O protagonismo da terceira idade

Por: Silvana Queiroz do Nascimento, Bárbara Cristina Melo, Luciana Torres de Aguiar Pereira, Edson de Souza Lima
23 Outubro 2018 - 00h00

De acordo com as orientações nacionais sobre o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV), ele deve ser complementar ao Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família / Serviço de Proteção e Atendimento Especializado à Família e Indivíduo (PAIF/PAEFI). As atividades são escolhidas e planejadas mediante necessidade do público e do contexto social, político e cultural que vivenciam.  Para as pessoas idosas, partindo de seu reconhecimento enquanto público de uma sociedade na categoria de Terceira Idade e de seu caminhar com ou sem violências, desenvolve-se um protagonismo desde sua alimentação até o fortalecimento de vínculos na família e comunidade, com exercícios esportivos por um bem viver.

Além disso, é na lógica de prevenção das violações de direitos e de atendimento ao público com direitos violados, dentro dos perfis prioritários, que o SCFV se debruça e fomenta espaços e momentos de interação, norteado por eixos de “conteúdos” sociopedagógicos para estimular mais práticas saudáveis.

Em uma primeira experiência de convivência social com idosos, foi realizada a palestra “Alimentação Saudável na Terceira idade”, com informações sobre mudanças na alimentação e a fomentação da importância da prática de exercícios físicos para melhorar a qualidade de vida e tratar as patologias da idade. Em seguida, na roda de diálogos, foram apresentados os alimentos que mais prejudicam e que acarretam doenças características da Terceira Idade, como diabetes, colesterol alto, triglicerídeo alto e hipertensão. Também foram esclarecidas as dúvidas sobre quais práticas auxiliam na qualidade de vida, com uma rica discussão sobre autoestima e envelhecimento ativo.

A temática “Terceira Idade na Atualidade” também foi apresentada, enfatizando que os idosos não estão mortos socialmente e podem contribuir em várias atividades de forma individual ou coletiva, ou ainda buscar ações que proporcionem prazer na cidadania ativa. Em seguida, houve uma roda de diálogos com frases estigmatizadas e abusivas sobre o papel dos idosos, como “no fim da vida”, “que não servem para nada”, “que só esperam a morte”, muitas usadas pelos próprios familiares. Após esse momento foi-se edificando o quanto a sociedade subestima o papel da Terceira Idade, assim como a necessidade de oportunizá-los nesse novo protagonismo.

Também houve uma roda de diálogos e oficina com a temática “Igualdade de Direitos das Mulheres”, em que foram trabalhadas a sensibilização e a construção de seu empoderamento, desde sua identidade até sua atuação nos âmbitos privado e público. Além disso, fez-se uma reflexão sobre a historicidade da mulher e a “cultura do plano B” convencionada na sociedade. Antes de ser idosa, é ser mulher. Tratar desse tema é fazer uma retrospectiva sobre a própria história, por isso a escolha da música de acolhimento “Logo de Manhã Bom dia”, de Zizi Possi, a fim de proporcionar um clima de abertura e conexão ao momento. Em seguida, várias frases sobre o que a sociedade machista espera de uma mulher submissa foram expostas para leitura. Por meio dessa escuta foi possível fazer a linha do tempo de vida das mulheres e alimentar um processo reflexivo sobre sua trajetória.

A partir desse percurso intencional observou-se uma categoria em construção entre as pessoas participantes, pouco a pouco, envolvendo sua reorganização pessoal, social e política, sobretudo nessa transição de etapas de vida para aposentados. Também a observância de particularidades, em suas respectivas comunidades, posicionamentos, vivências, potencialidades, das relações interpessoais e como é sua forma de ver o mundo, de reagir e de expressar sentimentos - porque não é e nunca foi fácil se reconhecer enquanto idosos que lutam por expectativa e perspectiva de vida.A avaliação das atividades aconteceu de maneira sistematizada com o objetivo de registrar e apreciar os resultados obtidos em relação às metas socioeducativas estabelecidas previamente na participação. Levando em conta que o ser profissional da educação social significará participar da emancipação das pessoas, sabendo que o objetivo é ajudar a torná-las mais livres e menos dependentes do poder econômico, político e social. 

O método utilizado foi a avaliação participativa, em que os sujeitos colocaram suas impressões sobre os trabalhos propostos na perspectiva de aferir se as estratégias atenderam as expectativas dos usuários e se esses processos trouxeram ganhos efetivos do ponto de vista sociopedagógico. Segundo Paulo Freire, existe frequentemente a “negação do direito de ‘ser mais’ inscrito na natureza dos seres humanos”, por isso subscreve-se a avaliação participativa para positivar o idosos.

Diante desse objetivo formativo, ocorre uma transformação social em cada um, ao saírem de cada convivência mais leves e se comprometendo a cuidar de sua alimentação alinhada a exercícios físicos. A autoestima elevada também contribui para que eles não mais se enxerguem como seres submissos ou inferiores, e sim como autores de suas próprias vidas.

Concluímos que a relação entre a Educação, os Direitos Humanos e a Assistência Social fortalece o SCFV para que a construção das atividades seja embasada nas políticas e em formação que tragam conhecimento atualizado de temáticas relevantes para o grupo de idosos. Compreendemos que o percurso torna as experiências significativas e o trabalho no SCFV norteia a construção de atividades focadas nos sujeitos e na perspectiva de fortalecimento dos vínculos sociais e familiares.

Assim, enfatizamos a importância de trabalharmos numa política pública de assistência social que seja conectada em rede, destacando a realidade vivida no território pelo grupo de idosos, com respeito às histórias pessoais e coletivas da comunidade. Essa finalidade pode subsidiar outros saberes e fazeres na gestão pública para desenvolver com mais qualidade o SCFV e garantir espaços de diálogos, construções e resistências.

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
15.198
Oportunidades Cadastradas
9.566
Modelos de Documentos
3.061
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
16 Dez
2019
Bikeducação: Edital Itaú para Seleção de Projetos...
Prazo
16 Dez
2019
ONU / FIDA - Concurso de Fotografia “Juventude e...
Prazo
Contínuo
Fundo Regenerativo Brumadinho
Prazo
22 Dez
2019
UNDEF - 2019 Call to Civil Society to Apply for Funding...
Prazo
1 Jan
2020
Fundo Julia Taft para Refugiados
Prazo
25 Jan
2020
Environmental Curricula Grants
Prazo
31 Mar
2020
United Nations Voluntary Fund on Disability
Prazo
20 Jan
2020
United Nations Voluntary Trust Fund for Victims of...
Prazo
Contínuo
Mitsubishi Corporation Foundation for the Americas
Prazo
Contínuo
Oak Foundation’s - Issues Affecting Women Programme

Cursos Relacionados

PARCEIROS VER TODOS