Luta árdua e desigual

Por: Luciano Guimarães
01 Janeiro 2010 - 00h00

A explosão das atividades das organizações não-governamentais no Brasil nos últimos 20 anos, e a consequente consolidação de suas realizações perante governos, empresas e sociedade, iniciada no começo desta década, chega agora a um novo capítulo – a entrada em cena, com muita dificuldade, da figura do empreendedor social.

A expressão nasceu da tradução de um termo originário da língua francesa (entrepreneur), sendo usada pela primeira vez em inglês entre as décadas de 1960 e 70. Mais adiante, o termo foi difundido nas décadas de 1980 e 90 por Bill Drayton, fundador da Ashoka Empreendedores Sociais, e pelo escritor inglês Charles Leadbeater.

No Brasil, este ator social ainda ensaia para conquistar novas plateias e tenta ser entendido como parte importante do Terceiro Setor, significativo para encontrar soluções aos problemas da população.

Não tem sido fácil, mas a percepção geral é a de que o amadorismo está sendo deixado para trás, ainda que o envolvimento das empresas continue pequeno e existam muitos entraves burocráticos do poder público. A atuação dos empreendedores sociais, principalmente os dos pequenos grupos de trabalho, tem sido descrita como árdua e desigual, tanto na busca quanto no recebimento de recursos da iniciativa privada e dos governos.

“Empreendedor social no Brasil é guerreiro. Tem de ter fé, muita paciência, força e insistência, caso contrário, desiste”, desabafa Daniel Manchado Cywinski, diretor institucional da Associação Mestres da Obra, ONG que atua dentro dos canteiros de obras, tendo o trabalhador como público-alvo.

A entidade já foi laureada com o prêmio Uma Boa História Mobiliza, concedido pela Revista Filantropia, e foi finalista do Prêmio Empreendedor Social 2009, realizado pela Folha de São Paulo e pela Fundação Schwab. Nesta edição, os vencedores foram Claudio e Suzana Padua, fundadores do Instituto de Pesquisas Ecológicas (Ipê), ONG da área ambiental.

'Segundo Daniel, o empreendedor social só passa a “existir”, ser reconhecido e referenciado após anos de trabalho, e isso faz com que o começo seja extremamente duro. Ele argumenta que o Brasil possui poucos mecanismos de incentivo fiscal e poucos recursos diretos provenientes do governo, além de diversos fatores que não ajudam. “Existe dificuldade de contratar pessoas, de envolver profissionais no trabalho devido à falta de recursos financeiros, a restrições trabalhistas, à instabilidade das entradas de recursos etc. Não vejo grandes mudanças acontecendo, mas observo que os empreendedores têm ficado cada vez mais ‘espertos’, se esforçando para encontrar alternativas viáveis à sua atuação”, explica o gestor.

Pá de cal

As dificuldades de ordem burocrática e financeira também podem ser responsáveis por colocar uma pá de cal no projeto de uma ONG gerida por um empreendedor social. Ao se conhecer alguns cases, não há outra conclusão a se tirar sobre projetos promissores que não vingaram ou que poderiam ter tido melhores resultados.

O relato do engenheiro Julio Gurgel do Amaral, do departamento técnico do Instituto para Desenvolvimento Socioambiental e Tecnológico Lótus, ilustra esse cenário. A Oscip paulistana em que atua foi fundada em 2001 em busca de alternativas tecnológicas que integrem proteção ao meio ambiente e modelos de sustentabilidade socioambiental, e que permitam a interface entre o setor governamental e a iniciativa privada.

Segundo ele, um promissor trabalho realizado com crianças de 5ª a 8ª séries do ensino municipal da cidade de São Roque (SP), o Projeto Gota (sigla para Gestor Organizado de Transformação Ambiental) poderia ter ido mais longe não fossem dois itens importantes: os escassos recursos técnicos e financeiros da administração pública e a “cegueira” da iniciativa privada para perceber o potencial humano de um projeto que visava à educação e à conscientização de alunos e de seus familiares acerca de importância da conservação do meio ambiente.

“No Brasil, o poder público teoricamente apoia um projeto que não dá, no entender do governante, resultados imediatos. A mesma coisa acontece com a iniciativa privada, que deveria pensar menos em retorno financeiro e mais no desenvolvimento do ser humano e no exercício da cidadania”, afirma

Amaral, relatando que, mesmo assim, o projeto foi um sucesso entre pais e alunos.

A entidade também desenvolve um trabalho com reciclagem de óleo de cozinha, e sempre enfrentou dificuldades para que investidores da iniciativa privada pudessem entender as possibilidades do negócio, especialmente a preservação do meio ambiente.
“Infelizmente, encontra-se muita dificuldade em obter patrocínios. Por outro lado, a falta de divulgação impede que encontremos empresas dispostas a investir em um projeto com tais objetivos”, enfatiza o engenheiro.

Competição

Além de todos os problemas já citados, soma-se a concorrência desigual entre os pequenos empreendedores sociais e as ONGs de grande e médio portes, que, em geral, são bem mais conhecidas das empresas e do público em geral. Quem vai investir em um projeto – mesmo que socialmente extraordinário e financeiramente promissor – de uma entidade que não aparece nas páginas de jornais e revistas e na tela das TVs?

“Alguns setores da iniciativa privada já estão voltando seus olhos para empreendimentos que englobem inclusão social e cuidado ambiental, mas ainda é muito incipiente e ‘marketizado’. Há muita publicidade e quase nada realizado com compromisso na manutenção em longo prazo”, ressalta Thereza

Cavalcanti, diretora executiva do Grupo Sou São Paulo, ONG que fomenta e garante o investimento social privado em produtos totalmente enquadrados nos conceitos de consumo consciente e comércio justo.

De acordo com a gestora, não basta apoiar um projeto com data de vencimento, sem o devido cuidado de se deixar este mesmo projeto apto a continuar existindo. “Além disso, competir com ONGs que têm chancelas poderosas é impensável. O caminho é ocupar os vazios que essas organizações deixam, já que elas têm focos específicos, e/ou buscar parcerias, o que na vida real se revela outro desafio”, pondera.

Coberta de razão, Thereza acredita que criar e gerir um pequeno empreendimento no Brasil é um desafio enorme, pois questões como linhas de crédito para infraestrutura e capacitação são ainda sonhos difíceis de serem realizados em um curto espaço de tempo. Outro aspecto que acaba inibindo o sucesso dessa iniciativa, segundo ela, é a resistência do mercado em absorver um produto que fuja do conceito “industrial”.

“Acredito que os pequenos empreendimentos se sustentem em longo prazo dentro de um conceito restrito e muito pontual, atendendo a uma demanda pequena de consumidores que tenham o entendimento de produção não-linear. Em função disso, não sou muito otimista”, argumenta a diretora do Grupo Sou São Paulo.

Tudo o que você precisa saber sobre Terceiro setor a UM CLIQUE de distância!

Imagine como seria maravilhoso acessar uma infinidade de informações e capacitações - SUPER ATUALIZADAS - com TUDO - eu disse TUDO! - o que você precisa saber para melhorar a gestão da sua ONG?

Imaginou? Então... esse cenário já é realidade na Rede Filantropia. Aqui você encontra materiais sobre:

Contabilidade

(certificações, prestação de contas, atendimento às normas contábeis, dentre outros)

Legislação

(remuneração de dirigentes, imunidade tributária, revisão estatutária, dentre outros)

Captação de Recursos

(principais fontes, ferramentas possíveis, geração de renda própria, dentre outros)

Voluntariado

(Gestão de voluntários, programas de voluntariado empresarial, dentre outros)

Tecnologia

(Softwares de gestão, CRM, armazenamento em nuvem, captação de recursos via internet, redes sociais, dentre outros)

RH

(Legislação trabalhista, formas de contratação em ONGs etc.)

E muito mais! Pois é... a Rede Filantropia tem tudo isso pra você, no plano de adesão PRATA!

E COMO FUNCIONA?

Isso tudo fica disponível pra você nos seguintes formatos:

  • Mais de 100 horas de videoaulas exclusivas gratuitas (faça seu login e acesse quando quiser)
  • Todo o conteúdo da Revista Filantropia enviado no formato digital, e com acesso completo no site da Rede Filantropia
  • Conteúdo on-line sem limites de acesso no www.filantropia.ong
  • Acesso a ambiente exclusivo para download de e-books e outros materiais
  • Participação mensal e gratuita nos eventos Filantropia Responde, sessões virtuais de perguntas e respostas sobre temas de gestão
  • Listagem de editais atualizada diariamente
  • Descontos especiais no FIFE (Fórum Interamericano de Filantropia Estratégica) e em eventos parceiros (Festival ABCR e Congresso Brasileiro do Terceiro Setor)

Saiba mais e faça parte da principal rede do Terceiro Setor do Brasil:

Acesse: filantropia.ong/beneficios

PARCEIROS VER TODOS