantropia Estratégica) e em eventos parceiros (Festival ABCR e Congresso Brasileiro do Terceiro Setor)

Saiba mais e faça parte da principal rede do Terceiro Setor do Brasil:

Acesse: filantropia.ong/beneficios

BAIXE GRATUITAMENTE
E-book Como começar uma⠀ONG

BAIXE GRATUITAMENTE

BAIXE GRATUITAMENTE
E-book 18 PASSOS essenciais para ajudar sua ONG

BAIXE GRATUITAMENTE

PARCEIROS VER TODOS