O Desafio Do Engajamento

Por: Giuliana Preziosi
15 Setembro 2016 - 03h33

Voluntariado em tempos de crise

Vivemos em um mundo em que a tecnologia passou a dominar a forma de nos conectarmos com as pessoas. E o engajamento, de maneira geral, virou um dos principais desafios do mundo moderno. A era do excesso de informações dá voz a todos, mas faz com que nos percamos em nossos processos de escolhas devido à quantidade exorbitante de opções. O engajamento requer interação, envolvimento, é o famoso "jogar junto". Só que, para isso, é preciso querer participar do time.

Com tantas opções disponíveis, a escolha do time fica ainda mais difícil. Quantas mensagens você recebe por dia? Sejam elas e-mails, correspondências, SMS, WhatsApp e comunicados de forma geral. Esse bombardeio de informações nos deixa sem tempo e sem interesse em analisar tudo o que recebemos, e acabamos filtrando aquilo que queremos. Nosso filtro está ligado com o que nos identificamos ou procuramos em determinado momento.

Na hora de estabelecer estratégias para engajar e motivar voluntários, poucos gestores pensam nisso. Essas estratégias estão intimamente relacionadas à comunicação. Como vencer as barreiras e conquistar voluntários para que eles, de fato, queiram jogar junto e sintam-se parte do time? As estratégias de comunicação convencionais visam somente passar a mensagem, sem se preocuparem em causar emoções que despertem esse sentimento de pertencimento.

Vivemos em um contexto extremamente desmotivador. Desemprego batendo recorde, crise política, bolsa de valores "brincando" de roleta russa; tudo isso faz com que a tensão no ambiente corporativo só vá aumentando. A desmotivação é geral dentro das empresas, e programas de voluntariado e projetos sociais são dolorosamente afetados. Esse ambiente angustiante e tenso é contagioso e dificulta qualquer ação de engajamento. A boa notícia é que dá para reverter esse círculo vicioso. Como? Fazendo o círculo girar para o outro lado, estimulando emoções positivas.

Barbara Fredrickson, renomada psicóloga americana e escritora do livro Love 2. 0, afirma que o aumento de emoções positivas na vida é capaz de melhorar a nossa conexão com os outros, gerando felicidade e até beneficiando nosso sistema imunológico e evitando doenças. Erramos ao acreditar que sentimos emoções de forma passiva; nós podemos, sim, influenciar nossas atitudes para que, ao final do dia, as positivas sejam superiores às negativas. E o resultado disso pode ser impressionante.

Se exercermos o poder de influenciar pessoas para que elas possam ter mais emoções positivas, aumentamos nosso engajamento com elas. Um gestor que conhece seus voluntários é capaz de valorizar suas ações e pode desencadear uma série de emoções positivas com alto potencial de aumentar a motivação deles.

Para definir quais ferramentas utilizar nesse processo, é preciso pensar um pouco fora da caixa. Lembre-se: é necessário repensar as estratégias de comunicação, libertar-se das ideias convencionais e buscar formas de utilizar a tecnologia a nosso favor. Para um programa com grande número de voluntários, é preciso criar ferramentas de interação, visando à troca de informações e maior aproximação com os envolvidos. Só não vale criar ferramentas e não utilizá-las.

Em grupos menores, pode-se fazer pequenos eventos ou reuniões, ou até um bate-papo com o objetivo de conhecê-los, entender suas angústias e buscar caminhos que os levem a sentir mais emoções positivas. A chave do sucesso é conhecer o seu voluntário.

É muito importante ter momentos de troca quando se está acostumado a oferecer ações, demandar tarefas, fazer gincanas, lançar desafios, e não com momentos de valorizar as atuações e escutar o que os voluntários têm a dizer. Isso diminui o senso de pertencimento e, consequentemente, enfraquece o engajamento. A partir do momento em que você conhece seus voluntários, torna- -se mais fácil criar estratégias de comunicação e propor atividades que estimulem as emoções positivas.

Exercite a sua conexão com as pessoas. Experimente controlar suas emoções e fazer a balança pender mais para o lado positivo. Faça um teste: avalie a sua conexão com as pessoas ao seu redor. Escolha três pessoas por dia e dê uma nota de 0 a 10 para sua conexão com cada uma delas. Pense em sintonia e proximidade. Ao final da semana, avalie as notas que você se deu. Isso fará você prestar atenção como se relaciona com as pessoas.

Dicas Para Aumentar O Engajamento Com Os Voluntários:

  1. Utilize a estratégia da "positividade" em toda a sua comunicação. Estimule emoções positivas.
  2. Comece a avaliar a sua conexão com as pessoas diariamente.
  3. Mantenha um canal de diálogo aberto com os voluntários e incentive-os a utilizá-lo.
  4. Crie iniciativas, programas, ações e políticas de forma participativa e envolvente.
  5. Estabeleça momentos periódicos de brainstorming com outras pessoas de seu time ou com um grupo de voluntários somente para terem ideias.
  6. Conheça seus voluntários.

Claro que ninguém vive somente do positivo; o negativo também é importante para aprendermos e nos fortalecermos. O segredo é fazer a balança pender para o lado que te favorece.

Lembre-se que todo problema, por mais difícil que seja, também vem acompanhado de uma oportunidade. Tudo está na nossa forma de ver as coisas.

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
17.033
Oportunidades Cadastradas
9.597
Modelos de Documentos
3.312
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
31 Mai
2020
I Prêmio Josemar Guilhermino de Literatura
Prazo
4 Set
2020
Ideias para o Futuro
Prazo
29 Mai
2020
Prêmio CAPES de Tese
Prazo
Matchfunding Enfrente o Corona
Prazo
1 Ago
2020
Todos os olhos na Amazônia
Prazo
1 Ago
2020
The IFREE Small Grants Program
Prazo
1 Jun
2020
Sophie Danforth Conservation Biology Fund
Prazo
18 Jun
2020
Global Health Security & Pandemics Challenge
Prazo
30 Jun
2020
Prêmio Internacional de Seguros Julio Castelo Matrán
Prazo
31 Dez
2020
Patrocínios e Doações - Instituto Usiminas

PARCEIROS VER TODOS