Pense ÁGUA

Por: Valeuska de Vassimon
01 Maio 2010 - 00h00

Dezenas de vezes por dia, abrimos a torneira para lavar as mãos, usamos a descarga do vaso sanitário e tomamos banho, entre tantas coisas. Sabemos – ou, ao menos, acreditamos – que a água que chega em casa é limpa e tratada. E mesmo assim, nos vemos obrigados a ouvir que a água poluída mata mais do que todos os tipos de violência, inclusive as guerras.

Pelo menos 1,8 bilhão de crianças com menos de cinco anos de idade morrem a cada ano em decorrência da má qualidade da água e da falta de saneamento básico. A afirmação é da Organização das Nações Unidas (ONU) que, no último 22 de março, Dia Mundial da Água, divulgou seu mais recente estudo sobre o assunto em Nairóbi, capital do Quênia, na África.
O documento, cujo enfoque principal é buscar soluções para a qualidade da água, ressalta que as crianças são as principais vítimas da “água doente”, representando uma morte no mundo a cada 20 segundos. Daí o alerta para a necessidade de adoção de medidas urgentes.

Segundo o diretor do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), Achim Steiner, se o mundo pretende sobreviver em um planeta de 6 bilhões de pessoas, caminhando para mais de 9 bilhões até 2050, a humanidade deve pensar de forma mais inteligente sobre a administração da água de esgoto.

“O Brasil tem investido em saneamento básico desde 2003, revertendo a histórica falta de recursos necessários para melhorar a cobertura, principalmente, em água e esgotamento sanitário”, afirma Márcio Galvão, diretor de Água e Esgoto da Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental do Ministério das Cidades.

Segundo ele, o país investiu cerca de R$ 3 bilhões ao ano, até 2006, em saneamento básico. De 2007 a 2010, o valor aumentou para R$ 10 bilhões por ano. O objetivo é que esse total se eleve a cerca de R$ 13 bilhões por ano até 2014.

No entanto, embora os números sejam grandiosos, o Brasil ainda enfrenta vários problemas para melhorar a estrutura de saneamento básico. “São necessários investimentos em novas tecnologias, em informatização, em desenvolvimento institucional e em recuperação das perdas nas redes de distribuição de água”, destaca Galvão. Segundo ele, a implantação das atividades de regulação e fiscalização, com controle social, também ainda é tímida no Brasil.

A ONU recomenda sistemas de reciclagem de água e projetos multimilionários para o tratamento de esgoto, além da proteção das áreas de terras úmidas, que agem como processadores naturais do esgoto, e o uso de dejetos animais como fertilizantes.
“Já existem algumas iniciativas nesse sentido no Brasil, algumas acadêmicas e outras em testes-piloto. Entendemos que não se deve apoiar projetos muito caros e sem retorno sustentável, mas toda e qualquer iniciativa que seja factível deve ser observada com atenção”, afirma Márcio Galvão.

Além disso, a correta destinação final dos resíduos sólidos também afeta outra área importante do saneamento: a drenagem urbana. Ao impedir o lançamento de lixo nas ruas, evita-se o entupimento das redes de coleta e as consequentes enchentes, tão comuns nas cidades brasileiras.

De qualquer forma, cada cidadão já pode ir fazendo sua parte. O Ministério das Cidades sugere que medidas como separação do lixo, coleta seletiva e reciclagem devem ser tomadas por todos. “Devemos estimular não só novos hábitos, mas a redução do consumo excessivo de água”, lembra Galvão.

Já o Instituto Akatu, em São Paulo, estimula a conscientização para temas que vão desde o descarte de lixo eletrônico até o óleo usado nas frituras e jogado nas pias. Para a organização, as pessoas devem pensar duas vezes antes de trocar um aparelho eletrônico e, quando o fizerem, em vez de jogá-lo no lixo, uma boa alternativa é doar o equipamento.

Quanto ao óleo de frituras, em vez de despejá-lo na pia – o que pode dificultar e encarecer o tratamento de esgoto, além de contaminar a água – é recomendável acondicioná-lo em um recipiente plástico ou de vidro e encaminhá-lo à reciclagem.

Água poluída também afeta aprendizado de crianças

Segundo um estudo do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) publicado recentemente, a falta de acesso à água potável afeta a saúde e o aprendizado das crianças. A diarreia, cuja ocorrência se dá principalmente pela água suja, mata cerca de 1,5 milhão de crianças menores de cinco anos de idade.

Um relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) publicado em 2006 mostra que as infecções parasitárias transmitidas pela água ou más condições de saneamento atrasam a aprendizagem de 150 milhões de crianças em todo o mundo, além de provocar mais de 443 milhões de faltas escolares por ano.

No Brasil, as regiões que mais sofrem com esse quadro são a Norte e a Nordeste, onde muitas escolas não têm água em condições de uso – e, mesmo assim, é utilizada na merenda ou para beber. É por isso que o governo federal tem dado atenção especial a essas regiões. “Os investimentos em saneamento básico no Norte e Nordeste, consideradas as regiões mais carentes do país, são, em sua maioria, com recursos a fundo perdido, ou seja, a verba liberada pelo governo não precisa ser devolvida”, afirma Galvão.

A água em números
  • Cada brasileiro consome cerca de 132 litros de água por dia; milhões de pessoas no mundo inteiro sobrevivem com menos de 19 litros por dia;
  • 46% da população mundial não tem água encanada em casa;
  • Nos países em desenvolvimento, as mulheres caminham, em média, 6 km para obter água;
  • Em 15 anos, 1,8 bilhão de pessoas viverão em regiões com grave escassez de água;
  • Uma em cada oito pessoas no mundo não tem acesso à água limpa;
  • 3,3 milhões de pessoas morrem a cada ano devido a doenças relacionadas à água;
  • Lavar as mãos com sabão pode reduzir a ocorrência de diarreias em 45%;
  • Desde 1986, a campanha contra os vermes do gênero Filaria, baseada na adoção de um filtro de água, diminuiu em 99,9% os casos de contaminação.
(Fonte: National Geographic)

 

Tudo o que você precisa saber sobre Terceiro setor a UM CLIQUE de distância!

Imagine como seria maravilhoso acessar uma infinidade de informações e capacitações - SUPER ATUALIZADAS - com TUDO - eu disse TUDO! - o que você precisa saber para melhorar a gestão da sua ONG?

Imaginou? Então... esse cenário já é realidade na Rede Filantropia. Aqui você encontra materiais sobre:

Contabilidade

(certificações, prestação de contas, atendimento às normas contábeis, dentre outros)

Legislação

(remuneração de dirigentes, imunidade tributária, revisão estatutária, dentre outros)

Captação de Recursos

(principais fontes, ferramentas possíveis, geração de renda própria, dentre outros)

Voluntariado

(Gestão de voluntários, programas de voluntariado empresarial, dentre outros)

Tecnologia

(Softwares de gestão, CRM, armazenamento em nuvem, captação de recursos via internet, redes sociais, dentre outros)

RH

(Legislação trabalhista, formas de contratação em ONGs etc.)

E muito mais! Pois é... a Rede Filantropia tem tudo isso pra você, no plano de adesão PRATA!

E COMO FUNCIONA?

Isso tudo fica disponível pra você nos seguintes formatos:

  • Mais de 100 horas de videoaulas exclusivas gratuitas (faça seu login e acesse quando quiser)
  • Todo o conteúdo da Revista Filantropia enviado no formato digital, e com acesso completo no site da Rede Filantropia
  • Conteúdo on-line sem limites de acesso no www.filantropia.ong
  • Acesso a ambiente exclusivo para download de e-books e outros materiais
  • Participação mensal e gratuita nos eventos Filantropia Responde, sessões virtuais de perguntas e respostas sobre temas de gestão
  • Listagem de editais atualizada diariamente
  • Descontos especiais no FIFE (Fórum Interamericano de Filantropia Estratégica) e em eventos parceiros (Festival ABCR e Congresso Brasileiro do Terceiro Setor)

Saiba mais e faça parte da principal rede do Terceiro Setor do Brasil:

Acesse: filantropia.ong/beneficios

BAIXE GRATUITAMENTE
E-book Como começar uma⠀ONG

BAIXE GRATUITAMENTE

BAIXE GRATUITAMENTE
E-book 18 PASSOS essenciais para ajudar sua ONG

BAIXE GRATUITAMENTE

PARCEIROS VER TODOS