Partitura

Por: Lucimara Moura
15 Abril 2013 - 20h48

Sentado na escadaria da igreja, o menino tinha os olhos fixos na adjacência das mãos que caminhavam à
sua frente, pai e filha juntos, de mãos dadas. Fato que o fez olhar para as próprias mãos, soltas, mal cuidadas e solitárias e, sem entender o porquê, pensou que ter uma mão para segurar deveria ser melhor do que ter comida ou teto.
Íntimo à marginalidade e a todas as suas gratuidades, o menino não sabia o que era confiança, nunca havia experimentado entregar seu rumo a alguém. Caminhava sozinho em direção ao pouco que sua vida lhe permitia — quase
nada — muito bem disfarçado de via pública, sinal fechado, calçada de cimento ocre.
Certo dia foi abduzido por algo que não podia ver, mas entrava pelos ouvidos, agitava as células e fazia o coração bater mais forte. Quanto mais ele se aproximava, maior era a catarse que acometia seu íntimo inaugural, retorcendo sensações que ele até então desconhecia.
Como poderia haver coisa assim, combinando sons, intercalando ruídos bons? Parecia que o vento e o ar eram qualificados pela intervenção de algo incomum, que destoavam da realidade usual que ali sempre seria uma freada brusca, um motor acelerando, o silêncio de mais um dia sem respostas.
Ao contrário, tinha uma sedução invisível somente aos olhos dos sem direção.
Ao final da melodia estranha, o menino não tinha mais a mesma composição; era como se a simetria do som no tempo tivesse afetado sua maneira de pensar e agir. Sua principal sensação era de arrebatamento, e não haveria mais o que melhor pensar senão ceder ao turbilhão em curso, identificar a fonte e deixar-se tomar pela música outra vez, como um dependente químico anseia satisfazer o vício.
Com o sopro que só desvelamento produz, era preciso investir naquela vontade nova, em um ímpeto que lhe varria a alma de dentro para fora, no cerne luminoso daquilo que, aprenderia melhor mais tarde, chama-se desejo.
Ainda que isso parecesse imprudência, colocou a própria liberdade em risco, na certeza vigente de que ser livre agora tinha um aposto a configurar, um aplicativo humano que a mente reconhecia, os olhos recomendavam e o coração comemorava.
Foi procurar a ajuda que não lhe servira até então. Sabia os caminhos que tolhiam suas regras: chamava-se projeto social.
Deixou-se cuidar por aqueles que sempre estiveram lá, em menor ou maior escala. Identificou os atalhos, disse o que queriam ouvir, dançou conforme o líder, desenhou em folha branca a beleza que ao outro parecia ter. Foi preciso paciência, disciplina e vontade de viver para aceitar todas as amarras e imposições que não tinham valido a pena em sua vida até aquele momento.
Ponto! Foi por ela que ele trocou a falsa independência, a insustentável satisfação do cotidiano picotado, pelo direito de aprender. Por ela ousou criar, recriar, exorbitar. Dominou os códigos da modernidade, ligou o equalizador de neurônios e obedeceu sua mãe natureza. Por meio disso e mais um pouco, enxergou um mundo diferente. Experimentou a variação derradeira da liberdade e tornou-se regente de si mesmo.
Dali em diante, a música seria seu refúgio, nos momentos bons e ruins. Mais do que isso, sua guia. Ele teria agora mais do que uma mão para segurar: seria eternamente conduzido por sua arte.

Tudo o que você precisa saber sobre Terceiro setor a UM CLIQUE de distância!

Imagine como seria maravilhoso acessar uma infinidade de informações e capacitações - SUPER ATUALIZADAS - com TUDO - eu disse TUDO! - o que você precisa saber para melhorar a gestão da sua ONG?

Imaginou? Então... esse cenário já é realidade na Rede Filantropia. Aqui você encontra materiais sobre:

Contabilidade

(certificações, prestação de contas, atendimento às normas contábeis, dentre outros)

Legislação

(remuneração de dirigentes, imunidade tributária, revisão estatutária, dentre outros)

Captação de Recursos

(principais fontes, ferramentas possíveis, geração de renda própria, dentre outros)

Voluntariado

(Gestão de voluntários, programas de voluntariado empresarial, dentre outros)

Tecnologia

(Softwares de gestão, CRM, armazenamento em nuvem, captação de recursos via internet, redes sociais, dentre outros)

RH

(Legislação trabalhista, formas de contratação em ONGs etc.)

E muito mais! Pois é... a Rede Filantropia tem tudo isso pra você, no plano de adesão PRATA!

E COMO FUNCIONA?

Isso tudo fica disponível pra você nos seguintes formatos:

  • Mais de 100 horas de videoaulas exclusivas gratuitas (faça seu login e acesse quando quiser)
  • Todo o conteúdo da Revista Filantropia enviado no formato digital, e com acesso completo no site da Rede Filantropia
  • Conteúdo on-line sem limites de acesso no www.filantropia.ong
  • Acesso a ambiente exclusivo para download de e-books e outros materiais
  • Participação mensal e gratuita nos eventos Filantropia Responde, sessões virtuais de perguntas e respostas sobre temas de gestão
  • Listagem de editais atualizada diariamente
  • Descontos especiais no FIFE (Fórum Interamericano de Filantropia Estratégica) e em eventos parceiros (Festival ABCR e Congresso Brasileiro do Terceiro Setor)

Saiba mais e faça parte da principal rede do Terceiro Setor do Brasil:

Acesse: filantropia.ong/beneficios

PARCEIROS VER TODOS