Relações públicas: por que ter um?

Por: Marcio Zeppelini
01 Janeiro 2009 - 00h00

Relacionar-se bem com o público é uma atividade de extrema importância para todos os setores. Na área comercial, por exemplo, é essencial agradar o cliente; na política, uma boa reputação atrai mais votos da população. No Terceiro Setor não é diferente. Transmitir uma imagem idônea e agir com transparência também significa ter boas relações com o público, composto por parceiros, doadores, colaboradores, voluntários, beneficiários e a sociedade como um todo.

Fato já conhecido pelas organizações é que a profissionalização se faz cada vez mais necessária na área social quando se buscam resultados de qualidade. Por isso, ninguém melhor que o profissional de relações públicas para trabalhar pela imagem da instituição e por um bom relacionamento com todos. Segundo a Associação Brasileira de Relações Públicas (ABPR), a área representa a “atividade e o esforço deliberado, planejado e contínuo para estabelecer e manter a compreensão mútua entre uma instituição pública ou privada e os grupos de pessoas a que esteja, direta ou indiretamente, ligada”.

O que são as relações públicas?

De acordo com a resolução normativa nº 43, de 24 de agosto de 2002, algumas das atividades são:

  • Elaborar o planejamento de comunicação da organização com o objetivo de proporcionar unidade e otimização de esforço;
  • Realizar e analisar pesquisas de opinião pública;
  • Promover divulgação jornalística e elaborar veículos internos de comunicação (boletins, malas-diretas, vídeos etc.);
  • Organizar estrutura geral de eventos culturais, esportivos, sociais, empresariais, científicos, entre outros, incluindo a logística;
  • Redigir e coordenar cerimoniais e protocolos;
  • Fazer interagir a organização com a comunidade por meio do marketing social;
  • Zelar pela construção e credibilidade da imagem / marca da organização;
  • Intermediar a criação de campanhas institucionais e mercadológicas;
  • Administrar interface com todos os stakeholders.

Essas e outras ações, quando desenvolvidas de maneira profissional, melhoram a visibilidade da instituição, ajudam na captação de recursos, devido à credibilidade que geram, e desenvolvem um bom relacionamento com a sociedade em geral.

Atuação no setor social

Para trabalhar na área social, o profissional de relações públicas pode ter de se adaptar a uma realidade diferente, como ao fato de trabalhar com o orçamento reduzido. Por isso, é aconselhável que algumas tarefas, como a pesquisa da realidade, o planejamento e a organização do trabalho sejam executadas. A pessoa que atuar como relações públicas em uma instituição deve se sentir membro da entidade, identificar os ideais da profissão aos da organização, conhecer a realidade social da região e analisar seu campo de ação. Dessa forma, acreditando na causa, ela poderá ser bem retransmitida aos outros.

Quando trabalha no Terceiro Setor, o profissional adquire uma experiência diferenciada. Primeiro, por lidar com uma motivação maior, levada pelo apoio à causa. Segundo porque, muitas vezes, devido à necessidade, é preciso agir com mais criatividade, agilidade e pró-atividade, otimizando os recursos não só financeiros, mas também humanos, físicos e materiais.

Definição do público-alvo

Uma atitude recomendável é avaliar quais são os públicos e seus diferentes interesses, para que se definam as atitudes a serem tomadas em relação a cada um deles. No caso das organizações sociais, há alguns exemplos:

  • Conselho e diretoria: atuam pelos valores da organização;
  • Voluntários: procuram ajudar nas atividades da instituição oferecendo seu tempo e talento;
  • Funcionários: dependem financeiramente do emprego e buscam sua permanência e crescimento no mercado de trabalho;
  • Beneficiários: têm interesse nos serviços prestados;
  • Governo: precisa da organização como uma aliada para desempenhar algumas atividades;
  • Parceiros: veem a instituição como o meio de execução de projetos.

Depois de traçar esse perfil, o profissional pode estabelecer diferentes estratégias de aproximação com cada público. O trabalho realizado com as relações públicas, então, se torna importante para que todos possam aderir efetivamente à causa, seja qual for seu interesse, já que, no Terceiro Setor, é ela que define o grau de envolvimento das pessoas com a instituição.

Às vezes também chamado de “relações institucionais”, esse profissional pode atuar fortemente no pacto de parcerias com outras instituições sociais, governo ou empresas, fazendo o meio de campo entre as duas diretorias.

No entanto, não se devem confundir as funções: se ele for visto como um captador de recursos, pode acabar fechando algumas portas importantes, pois são funções completamente distintas.

Práticas do Segundo Setor

É importante trazer experiências do setor privado para o trabalho de relações públicas no Terceiro Setor, especialmente quando se trata de gestão organizacional. O paralelo também pode ser feito em relação à causa da instituição, principal ferramenta de trabalho desse profissional. Ela pode ser comparada à marca de uma empresa privada. Assim, a credibilidade e o grau de confiabilidade dela devem ser sempre altos, e o caminho para esse status é, novamente, a transparência.

Para colocar a causa em primeiro plano, por exemplo, não é recomendável que a organização se alie a uma empresa pelo investimento, sem antes analisar se os interesses dessa companhia são realmente verdadeiros e se vão agregar valores à cultura da instituição. Isso mancha a imagem da organização, e pode afetar a visão que os diferentes públicos têm dela.

Assessoria de imprensa X Relações Públicas

Ao contrário do que se pensa, a função do assessor de imprensa deveria ser realizada por um profissional de relações públicas, que tem a formação mais adequada para o cargo, e não por um jornalista ou publicitário. Isso acontece porque existem muitos formados em comunicação para poucas vagas.

Durante o curso de relações públicas, os alunos adquirem conhecimentos sobre comunicação empresarial e corporativa, relações exteriores e institucionais, Ombudsman, endomarketing, lobby, assessoria de imprensa, organização de eventos e outras áreas que dão base ao trabalho de construção da imagem empresarial ou organizacional e sua transmissão, tanto para os públicos em geral quanto para a imprensa.

Por isso, existe a concorrência no mercado e a confusão na definição de funções da área de comunicação (publicidade, marketing, jornalismo e relações públicas). Vale lembrar que essa é apenas uma das atribuições adquiridas na faculdade, e que as organizações do Terceiro Setor podem se beneficiar da contratação de um profissional de relações públicas por um conjunto de motivos que trazem transparência e ações organizadas e planejadas.

Links
www.aberje.com.br
www.abrpnacional.com.br

 

Tudo o que você precisa saber sobre Terceiro setor a UM CLIQUE de distância!

Imagine como seria maravilhoso acessar uma infinidade de informações e capacitações - SUPER ATUALIZADAS - com TUDO - eu disse TUDO! - o que você precisa saber para melhorar a gestão da sua ONG?

Imaginou? Então... esse cenário já é realidade na Rede Filantropia. Aqui você encontra materiais sobre:

Contabilidade

(certificações, prestação de contas, atendimento às normas contábeis, dentre outros)

Legislação

(remuneração de dirigentes, imunidade tributária, revisão estatutária, dentre outros)

Captação de Recursos

(principais fontes, ferramentas possíveis, geração de renda própria, dentre outros)

Voluntariado

(Gestão de voluntários, programas de voluntariado empresarial, dentre outros)

Tecnologia

(Softwares de gestão, CRM, armazenamento em nuvem, captação de recursos via internet, redes sociais, dentre outros)

RH

(Legislação trabalhista, formas de contratação em ONGs etc.)

E muito mais! Pois é... a Rede Filantropia tem tudo isso pra você, no plano de adesão PRATA!

E COMO FUNCIONA?

Isso tudo fica disponível pra você nos seguintes formatos:

  • Mais de 100 horas de videoaulas exclusivas gratuitas (faça seu login e acesse quando quiser)
  • Todo o conteúdo da Revista Filantropia enviado no formato digital, e com acesso completo no site da Rede Filantropia
  • Conteúdo on-line sem limites de acesso no www.filantropia.ong
  • Acesso a ambiente exclusivo para download de e-books e outros materiais
  • Participação mensal e gratuita nos eventos Filantropia Responde, sessões virtuais de perguntas e respostas sobre temas de gestão
  • Listagem de editais atualizada diariamente
  • Descontos especiais no FIFE (Fórum Interamericano de Filantropia Estratégica) e em eventos parceiros (Festival ABCR e Congresso Brasileiro do Terceiro Setor)

Saiba mais e faça parte da principal rede do Terceiro Setor do Brasil:

Acesse: filantropia.ong/beneficios

BAIXE GRATUITAMENTE
E-book Como começar uma⠀ONG

BAIXE GRATUITAMENTE

BAIXE GRATUITAMENTE
E-book 18 PASSOS essenciais para ajudar sua ONG

BAIXE GRATUITAMENTE

PARCEIROS VER TODOS