Pelos direitos dos animais

Por: Roberto Ravagnani
01 Setembro 2003 - 00h00
Em 1996, o município de Taboão da Serra, vizinho da capital paulistana, decidiu tratar de forma diferenciada a questão da posse responsável de animais. Era preciso agir perante o desequilíbrio causado pela falta de informação dos donos de cães e gatos, fator que fomentava a grande população de animais de rua. A medida encontrada foi a união, envolvendo integrantes da saúde pública, veterinários da cidade e população, cuja articulação resultou em uma organização não-governamental: a Arca Brasil.

Soluções em parceria

O trabalho de conscientização saiu do papel em diversas frentes. A prefeitura, pelo Centro de Controle de Zoonoses, passou a doar medicamentos para as clínicas veterinárias, que realizam, desde então, as castrações a preços acessíveis para toda a população. Atuando no cerne do problema, surgia uma alternativa eficiente para a procriação descontrolada a partir de um programa de controle de natalidade de cães e gatos. Segundo Marcos Ciampi, diretor da Arca Brasil, a diminuição do valor cobrado pela esterilização dos animais tem papel decisivo no sucesso desse tipo de ação. “Não adianta fazer o convite por meio de campanhas educativas e cobrarR$ 300 para fazer a castração de uma cadela de porte médio, por exemplo”, explica. Para ratificar a tese, a iniciativa em Taboão da Serra trabalhou para que houvesse redução de até 70% nos preços, fazendo a cidade alcançar recorde nacional de animais castrados, com 25% do total.

Os mais ligados à área financeira podem certamente indagar se os veterinários não tiveram prejuízo com a concessão de descontos tão expressivos. A Arca Brasil, prevendo a dúvida, tem estratégia para esclarecê-la: “Em nossas palestras, os profissionais contam sobre os avanços técnicos e financeiros que obtiveram com o convênio. As clínicas ganharam em experiência e compensaram o desconto com a quantidade de novos clientes”, diz Ciampi. Em 1997, durante congresso realizado pela ONG, houve a exposição do caso Taboão, juntamente com a apresentação do relatório técnico – material que foi vendido para pelo menos outros 50 municípios que buscavam solução para o mesmo problema. Prova da pertinência da iniciativa, também se tornou modelo para a OPAS – Organização Pan-Americana de Saúde.

Assim atua a Arca Brasil: criando projetos para conscientizar a sociedade e influenciar políticas públicas, a fim de evitar o sofrimento dos animais.

Trabalho que serve de modelo

Criada há quase dez anos, a instituição vem batalhando para superar os desafios de quem busca proteger os animais. “Essa causa é discutida há mais tempo que as questões ambientais e, mesmo assim, é ainda pouco desenvolvida e recebe bem menos recursos”, lembra Marcos. Durante sua existência, a Arca Brasil já realizou inúmeros eventos, como congressos, exposições e mobilizações, além de ter participado como convidada em diversos outros, dentro e fora do Brasil. De fato, a informação é o ponto-forte da atuação da entidade, cuja capacidade de mobilização e difusão de conhecimentos, além da intermediação entre setores técnicos é apontada como suas armas mais poderosas na melhoria da relação homem-animal. Tamanha dedicação ao tema a tornou referência para entidades governamentais e não-governamentais na realização da ponte entre profissionais (em particular, os médicos veterinários), saúde pública, proteção animal e sociedade.

Voluntariado

O recurso humano é outro fator decisivo para o sucesso ou o fracasso e, no Terceiro Setor, a mão-de-obra voluntária agrega muito valor às iniciativas. A Arca Brasil não foge à regra, uma vez que tem um banco de dados com 300 voluntários cadastrados, sendo que 50 já participaram de ações da entidade. “Selecionamos os voluntários com o perfil desejado que recebem treinamento adequado”, informa. Apesar do grande número de interessados, não há um corpo regular de voluntariado, já que as atividades acontecem de forma pontual, e não seqüencial.

Um exemplo de evento com o apoio de voluntários foi a exposição fotográfica realizada em 1999 no Conjunto Nacional, na capital de São Paulo, que teve como tema os preconceitos sofridos pelos gatos e as conseqüências disso no dia-a-dia. Para atrair a atenção de mais de 10 mil visitantes, a mostra apresentou imagens feitas por 14 fotógrafos, além de cartazes elaborados para sensibilizar os espectadores. O resultado, segundo Ciampi, foi muito positivo: “Fomos até convidados para apresentar o caso no maior evento de proteção animal do mundo, a Animal Care Expo, que aconteceu na cidade de Reno, nos EUA”. Serviu de modelo para provar que, fora o estímulo a debates técnicos promovidos pelos congressos, a arte também deve ser acionada para constituir opiniões e expressar conceitos.

Mudança para OSCIP

Tentando fortalecer uma de suas áreas de interesse – a interação com as políticas públicas – e gerar alternativas de captação de recursos, a organização estuda a possibilidade de se tornar uma OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público). Dessa forma, termos de parceria poderão ser elaborados junto às esferas governamentais, fazendo com que o conhecimento de causa da Arca Brasil seja colocado à disposição de um número cada vez maior de administradores públicos. Além disso, tornando-se OSCIP, a entidade deverá trabalhar com mais naturalidade a questão da remuneração do corpo diretivo e a elaboração de projetos junto ao empresariado, fazendo-se valer dos incentivos fiscais proporcionados pela Lei das OSCIPs (9.790/99).

Sustentabilidade

Enquanto não efetiva a transição para o novo modelo, a ONG vem captando recursos de certas linhas centrais: venda de produtos com a marca Arca Brasil, doações de entidades internacionais, assinaturas do informativo trimestral e realização de eventos. Atual­mente, 15 lojas de produtos para animais comercializam artefatos da Arca Brasil. São bonés, camisetas, sacolas e adesivos colocados à disposição dos consumidores que simpatizam com a causa. Ciampi informa que algumas lojas recebem comissão sobre as vendas, ao passo que outras abrem mão do percentual. “Nossa meta é conseguir pagar os custos fixos da entidade. Já alcançamos 20% do valor necessário e, para avançar mais, vamos ampliar os pontos de venda de nossos produtos”. A Internet responde por quase metade das vendas: “Nosso site tem ambiente seguro para transações comerciais e aceitamos cartões de crédito como forma de pagamento”, completa o diretor.

Números da Arca Brasil

10 anos de atuação em 2003

1.500 multiplicadores de informação de 12 países reunidos em congressos

25% de animais castrados em Taboão da Serra, recorde nacional

300 voluntários cadastrados

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
14.822
Oportunidades Cadastradas
9.564
Modelos de Documentos
3.008
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
19 Nov
2019
13º Prêmio Ozires Silva de Empreendedorismo Sustentável
Prazo
24 Nov
2019
Lab Cidadania
Prazo
25 Nov
2019
UNESCO World Heritage Volunteers (WHV 2019) – Let’s...
Prazo
29 Nov
2019
11º Edital SulAmérica Para Apoio a Projetos Sociais
Prazo
15 Dez
2019
SUEZ - Institut de France Award 2019-2020
Prazo
20 Dez
2019
Programa VOA
Prazo
25 Jan
2020
Environmental Curricula Grants
Prazo
31 Mar
2020
United Nations Voluntary Fund on Disability
Prazo
Contínuo
Mitsubishi Corporation Foundation for the Americas
Prazo
Contínuo
Oak Foundation’s - Issues Affecting Women Programme

PARCEIROS VER TODOS