Histórias em transformação

Por: Instituto Filantropia
08 Janeiro 2014 - 19h35

Organizações sociais fazem a diferença nas vidas de pessoas que as buscam

Segundo dados da Pesquisa Fasfil 2010, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), em parceria com a Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais (Abong) e o Grupo de Institutos, Fundações e Empresas (Gife), em 2010, o Brasil contava com 290,7 mil fundações privadas e associações sem fins lucrativos.

Essas organizações não governamentais (ONGs) são formadas espontaneamente para a execução de determinado tipo de atividade, cujo caráter é de interesse público. Elas são responsáveis pelo desenvolvimento de ações em diferentes áreas, bem como pela mobilização da opinião pública e do apoio da população para melhorar diversos aspectos da sociedade.

As ONGs têm por objetivo principal cobrar do Estado o cumprimento de seu dever nas áreas às quais seus objetivos estatuários se afinam. Uma característica comum a estas organizações é o compromisso com grupos sociais marginalizados ou discriminados, por meio de ações que lhes garantam uma série de direitos.

Muito em função da credibilidade que conquistam na sociedade e do descrédito há tempos atribuído ao governo, as entidades sociais provam que é possível mudar a sociedade para melhor, muitas vezes dispondo de poucos recursos e de pouco tempo.

Ultrapassando obstáculos

Diariamente, milhares de pessoas em situação de vulnerabilidade social ou acometidas por deficiências recorrem a ONGs em todo o mundo, em busca de orientação para a solução de seus problemas. O atendimento prestado pelas entidades, em muitos casos, costuma ir além do simples auxílio, representando não apenas alívio e conforto em momentos de aflição, mas, mais que isso, por inúmeras vezes, significa o início de um grande processo de transformação na vida dessas pessoas.

Um bom exemplo é o do estudante de jornalismo Eduardo S. dos Santos George. Portador de artrogripose múltipla congênita, doença rara que se caracteriza por múltiplas contraturas articulares que atrofia os nervos do corpo e que o deixou tetraplégico. Ele teve os efeitos de sua deficiência minimizados pelo uso da tecnologia após seus pais recorrerem à Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD).

“Meus pais ficaram sabendo do meu problema pouco depois do meu nascimento, mas o diagnóstico da doença foi confirmado mesmo depois que começamos a frequentar a AACD”, ele explica. “A associação teve papel fundamental na minha vida, pois ajudou a me adaptar, auxiliou-me na realização de tarefas do dia a dia que, em outras situações, possivelmente, eu não conseguiria fazer sozinho, como comer sem depender de ninguém, por exemplo”.

Mas a ajuda da associação, conforme conta o jovem, não se limita apenas ao ganho de autonomia. Foi por intermédio da AACD que ele ingressou no mercado de trabalho. “Hoje, curso uma faculdade de jornalismo e trabalho nos Correios, na parte de assessoria de comunicação”, diz Eduardo, que desenvolve todos os seus trabalhos por meio do uso de computador.

Capacitação profissional

Millene Machion, de 40 anos, começou a trabalhar na Petrobras ainda jovem. Formada em Administração de Empresas, em Santos (SP), foi contratada para o cargo de recepcionista por intermédio da Associação para Valorização de Pessoas com Deficiência (Avape), tendo desempenhado a função por dois anos. Após muito trabalho e dedicação, venceu o tabu de que deficiência não é um fator limitante e foi promovida para o cargo de auxiliar administrativa na mesma empresa. Atualmente, ela é supervisora e lidera, há mais de quatro anos, uma equipe formada por 18 pessoas.

Millene faz parte dos 46 milhões de brasileiros que possuem algum tipo de deficiência, segundo números do Censo 2010 do IBGE, o que corresponde a 23,9% da população brasileira. No entanto, para ela, ter uma deficiência não é um impedimento para seguir adiante. Profissionalmente, um dos motivos que a levou a superar as barreiras do cotidiano foi a força de vontade e o desejo de querer crescer.

“O que mais impulsionou meu crescimento foi a determinação em querer aprender. Eu me dedicava e não colocava barreiras no meu caminho, pois a deficiência não atrapalha nada nem ninguém. Temos condições de concorrer com qualquer pessoa, pois a deficiência está na cabeça. Outro diferencial foi a capacitação profissional que recebi da Avape. Senti-me mais segura e preparada para liderar pessoas”, explica.

Há quase 20 anos, Siderlei Andrade sofreu um acidente automobilístico que lhe rendeu um período de internação e sequelas. Considerado deficiente físico, viu sua vida mudar.

Conheceu a Avape em 1996, por meio da indicação de um familiar que trabalhava em uma companhia telefônica que mantinha contrato com a associação. Desde então, há 17 anos, é funcionário da entidade, desempenhando a função de gerente de Serviços.

“Na época, comecei literalmente do zero. Estava em um processo de readaptação em minha vida. Entrei como telefonista, ganhando R$ 300, e depois fui promovido para o cargo de monitor de um grupo na companhia telefônica, onde obtive bom desempenho na função. A partir desse resultado, assumi a coordenação geral de contratos. Hoje, sou responsável pela gestão de todos os contratos que a Avape mantém com o setor público. Ao todo, são 50 contratos que envolvem cerca de 2 mil pessoas com deficiências”, conta Andrade.

O gerente nacional de Inclusão da Avape, Marcelo Vitoriano, explica que, há mais de 30 anos a associação atua no atendimento e na defesa de direitos, promovendo a reabilitação, a capacitação e a inclusão – na sociedade e no mercado de trabalho – de pessoas com todo tipo de deficiência, atendendo desde recém-nascidos a idosos, e também de pessoas em situação de vulnerabilidade social. “Desenvolvemos ainda programas comunitários, de saúde da família e de ação social, além de atividades culturais, esportivas e recreativas. Desde nossa fundação, sempre nos comprometemos com a qualidade e a excelência dos serviços prestados, mantendo intercâmbio com conceituadas instituições nacionais e internacionais, buscando tendências e inovações, além de reciclar e aperfeiçoar nossos profissionais”, afirma.

Ele comenta que os casos de Millene e Siderlei são emblemáticos, pois, com força de vontade e determinação, ambos alcançaram novas oportunidades profissionais. “Mas, felizmente, não são os únicos casos. Temos o orgulho de saber que muitos daqueles que passaram por nossas capacitações ou que contaram com nosso auxílio para uma colocação no mercado de trabalho estão se saindo muito bem”, comemora.

Agradecido, Siderlei diz que deve muito à associação. “Hoje em dia tenho minha casa, terminei minha faculdade, fiz minha pós-graduação, tenho um bom emprego. Em resumo, devo todo meu crescimento, pessoal e profissional, à Avape”.

Esporte como agente transformador

Dizer que a prática esportiva é importante para todas as pessoas não é nenhuma novidade, afinal, já está comprovado que praticar esportes com regularidade traz inúmeros benefícios à saúde física e mental, além de melhorar a qualidade de vida. No entanto, para as pessoas com deficiência, os benefícios vão além.

O esporte melhora a condição cardiovascular do praticante, aprimora a força, a agilidade, a coordenação motora, o equilíbrio e o repertório motor. No aspecto social, proporciona a oportunidade de sociabilização entre pessoas com e sem deficiências e o torna mais independente em seu dia a dia. Isso sem contar a percepção que a sociedade passa a ter das pessoas com deficiência, que começam a ver com mais clareza suas inúmeras potencialidades. Já no campo psicológico, o esporte melhora a autoconfiança e a autoestima, tornando as pessoas mais otimistas e seguras para alcançarem seus objetivos.

“O esporte é muito importante para o sentimento de que tudo é possível dentro das minhas limitações e adaptações para execução daquilo que desejo fazer ou praticar”, garante Ademir Cruz de Almeida, presidente da Associação Brasileira de Desportos para Deficientes Físicos (ABDF) e capitão da Seleção Brasileira de Futebol para Amputados.

Ele conta que já praticou natação, voleibol sentado, atletismo e, atualmente, dedica-se ao futebol para amputados, que ainda não é uma modalidade paralímpica, mas é uma prática na qual o Brasil se destaca e é tetra-campeão.

“Desejo que o futebol para amputados torne-se paralímpico um dia. Essa modalidade já me proporcionou vários momentos inesquecíveis e oportunidades de crescimento cultural, social, político etc. Tudo o que tenho hoje foi graças ao paradesporto”, orgulha-se.

Primeira brasileira a conquistar o título mundial de judô da categoria leve, em agosto de 2013, a carioca Rafaela Silva é fruto do Instituto Reação, ONG criada pelo judoca Flávio Canto, na Cidade de Deus, comunidade do Rio de Janeiro.

Ao lado de Flávio, o professor Geraldo Bernardes é um dos idealizadores do projeto e foi ele quem descobriu o talento de Rafaela. “De origem humilde, quando criança ela era muito indisciplinada; só queria soltar pipa, jogar bola e brigar na rua. Por isso, o pai a levou para treinar. Aos oito anos de idade ela começou a praticar e ao longo do tempo revelou-se um talento nato para o esporte, com agressividade e garra que poderiam ser usadas dentro do tatame. Se há algo de justo no esporte, é este título da Rafaela”, ressalta Geraldo Bernardes, primeiro professor de judô da jovem.

Em seu discurso após a conquista do título mundial, Rafael afirmou: “Estou aqui mostrando que não depende de cor, dinheiro, de nada. Depende da vontade e da garra que a pessoa tem para buscar a vitória”.

Por meio da capoeira, as crianças da AACD também encontraram uma forma de superar limites. A capoeira inclusiva, adaptação da luta criada pelos escravos africanos no Brasil, surge com uma vertente que auxilia a prática da fisioterapia, contribuindo para a reabilitação dos pacientes. A arte marcial proporciona ao paciente um equilíbrio maior sobre o corpo e também o enriquecimento muscular. Alinhado a tudo isso, o lado lúdico do esporte se faz presente com a música, promovendo a inclusão e a socialização das crianças.

Desde 2006, o professor de educação física e mestre de capoeira Severino Santos de Almeida Júnior, ministra, uma vez por semana, as aulas da entidade. Para agregar valores como disciplina, superação e motivação peculiares à rotina de vida de um atleta, Mestre Júnior, como é conhecido, trouxe para as aulas movimentos como mergulho, gingô, cocorinha, entre outros, que ajudam a desenvolver a coordenação motora da criança.

“Luan não tinha controle de tronco e por conta da insegurança, ele não ia para o chão. Participando das aulas, eu pude perceber o desenvolvimento dele bem melhor”, diz Alexandra Alves, mãe do garoto. Já a mãe do paciente Thiago, 14 anos, Jacira Muniz, diz que a capoeira trouxe equilíbrio, segurança, comunicação e a socialização com as demais crianças. “A gente que é mãe vê a evolução. A questão que ele faz de vir. Ele até mostra os movimentos que aprendeu. A capoeira faz a diferença”, comemora Jacira, que se dedica exclusivamente aos cuidados com o filho.

Marília Lima, 31 anos, mãe de José Ricardo, 7 anos, chegou a pensar em desistir de acompanhar os filhos na aula. O pequeno é portador da Síndrome de Lesch-Nyan, uma doença hereditária e metabólica rara que causa disfunção neurológica, cognitiva e alterações de comportamento. “Eu queria desistir, mas o mestre não deixou. Com a continuidade, ele melhorou bastante. Antes de entrar na capoeira, quase não tinha contato com outras pessoas. Agora, ele até pede para vir”, conta. Seu outro filho, Matheus Guilherme, de 2 anos, também é portador de Lesch-Nyan. Se depender da mãe, será o mais novo paciente a ser apresentado ao poder de reabilitação da capoeira inclusiva.

Dignidade e moradia

Amparada por valores como solidariedade, excelência e otimismo, a ONG Teto é uma organização presente na América Latina e Caribe que busca superar a situação de pobreza em que vivem milhões de pessoas nas comunidades precárias, por meio da ação conjunta de seus moradores e um grupo de voluntários. “Com a implementação de um modelo de intervenção focado no desenvolvimento comunitário, o Teto busca, através da construção de moradias de emergência, programas de Habilitação Social e trabalho em rede, construir uma sociedade justa e sem pobreza, onde todas as pessoas tenham a oportunidade de desenvolver suas capacidades e possam exercer plenamente seus direitos”, explica Pedro Oliveira, diretor de Comunicação da entidade.

Desde a sua fundação, contando com o auxílio de voluntários e parceiros, a organização já construiu mais de 85 mil moradias de emergência e mobilizou mais de 500 mil voluntários em todo o continente.

Uma das pessoas beneficiadas é Mara Feitosa de Almeida, 38 anos, moradora do Jardim Gramacho, em Duque de Caxias, no Rio de Janeiro. Vivendo em um ambiente precário, onde moscas e outros insetos circulam livremente, atraídos por sacos de lixo e pelos dejetos a céu aberto, sua situação despertou a atenção da entidade, fazendo com que ela fosse uma das contempladas pela ONG, em mutirão realizado em agosto deste ano.

“São locais com abastecimento precário. A gente trabalha no sol, na chuva. A maior parte não está acostumada com trabalho braçal, fica o dia todo na universidade ou no escritório. Quando acaba, todo mundo está doido por um banho, com dor no corpo, mas com a sensação de dever cumprido”, afirma a voluntária Luísa Buchaul.

Mara ganhou sua casa nova, com 18 metros quadrados, de painéis pré-moldados de pínus e telhado de zinco com isolamento térmico, há uma semana. É menor do que o barraco de três cômodos que ocupava, mas isso não importa. “Ficou muito bonitinho. Agora, aqui não vai pingar água quando chover, nem vai ficar úmido, porque é mais alto. A vida vai ficar melhor”, diz Mara.

“Mesmo quando tudo parece desabar, cabe a mim decidir entre rir ou chorar, ir ou ficar, desistir ou lutar; porque descobri, no caminho incerto da vida, que o mais importante é o decidir”.

Cora Coralina

“Nada é para sempre, nem mesmo os nossos problemas.”

Charlie Chaplin

“A grandeza do homem consiste na sua decisão de ser mais forte que a condição humana.”

Albert Camus

“O êxito da vida não se mede pelo caminho que você conquistou, mas sim pelas dificuldades que superou no caminho.”

Abraham Lincoln

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
10.899
Oportunidades Cadastradas
8.358
Modelos de Documentos
2.385
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
31 Dez
2018
Climate Solver 2018
Prazo
5 Mar
2019
1st UNWTO Gastronomy Tourism Start-up Competition -...
Prazo
27 Dez
2018
Credenciamento e apoio a entidades organizadoras de...
Prazo
8 Fev
2019
DRL Internet Freedom Annual Program Statement 2018
Prazo
8 Jan
2019
The Book Illustration Competition 2019
Prazo
8 Jan
2019
Portrait of Humanity Awards
Prazo
11 Jan
2019
Plastic Worlds – Eleven’s 12th International Design...
Prazo
31 Jan
2019
International Green Gown Awards
Prazo
15 Jan
2019
Bolsas de mestrado e doutorado da CNEN para 2019
Prazo
17 Dez
2018
Wellcome Photography Prize 2018
Prazo
11 Jan
2019
TDC65 - Communication Design Competition - Professional...
Prazo
11 Jan
2019
TDC65 - Typeface Design Competition - Professional
Prazo
11 Jan
2019
TDC65 - Typeface Design Competition - Student
Prazo
31 Jan
2019
Indigo Design Award de 2019
Prazo
11 Jan
2019
TDC65 - Communication Design Competition? - Student...
Prazo
Contínuo
Projetos - Globosat
Prazo
31 Jan
2019
II Concurso Novos Talentos da Literatura “José Endoença...
Prazo
31 Dez
2018
Chamada para Publicação - Revista Caxangá
Prazo
11 Jan
2019
Programa Nossas Crianças 2019
Prazo
4 Jan
2019
Fumetto International Comix Competition 2019
Prazo
31 Dez
2018
XXXIV Concurso de Poesia Brasil dos Reis
Prazo
31 Dez
2018
O mundo de Esopo - Fábulas e parábolas revisitadas
Prazo
30 Dez
2018
Eterno verão, uma antologia poética
Prazo
31 Dez
2018
Universidade Aberta do Brasil e Proeb.
Prazo
31 Dez
2018
Credenciamento de Entidades Aptas A Celebrar Acordo...
Prazo
31 Dez
2018
International Gender Equality Prize 2019
Prazo
31 Dez
2018
VI Prêmio Serviço Florestal Brasileiro em Estudos...
Prazo
29 Mar
2019
The Diana Award 2018
Prazo
Contínuo
Estabelecimento de Parcerias para Coedições de Livros...
Prazo
21 Fev
2019
Concurso de curtas audiovisuais – 2018 - “Comunidades...
Prazo
Contínuo
Leia para uma criança
Prazo
Contínuo
Programa de Desenvolvimento Científico Regional –...
Prazo
19 Fev
2019
Programa de Apoio à Realização de Eventos Científicos...
Prazo
1 Jan
2019
Prêmio Arte Original Tordos Azuis
Prazo
Contínuo
Política de Patrocínios da CEMIG
Prazo
31 Dez
2018
Credenciamento de Artistas
Prazo
30 Jun
2019
Chamada Pública Bilateral FINEP-CDTI para projetos...
Prazo
Contínuo
Revista Científica de Direitos Humanos - Submissão...
Prazo
21 Mar
2019
Seleção de Projetos Esportivos - Lei de Incentivo
Prazo
21 Set
2019
Crédito De Pesquisa Para Comitês Técnico-Científicos
Prazo
Contínuo
Chamada Pública ANCINE-FSA - Coinvestimentos Regionais
Prazo
Contínuo
Filiação ao Departamento de Informação Pública...

PARCEIROS VER TODOS