Da tradição à gestão

Por: Thaís Iannarelli
22 Janeiro 2015 - 23h42

Liga Solidária, com 91 anos de existência, foca na gestão profissional da instituição

da tradicao a gestaoInicialmente chamada de Liga das Senhoras Católicas de São Paulo, a Liga Solidária, fundada em 1923, hoje é modelo de aplicação de ferramentas de gestão e profissionalização do trabalho interno e externo. Presidida por Carola Matarazzo desde 2012, a Liga Solidária desenvolve programas socioeducativos e de cidadania que beneficiam mais de 10 mil pessoas, de todas as idades.
Em entrevista à Revista Filantropia, Carola fala sobre a atuação da organização e o modelo de gestão aplicado para transformar e potencializar a atuação de uma instituição tão tradicional do país.

 

Revista Filantropia: Como você começou a se envolver com a área social, até chegar à Liga?
Carola Matarazzo: Na verdade, eu cresci em uma casa onde a educação foi pautada no olhar para o outro. Meus pais sempre deram o exemplo de fazer trabalho voluntário. Somos de uma família muito católica, e o ajudar o próximo faz parte da minha educação. Então, eu digo que fui privilegiada porque nasci com esse DNA. Formei-me em Administração de Empresas e posso dizer que fui uma empreendedora. Em um período de entressafra de trabalhos, a dona Lucinha Vidigal, então presidente da Liga, convidou-me para fazer um pequeno trabalho de levantamento de custos de um projeto social. A Liga estava, na época, em condição financeira difícil e querendo ampliar, ter novos rumos. Isso já faz 14 anos. Eu passei um ano fazendo essa ação e, de lá para cá, nunca mais consegui sair, fiquei encantada com o trabalho da Liga, pelo quanto eles precisavam de ajuda.

RF: Quais são as principais linhas de atuação da Liga Solidária?
CM: A Liga é uma entidade de 91 anos que nasceu da vontade de um bispo e de um grupo de senhoras católicas, que viram a necessidade da cidade de acolher algumas crianças que estavam desamparadas e extremamente carentes. Assim nasceu a Liga e ela foi se adequando conforme a demanda da cidade e o tempo. Hoje somos uma instituição grande, com atuação em educação e cidadania, olhando para a violência também. Costumamos dizer que atuamos dos 0 aos 90 anos... temos centro de educação infantil, um olhar especial para a primeira infância, o escolar de 7 a 15 anos, qualificação de 16 a 30 anos, polo de prevenção à violência doméstica, terceira idade, alfabetização de adultos, assistência à família, que é uma política pública, e tantos outros.

RF: Falando sobre gestão, quantos funcionários vocês têm? Como é realizada a administração dessas pessoas?
CM: Hoje temos em média 1.220 funcionários, em regime CLT, e atendemos 10 mil pessoas. Metade desses funcionários faz parte das mantenedoras, e duas delas estão na área de saúde, que são casas de idosos e possuem uma legislação própria de enfermagem, ou seja, exigem turnos de 24 horas, 7x7, o que nos dá um volume de funcionários muito grande. A gente entende hoje que faz parte da missão da Liga também zelar por essas pessoas e, por isso, temos realizado um projeto de desenvolvimento organizacional em que o RH participa ativamente, desenvolvendo lideranças dentro da instituição, promovendo processos sucessórios e capacitação contínua dos funcionários.

RF: E a questão da profissionalização, como você analisa? Como foi o processo de modernização da atuação da Liga, que já existe há mais de 90 anos?
CM: Nós nos preocupamos muito com a profissionalização. Costumo dizer que estamos em um processo que não tem fim. Há 12 anos, tivemos uma grande crise na gestão da instituição, e a então presidente teve a lucidez de perceber que precisávamos de uma nova forma de gerir os recursos, uma vez que a demanda social é enorme, e os recursos, muito parcos. Com a ajuda da Price Waterhouse Coopers, que atuou durante um ano dentro da Liga, juntamente com o conselho e a diretoria voluntários, montamos um novo plano de gestão, separado por área, do que poderíamos fazer para profissionalizar a entidade e entrar no século 21 com uma gestão moderna. Essa “Bíblia” foi seguida por dez anos e, em 2014, acabamos de implementar as últimas ações, que incluíram desligar e contratar pessoas, capacitar, implantar tecnologias e, principalmente, conscientizar os funcionários que já estavam na organização sobre a necessidade dessas mudanças.

RF: Que mudanças você pode apontar na atuação da Liga no trabalho realizado hoje em relação há alguns anos?
CM: Temos uma consciência muito forte, hoje, de que somos executores de políticas públicas. Entendemos que praticamente 80% dos nossos programas têm convênio com prefeituras, têm verbas públicas. Então, fazemos questão de dizer isso, que buscamos sempre o melhor em termos dessas políticas públicas para que elas melhorem dentro de suas demandas.

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
17.033
Oportunidades Cadastradas
9.597
Modelos de Documentos
3.312
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
31 Mai
2020
I Prêmio Josemar Guilhermino de Literatura
Prazo
4 Set
2020
Ideias para o Futuro
Prazo
29 Mai
2020
Prêmio CAPES de Tese
Prazo
Matchfunding Enfrente o Corona
Prazo
1 Ago
2020
Todos os olhos na Amazônia
Prazo
1 Ago
2020
The IFREE Small Grants Program
Prazo
1 Jun
2020
Sophie Danforth Conservation Biology Fund
Prazo
18 Jun
2020
Global Health Security & Pandemics Challenge
Prazo
30 Jun
2020
Prêmio Internacional de Seguros Julio Castelo Matrán
Prazo
31 Dez
2020
Patrocínios e Doações - Instituto Usiminas

PARCEIROS VER TODOS