Gerd Leipold

Por: Thaís Iannarelli
01 Julho 2009 - 00h00

Gerd Leipold, nascido em uma pequena cidade da Alemanha em 1951, formou-se em Física pela Universidade de Munique. Depois, continuou os estudos em Hamburgo, onde se dedicou à oceanografia e à meteorologia.

De 1981 a 1990, Gerd atuou como diretor no Greenpeace da Alemanha. À época, a organização local passou de um pequeno grupo de voluntários à maior organização de meio ambiente do país – com mais de 80 funcionários, 400 mil colaboradores e uma renda anual de € 25 milhões. Em 1987, ele também assumiu a coordenação da campanha de desarmamento do Greenpeace Internacional, que lutava contra o teste de armas nucleares.

Entre 1993 e 2001, Gerd Leipold se afastou da organização para se tornar diretor de uma empresa inglesa de consultoria e apoio a organizações sociais, como o Comitê Internacional da Cruz Vermelha, Oxfam, Action Aid, entre outras.

Em 2001, voltou ao Greenpeace Internacional e, até hoje, atua como ativista e diretor executivo da instituição. Em entrevista exclusiva à Revista Filantropia, Gerd fala sobre ações da organização, os problemas do meio ambiente e a posição do Brasil em relação a esse cenário.

Revista Filantropia: Como e quando você começou a atuar na área do meio ambiente?

Gerd Leipold: Considero-me um tipo de membro “atrasado” do movimento estudantil de 1968, na Alemanha. Isso porque sempre fui interessado em política e no ativismo, mas nunca gostei muito das políticas estudantis. Eu fazia parte de um movimento antinuclear nos anos 1970 e, quando o Greenpeace começou a atuar na Europa nessa época, também era cientista. Eu achava que não era tão bom o fato de que todos os cientistas trabalhassem para o governo, e foi aí que decidi ajudar o Greenpeace como voluntário. Isso aconteceu em 1980. A partir de 1983, comecei a trabalhar efetivamente na organização.

RF: Como você descreveria o trabalho do Greenpeace em relação à atuação de outras organizações ligadas ao meio ambiente?

GL: Temos muitas coisas em comum, mas com algumas diferenças. Uma delas é que somos uma organização realmente global, estamos em todas as partes. Também agimos de acordo com um programa, temos políticas em comum. Uma das maiores diferenças, sob o meu ponto de vista, é que não aceitamos dinheiro de governos ou do setor privado. Isso significa que podemos desafiá-los e não precisamos fazer favores para eles. Podemos confrontar, mas também, quando cooperamos, o fazemos pelo interesse do meio ambiente, e não porque esperamos doações de uma empresa, por exemplo. Além disso, todos no mundo conhecem o trabalho do Greenpeace, e isso, para nós, é algo muito especial.

RF: Atualmente, as pessoas estão mais cientes dos problemas do planeta do que, por exemplo, há dez anos. Você acha que essa conscientização está mudando o comportamento da sociedade?

GL: Sim, concordo plenamente com isso. Atualmente, muitas pessoas que nunca pensaram nos perigos que as florestas corriam, hoje, quando compram móveis ou madeira, perguntam se os produtos são sustentáveis; ou, ao comprar aparelhos eletrônicos, questionam sobre o gasto de energia. Então, acredito que existe uma mudança no comportamento consumista. Claro que não com todos, mas com muitas pessoas que não haviam pensado nisso antes. Agora, o que temos de nos perguntar é se essa mudança de comportamento é suficientemente forte para lidar com os problemas que estamos enfrentando.

RF: Em relação ao Brasil, fala-se muito sobre os biocombustíveis derivados de plantas e sementes. Qual é a sua opinião sobre essa fonte alternativa de energia?

GL: Inicialmente, é importante dizer que a energia renovável é aquela que vem de fontes que “se repõem”. Este é o princípio, que depende também de como o processo é feito. Por isso, considero o termo biocombustível errado – o correto seria “agrocombustível”, para melhor subsidiar o setor da agricultura e seu desenvolvimento. Mas, em relação ao seu uso, a primeira coisa que os biocombustíveis devem fazer é reduzir a emissão de CO2. Porém, se você tomar como exemplo a União Europeia, essa fonte de energia não cumpre esse papel. Também não concordamos com a monocultura, porque esse tipo de produção é insustentável, da mesma forma que discordamos da transformação de alimento em combustível. Porém, de todos os produtores de biocombustíveis do mundo, acredito que o Brasil esteja entre os melhores.

RF: Quais são as ações que o Greenpeace tem empreendido atualmente?

GL: A prioridade é a alteração climática, e estamos muito mobilizados para a conferência que acontecerá em Copenhagen, na Dinamarca, no fim do ano. Lá, nossa meta é conseguir que os países ricos se comprometam a reduzir as emissões de CO2, fato que nos ajudará a manter a mudança climática em menos de 2°C. Também tentaremos incentivar os países desenvolvidos a disponibilizar fundos para que os países mais carentes possam reduzir suas emissões e lidar com a adaptação às mudanças climáticas. Além disso, estimularemos os países em desenvolvimento a continuarem seguindo em frente. Outro fato que prezamos muito atualmente é a proteção às florestas.

RF: Você acha que, no ponto em que estamos, é possível resolver os grandes problemas ambientais da Terra?

GL: Certamente espero que sim, e trabalho para isso! Acho que o fato de as pessoas terem mais informação agora do que no passado ajuda muito, e essa preocupação com o meio ambiente está em todos os lugares do mundo. Então, temos visto melhorias, já resolvemos algumas coisas. Por exemplo, o problema da camada de ozônio está sendo discutido pela comunidade internacional. Identificamos os problemas, conduzimos o protocolo e tentamos resolvê-los. Se você analisar a poluição dos rios, principalmente em áreas industrializadas, a situação melhorou muito. Temos bons exemplos, mas também sabemos que estamos nos distanciando da solução para alguns dos maiores problemas ambientais, como as mudanças climáticas, a questão da água e a pesca predatória nos oceano; tais problemas se tornam cada vez maiores. Por isso, acho que, como ativistas do Greenpeace, devemos ser otimistas, porque a melhor energia é o entusiasmo humano para resolver problemas. Dessa forma, não basta que os jovens tenham acesso a informações; é mais importante que encontrem alguma causa para se engajarem.

Link
www.greenpeace.org

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
14.822
Oportunidades Cadastradas
9.564
Modelos de Documentos
3.008
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
19 Nov
2019
13º Prêmio Ozires Silva de Empreendedorismo Sustentável
Prazo
24 Nov
2019
Lab Cidadania
Prazo
25 Nov
2019
UNESCO World Heritage Volunteers (WHV 2019) – Let’s...
Prazo
29 Nov
2019
11º Edital SulAmérica Para Apoio a Projetos Sociais
Prazo
15 Dez
2019
SUEZ - Institut de France Award 2019-2020
Prazo
20 Dez
2019
Programa VOA
Prazo
25 Jan
2020
Environmental Curricula Grants
Prazo
31 Mar
2020
United Nations Voluntary Fund on Disability
Prazo
Contínuo
Mitsubishi Corporation Foundation for the Americas
Prazo
Contínuo
Oak Foundation’s - Issues Affecting Women Programme

PARCEIROS VER TODOS