Pesquisa Alinhada à Prática

Por: Thaís Iannarelli
04 Maio 2015 - 21h38

INTERNATIONAL SOCIETY FOR THIRD-SECTOR RESEARCH PROMOVE A PESQUISA E A EDUCAÇÃO NO TERCEIRO SETOR

margery-danielsFundada em 1992, a International Society for Third-Sector Research (ISTR) é uma associação internacional que tem como objetivo promover a pesquisa e a educação nas áreas que envolvem a sociedade civil, a filantropia e o setor social. A ideia é construir uma comunidade global de acadêmicos e pessoas dedicadas à criação, discussão e desenvolvimento de conhecimento relativo ao Terceiro Setor, assim como seu impacto no bem-estar humano e do planeta. Em entrevista à Revista Filantropia, Margery Daniels, diretora-executiva da ISTR, fala sobre a atuação da sociedade e sobre a importância da pesquisa para a prática do Terceiro Setor.

A pesquisa é importante porque acreditamos que cria políticas. Quando o governo, por exemplo, precisa analisar uma questão, é bom ter fatos que deem base à forma como a política será implantada
Margery Daniels
Diretora-executiva da ISTR

Revista Filantropia: Qual é o objetivo da atuação da ISTR?
Margery Daniels: A ISTR foi fundada em 1992, então é uma instituição nova ainda. A ideia sempre foi a de constituir um ponto de encontro para pesquisadores de todo o mundo que estudam o setor social, a filantropia e a sociedade civil. Então, um grupo de pessoas de várias partes do mundo se reuniu e criou a sociedade. O objetivo era criar um lar acadêmico para uma associação voltada à pesquisa, e é isso o que somos. As pessoas podem fazer parte e apresentar suas pesquisas, receberem feedback e publicá-las. Estou na ISTR há 22 anos, e começamos sem membros nem publicações. Hoje, temos 800 membros em 84 países, compostos principalmente de acadêmicos, pesquisadores e pessoas atuantes no setor.

RF: Como você descreveria a importância da pesquisa para a prática do Terceiro Setor?
MD: A pesquisa é importante porque acreditamos que cria políticas. Quando o governo, por exemplo, precisa analisar uma questão, é bom ter fatos que deem base à forma como a política será implantada. Nosso objetivo é que a pesquisa possa ser vista por quem cria as políticas públicas e por atuantes da área social. E não é fácil fazer isso, mas a meta é que a pesquisa de fato dê informações para a prática. Então, por exemplo, se alguém quer saber quantos voluntários existem em determinado local, onde são voluntários e quais são suas necessidades, é possível obter esta informação, é possível criar políticas para os voluntários.

RF: Quais são os principais meios de atuação da ISTR?
MD: Trabalhamos principalmente com uma publicação científica chamada VOLUNTAS, que é bem reconhecida e abrange todo o campo de pesquisa do Terceiro Setor. É uma publicação indexada ao Social Sciences Citation Index. Sabemos que nem todos os artigos são publicados, então também publicamos artigos das conferências regionais e internacionais que realizamos no site.

RF: Estando no campo da pesquisa há 22 anos, qual análise você faz do cenário atual em relação há alguns anos atrás? Quais foram as mudanças?
MD: Acho que melhorou porque há muito mais gente trabalhando no setor. Há um número crescente de pessoas com PhD nesses tópicos. Nos últimos quatro anos, realizamos dois seminários voltados a estudantes de doutorado de todo o mundo, e a experiência foi ótima. Então, é animador porque há cada vez mais pessoas estudando esta área. Ao mesmo tempo é um desafio, e o principal é que continua sendo difícil captar recursos para pesquisa. Como captar recursos para pesquisa? Como as universidades podem transformar o ato de apoiar os pesquisadores em uma prioridade? Isso sempre foi um desafio, e continuará sendo.

RF: Quais são as diferenças no campo da pesquisa ao redor do mundo?
MD: Eu diria que a academia é mais desenvolvida na Europa e nos Estados Unidos, e há mais centros de pesquisa nesses locais. Claro que estão crescendo e se desenvolvendo em outras partes do mundo, como no México, na Argentina e no Brasil, quando se trata da América Latina. Porém, outras partes da América Latina e a África ainda são mais fracas neste ponto. Sobre a África, há muitos pesquisadores, porém, a maioria não reside no país. Outro problema que encontramos para incentivar a pesquisa e as publicações é a língua, que acaba sendo um obstáculo. Ao submeter um artigo em espanhol ou português, as chances de publicação diminuem, esta é a realidade.

RF: E quais são as perspectivas para o futuro da ISTR e do setor?
MD: Os desafios continuam envolvendo a captação de recursos para dar continuidade ao trabalho, e poder ajudar os doutorandos. Queremos ampliar a rede e ter recursos para ajudá-los a participar mais dos eventos voltados a este público.

www.istr.org

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
14.899
Oportunidades Cadastradas
9.564
Modelos de Documentos
3.019
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
8 Dez
2019
Edital de Chamada Pública n° 04/2019 - Circuito de...
Prazo
16 Dez
2019
Bikeducação: Edital Itaú para Seleção de Projetos...
Prazo
25 Nov
2019
UNESCO World Heritage Volunteers (WHV 2019) – Let’s...
Prazo
4 Dez
2019
Bloomberg Initiative - To Reduce Tobacco Use Grants...
Prazo
15 Dez
2019
SUEZ - Institut de France Award 2019-2020
Prazo
30 Nov
2019
Funding from EOCA - Proposals on Plastic Clean Up and...
Prazo
25 Jan
2020
Environmental Curricula Grants
Prazo
31 Mar
2020
United Nations Voluntary Fund on Disability
Prazo
Contínuo
Mitsubishi Corporation Foundation for the Americas
Prazo
Contínuo
Oak Foundation’s - Issues Affecting Women Programme

PARCEIROS VER TODOS