Mudanças na área de Sustentabilidade

Por: Revista Filantropia
01 Janeiro 2011 - 00h00

Em meio aos turbilhões vividos pelas organizações nos últimos anos causados por vetores irreversíveis, como a globalização, as novas tecnologias, as imposições de compliance e governança – e os riscos associados –, a interação intermitente com os diversos stakeholders e suas demandas, os novos padrões de consumo e a pressão por resultados concretos e mensuráveis, a área de Sustentabilidade vem deixando de ser vista apenas como responsável por atividades ligadas à manutenção de uma boa imagem corporativa e um conjunto de melhores práticas. Ela passa a ser vista como um pilar central de geração e proteção de valor para os acionistas, para a empresa e para todos os stakeholders.

Entre as principais atribuições da área, pode-se destacar: colaboração no processo de geração e proteção de valor corporativo, integrando políticas e valores; práticas de gestão no tripé econômico-ambiental-social; inovação em produtos e serviços e relacionamento diferenciado com os diversos colaboradores, tornando-se cada vez mais estratégica e símbolo de representatividade do pensamento; e modus operandi da empresa e de seus gestores frente aos temas críticos de seu setor, mercados e sociedade em geral.

Tais dados foram apontados pelo estudo exclusivo conduzido pela DOM Strategy Partners, primeira consultoria 100% nacional focada em estratégia corporativa, que avalia, entre outros pontos comuns às pesquisas de mercado, também a visão dos gestores quanto às mudanças necessárias para resultados mais concretos. Intitulado de O Novo Papel da Sustentabilidade Corporativa: do Valor Intangível aos Resultados Concretos, o estudo aponta que, para 82% dos CEOs, presidentes e VPs das 294 empresas pesquisadas (dentre as mil maiores brasileiras), a área de Sustentabilidade passa a ser muito mais do que uma gestora de boas práticas de responsabilidade social (ou mesmo de filantropia corporativa), para se integrar efetivamente ao core business e à matriz de negócios das empresas. Ou seja, sua introdução no modelo de negócios das empresas e em todo seu processo de escolhas estratégicas e decisões do cotidiano (mind-set).

O que muda, de fato, é a introdução do conceito de valor às atividades de sustentabilidade, tratada, a partir de agora, como ativo intangível associado a outros intangíveis, como marca, inovação, modelo de gestão, valores, cultura corporativa, conhecimento, tecnologias, relacionamento com stakeholders e governança corporativa. Com isso, fortalece-se a obrigação de alinhamento estratégico entre as práticas, projetos e programas de Sustentabilidade aos negócios das empresas (produtos, serviços, marcas etc.) e a decorrente obrigação de gestão e mensuração, o que impacta, por exemplo, em questões tão práticas quanto a alocação orçamentária e a distribuição de bônus e premiações.

Os executivos de sustentabilidade, relações com mercado e comunicação corporativa abordados no estudo, geralmente responsáveis pela gestão do tema nas empresas, apontam também que a principal tendência para os próximos três anos é que as empresas desenvolvam, com clareza de propósito, gerenciabilidade (métrica e responsável) e metas (métricas e indicadores), o modelo ideal de integração da sustentabilidade à matriz de negócios. Isso quer dizer, em termos de escolhas, em que proporção e com que representatividade a empresa irá defender causas setoriais (ou genéricas) e bandeiras específicas, como irá associar isso ao marketing e ao branding da empresa, se irá operar com organizações próprias (como institutos e fundações) ou se irá apoiar ONGs existentes (e com que perfil de relação), como esse processo se traduzirá em programas e projetos, que tipo de integração terá particularmente com cada stakeholder, como se integrará ao modelo de gestão estratégica (BSC, por exemplo) e de performance (valoração, inclusive), dentre outros fatores.

Outro ponto importante destacado no estudo é que as corporações precisam definir claramente a separação entre investimento social privado, cidadania corporativa, filantropia corporativa e outras atividades cada vez menos correlacionadas a essa nova sustentabilidade com cara de negócios.

O estudo da DOM mostra também que, hoje, as empresas estão forçadas a administrar sua “Conta Corrente Diária de Reputação” (corporativa e de suas marcas), que se torna negativa ou positiva em função da resultante da somatória de opiniões, análises, percepções e expectativas que os diversos stakeholders da empresa e geradores de mídia, que constroem e reverberam de forma global e instantânea na chamada Web 2.0, ou mesmo que replicam imediatamente nas mídias tradicionais, como TV e rádio, já que os temas da sustentabilidade – para o bem (oportunidades e acertos) ou para o mal (riscos e erros) – são altamente trafegados, analisados e opinados nessas redes e comunidades.

Sobre a DOM Strategy Partners

A DOM Strategy Partners® é a primeira consultoria focada em estratégia corporativa 100% nacional. Pertencente ao Grupo ECC, a empresa oferta em seu portfólio práticas e metodologias para planejamento estratégico corporativo, gestão de ativos intangíveis, gestão do conhecimento e da inovação, inteligência competitiva, sustentabilidade corporativa, estratégia de marketing & branding e gestão de valor em TI.

Índices mais relevantes do ponto de vista dos gestores:
Integração ao modelo de negócios da empresa
82%
Separação da cidadania corporativa, investimento social privado, filantropia etc.
79%
Estruturação de áreas, competências e programas definidos e claros de sustentabilidade
77%
(Re)desenvolvimento de políticas específicas para sustentabilidade no Triple Bottom Line
71%
(Re)mapeamento e desenvolvimento de modelos de gestão com stakeholders
67%
(Re)desenvolvimento de (novos) produtos e serviços à luz da sustentabilidade
65%
Desenvolvimento de modelos de mensuração de valor, de performance e adequação orçamentária
62%
Definição clara de bandeiras, causas e modelos de integração com os atributos da marca e comunicação da empresa
60%
Integração e maximização dos projetos de sustentabilidade aos diversos canais e tecnologias das empresas
55%

 

Tudo o que você precisa saber sobre Terceiro setor a UM CLIQUE de distância!

Imagine como seria maravilhoso acessar uma infinidade de informações e capacitações - SUPER ATUALIZADAS - com TUDO - eu disse TUDO! - o que você precisa saber para melhorar a gestão da sua ONG?

Imaginou? Então... esse cenário já é realidade na Rede Filantropia. Aqui você encontra materiais sobre:

Contabilidade

(certificações, prestação de contas, atendimento às normas contábeis, dentre outros)

Legislação

(remuneração de dirigentes, imunidade tributária, revisão estatutária, dentre outros)

Captação de Recursos

(principais fontes, ferramentas possíveis, geração de renda própria, dentre outros)

Voluntariado

(Gestão de voluntários, programas de voluntariado empresarial, dentre outros)

Tecnologia

(Softwares de gestão, CRM, armazenamento em nuvem, captação de recursos via internet, redes sociais, dentre outros)

RH

(Legislação trabalhista, formas de contratação em ONGs etc.)

E muito mais! Pois é... a Rede Filantropia tem tudo isso pra você, no plano de adesão PRATA!

E COMO FUNCIONA?

Isso tudo fica disponível pra você nos seguintes formatos:

  • Mais de 100 horas de videoaulas exclusivas gratuitas (faça seu login e acesse quando quiser)
  • Todo o conteúdo da Revista Filantropia enviado no formato digital, e com acesso completo no site da Rede Filantropia
  • Conteúdo on-line sem limites de acesso no www.filantropia.ong
  • Acesso a ambiente exclusivo para download de e-books e outros materiais
  • Participação mensal e gratuita nos eventos Filantropia Responde, sessões virtuais de perguntas e respostas sobre temas de gestão
  • Listagem de editais atualizada diariamente
  • Descontos especiais no FIFE (Fórum Interamericano de Filantropia Estratégica) e em eventos parceiros (Festival ABCR e Congresso Brasileiro do Terceiro Setor)

Saiba mais e faça parte da principal rede do Terceiro Setor do Brasil:

Acesse: filantropia.ong/beneficios

PARCEIROS VER TODOS