Flávio Canto

Por: Daniela Tcherniacowski
01 Setembro 2004 - 00h00
A os 29 anos, Flávio Canto conquista, pela primeira vez, uma medalha olímpica numa carreira já celebrada por uma série de vitórias, como o ouro nos Jogos Pan-Americanos de Santo Domingo (2003), no Torneio de Ranqueamento Olímpico da Argentina (2003) e nos Jogos Sul-Americanos (2002).Enquanto lutava pela medalha na Grécia, cerca de 400 crianças de Cidade de Deus e da favela carioca da Rocinha torciam pelo atleta. Todas são alunas de judô da ONG Instituto Reação que Canto mantém desde 2000. E foi para elas a homenagem pelo bronze em Atenas."Para uma criança carente, entrar em uma competição e ganhar de uma criança rica é a prova de que ela precisa para acreditar que é capaz, não só de vencer competições, mas de lutar por seus sonhos", afirma.Em entrevista à Revista Filantropia, o judoca conta como se interessou pela ação social.Revista Filantropia: Como começou sua história de engajamento social?Flávio Canto: Sempre carreguei um sentimento muito forte de indignação pela miséria e desigualdade em nosso país. Em 2000, resolvi fazer parte de uma idéia que hoje se chama Reação, que utiliza o judô como instrumento de inclusão social.Filantropia: Quais são as dificuldades que você enfrenta na ONG? Quais são as conquistas de seu trabalho social? O que ainda falta conquistar?FC: A parte administrativa é a mais chata e, por isso, a deixo com o diretor-administrativo. A maior conquista é perceber nos olhos de nossos atletas a determinação de lutar por seus objetivos. Temos algumas parcerias com outras ONGs, mas ainda é pouco. Falta mais organização para trabalharmos em rede.Filantropia: Como o esporte pode ajudar uma criança carente? E o judô, em especial?FC: O esporte é o instrumento ideal para inclusão social, desde que atrelado ao alto rendimento. Sem isso, ele perde força. É importante que haja a figura do ídolo para segurar as crianças no projeto, e de competições para motivar os atletas. Para uma criança carente entrar em uma competição e ganhar de uma criança rica é o que ela precisa para acreditar que é capaz não só de vencer competições, mas de lutar por seus sonhos.Filantropia: Como você encara a violência dos morros no Rio, como o da Rocinha, onde você mantém um trabalho social?FC: A violência é fruto de toda desigualdade e indiferença de nossa sociedade. Não estou lá para condenar o tráfico ou a violência. Minha função é levar cidadania.Filantropia: De volta ao Brasil, o que você espera fazer pela sua carreira e pelas atividades com a ONG?FC: Pretendo ampliar o projeto. Para isso, é preciso uma sala muito maior para atender a demanda de alunos. Talvez faça especialização ou mestrado relacionado ao Terceiro Setor quando parar de competir, mas, por enquanto, continuo treinando.
EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
22.766
Oportunidades Cadastradas
9.597
Modelos de Documentos
4.060
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
3 Mai
2021
25º Concurso Inovação no Setor Público
Prazo
26 Abr
2021
15º Edital Funcultura Audiovisual
Prazo
Contínuo
Super Desafio COVID-19 - Startups
Prazo
21 Mai
2021
Projetos Sociais por Leis de Incentivo 2021
Prazo
14 Mai
2021
Edital de Seleção - Projetos Sociais
Prazo
11 Mai
2021
Prince Claus Seed Awards 2021
Prazo
10 Mai
2021
Para Mulheres na Ciência 2021
Prazo
Contínuo
Adobe Creative Residency Community Fund
Prazo
17 Mai
2021
PhotoContest 2021
Prazo
23 Mai
2021
9ª Convocatoria de Ayudas

PARCEIROS VER TODOS