Qualificação da uma análise da Lei Orgânica da assistência social: Assistência Social (nº 8.742/93)

Por: Sergio Roberto Monello
01 Julho 2005 - 00h00

Em um país onde existem mais de 50 milhões de pessoas em estado de miserabilidade, é muito difícil separar a assistência social da filantropia. Entretanto, para fins didáticos, afirma-se que filantropia é o gênero, do qual a assistência social faz parte como espécie.

Do mesmo modo, não é tarefa fácil distinguir entidade beneficente de entidade beneficente de assistência social e entidade filantrópica, quando grande parte da população brasileira necessita de ações promotoras e assistenciais. O momento exige mais ações de proteção e promoção da coletividade do que distinção, para fins fiscais e tributários, entre os tipos de entidade social.

A assistência social, eliminadas as grandes diferenças sociais existentes no Brasil, poderia ser assim definida: é a filantropia qualificada, a visão científica da ação promotora da coletividade. A assistência social é o método pelo qual o Estado e a sociedade, de forma articulada, envidam esforços humanos e materiais, recursos econômicos e financeiros, tendo por escopo a inserção de pessoas carentes no exercício pleno do direito de cidadania.

Para atender a população na consecução dos mínimos sociais previstos no art. 6º da Constituição Federal, é necessário empregar esforços conjuntos do Estado e da sociedade com o objetivo de diminuir as diferenças sociais e erradicar a miséria, promovendo a educação, a saúde, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, bem como proporcionar melhor qualidade de vida à coletividade.

Os mínimos sociais se constituem em objetivos primordiais das ações de assistência social. É fundamental que sejam oferecidas a todas as pessoas, especialmente às mais carentes, informações da realidade social, assistência educacional e à saúde. Somente um povo com informação, saúde e educação pode fazer valer os próprios direitos no exercício da cidadania.


Entidades que se enquadram na Loas

Diante do contexto, posso afirmar que o art. 3º da Lei Orgânica da Assistência Social deveria ser assim interpretado:

  • Consideram-se entidades e organizações de assistência social sem fins lucrativos aquelas que prestam, por si própria ou pelas parcerias beneficentes de assistência social, atendimento e assessoramento aos beneficiários da Loas, além das que atuam na defesa e garantia de seus direitos.

  • O parágrafo único do art. 2º da mencionada lei destaca que a assistência social se realiza de forma integrada às políticas setoriais, visando o enfrentamento da pobreza, a garantia dos mínimos sociais, o provimento de condições para atender contingências sociais e a universalização dos direitos sociais.

Em conclusão, mais do que se precisar em conceitos de assistência social, é de suma importância que o Estado e a sociedade percebam à frente a quantidade de pessoas que sofrem desamparadas dos mínimos sociais e que estão desfi guradas da imagem do Deus Criador.

Somente com o trabalho integrado, Estado e sociedade poderão construir um Brasil mais justo, solidário e fraterno.

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
19.064
Oportunidades Cadastradas
9.597
Modelos de Documentos
3.404
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
30 Jun
2020
Linha emergencial de crédito Conexsus
Prazo
Patrocínio BS2
Prazo
31 Jul
2020
GlobalGiving Accelerator - Virtual Training Program...
Prazo
30 Nov
2020
Stop Slavery Award 2021
Prazo
31 Jul
2020
AEB - Chamamento Público para lançamentos a partir...
Prazo
4 Set
2020
Ideias para o Futuro
Prazo
Matchfunding Enfrente o Corona
Prazo
1 Ago
2020
Todos os olhos na Amazônia
Prazo
1 Ago
2020
The IFREE Small Grants Program
Prazo
31 Dez
2020
Patrocínios e Doações - Instituto Usiminas

PARCEIROS VER TODOS