Greenwashing No Brasil: O Consumo Consciente

Por: Instituto Filantropia
10 Novembro 2014 - 23h24

Não é novidade que os consumidores estão cada vez mais preocupados com o meio ambiente. Há algum tempo tem sido possível perceber a crescente conscientização sobre o consumo ecologicamente positivo e o aumento da procura por produtos responsáveis. Como consequência, o universo corporativo responde a tais anseios adaptando sua oferta e comunicação para entregar produtos que habilitem o consumidor a fazer escolhas de menor impacto ambiental. No entanto, o alcance dessa adaptação das empresas nem sempre chega aos processos de extração de matéria-prima, produção e distribuição. Muitas vezes, as declarações e os rótulos ambientais das embalagens dos produtos apresentam informações duvidosas e de difícil comprovação, confundindo o consumidor e transformando os apelos verdes em puro greenwashing.
Prateleiras das mais diversas lojas e supermercados tornaram-se palco para declarações positivas sobre a preocupação ambiental, manifestações que crescem em número e diversificação e que atingem uma gama cada vez maior de produtos. Porém, o crescimento no volume desse tipo de comunicação incita dúvidas sobre a veracidade e a consistência de todos esses apelos. Estará o universo corporativo mitigando seus impactos ambientais na mesma proporção em que comunica tal atuação? A miríade de produtos ecológicos, sustentáveis e amigos do meio ambiente nos deixa, então, mais próximos do tão esperado “consumo sustentável”?
Organizações reguladoras e de defesa do consumidor já deram início ao escrutínio das práticas de rotulagem ambiental. Instituições como a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), o Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (CONAR), o Instituto de Defesa do Consumidor (IDEC) e a PROTESTE já se manifestaram por meio de denúncias, normas e regulamentos para ajudar a proteger o consumidor do oportunismo de algumas empresas que adicionam de forma duvidosa apelos ambientais em produtos ou serviços. Mesmo assim, no local onde boa parte das decisões de compra acontece, o varejo, o consumidor ainda tem poucos aliados no policiamento da maquiagem verde.
Inspirada na pesquisa original “Os Pecados do Greenwashing”, feita pela consultoria canadense Terrachoice, o instituto de pesquisa Market Analysis apresenta os resultados da versão brasileira do estudo, realizado pela segunda vez este ano. Entre os meses de fevereiro e maio de 2014 os corredores de cosméticos, higiene pessoal e produtos de limpeza de cinco lojas pertencentes a redes varejistas nacionais foram visitados, e todos os produtos que possuíam quaisquer apelos ambientais foram catalogados. Os dados comparativos entre a primeira (2010) e a segunda onda (2014) possibilitam o mapeamento das estratégias de maquiagem verde recorrentes no varejo brasileiro.

numero de produtos com apelos ambientais identific

 

OS RÓTULOS VERDES

A pesquisa, ainda em fase de análise para algumas categorias, traz um panorama concreto sobre a rotulagem ambiental nos setores de cosméticos, higiene pessoal e produtos de limpeza. Entre 2010 e 2014, o número de produtos verdes nas mesmas prateleiras é quatro vezes maior: a quantidade de produtos com apelos ambientais subiu 343%. Cosméticos e produtos de higiene pessoal foram os que mais receberam rótulos ambientais nesse período, totalizando o aumento de 463%; produtos de limpeza cresceram 208%.
Esses números indicam um mercado muito mais prolixo no que se refere à comunicação de estratégias de sustentabilidade das empresas. Há muito mais produtos verdes à disposição do consumidor. Inicialmente, o espectro é bastante positivo: com o aumento de promessas ecologicamente responsáveis, assume-se, naturalmente, uma melhoria nos sistemas de produção e fornecimento de produtos com menor impacto ambiental. No entanto, a pesquisa mostra um distanciamento bastante acentuado entre as declarações e o cenário real no mercado. Dentre todos os produtos consultados nas categorias de produtos de limpeza e cosméticos e higiene pessoal, 77% estão cometendo greenwashing. Ou seja, mais de 800 produtos disponíveis no mercado apresentam algum tipo de maquiagem ambiental.

percentual de produtos cometendo algum dos pecados

percentual de produtos por pecado cometido   total

 

REDUÇÃO? NEM TANTO

Entre 2010 e 2014 é possível observar uma ligeira redução no percentual de greenwashing nos segmentos estudados. A proporção de cosméticos e produtos de higiene pessoal cometendo greenwashing em 2014 apresenta uma queda de 8 pontos percentuais. Esse resultado poderia ser visto, com grande contentamento, como um sinalizador de mudanças positivas no cenário da rotulagem ambiental. Porém, a redução da proporção de greenwashing não ofusca o aumento massivo na quantidade de produtos verdes encontrados nas prateleiras. No contexto geral, ainda há muita maquiagem ambiental atrapalhando uma escolha consciente na prateleira.
Afinal, como acontece mesmo o greenwashing? Quais são as estratégias de maquiagem verde mais praticadas? A pesquisa da consultoria canadense identifica sete pecados, que são os mesmos reproduzidos na versão da Market Analysis.

OS SETE PECADOS

Falta de prova: declaração de que o produto é ambientalmente preferível sem indicações acessíveis para comprovar tal afirmação. Exemplo: afirmação de que o produto é biodegradável ou “não testado em animais” em embalagens que não informam website ou número de Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) válido para confirmação da informação.
Incerteza: declaração vaga ou abrangente (incluindo gráficos e símbolos) que não possibilita a compreensão objetiva do benefício ambiental declarado. Exemplo: afirmações de que o produto é “amigo do meio ambiente”, “eco”, “sustentável”, “protege a natureza” etc., sem explicações específicas sobre como isso é feito.
Custo ambiental camuflado: apelo a uma característica ambientalmente preferível pontual em um produto ou serviço sem relevar outros critérios de alto impacto na cadeia de produção. Exemplo: produtos de limpeza “verdes” por características específicas (menos embalagem, produto concentrado, embalagem reciclável etc.) que não esclarecem questões como consumo de água e energia na fabricação e no uso do produto.
Culto a falsos rótulos: uso de gráficos e expressões emulando selos ou certificações que, na verdade, não existem. Exemplo: desenho de um planeta Terra entre duas mãos dentro de um retângulo com a frase “cuidando do meio ambiente”, encontrado em diversos desodorantes.
Irrelevância: destaque de características ambientalmente corretas do produto que são, na verdade, obrigações dos fabricantes. Exemplo: a expressão “Não contém CFC [clorofluorcarbono]”, encontrada em embalagens aerossol. O CFC foi banido das embalagens por legislação há décadas.
“Menos ruim”: apelos ambientais presentes em produtos ou serviços cujo consumo, por si só, causa prejuízo maior ao indivíduo e ao meio ambiente. Exemplo: cigarros orgânicos, etanol — o combustível verde, inseticidas e pesticidas “ecológicos”.
Mentira: menções a certificações ou endosso de terceira parte que são falsas ou cujo registro em órgão certificador está vencido. Exemplo: produto com selo Forest Stewardship Council® (FSC) cujo registro não constava no site da organização.

EVOLUÇÃO DAS PRÁTICAS DE GREENWASHING

Considerando o amadurecimento do mercado e do consumidor perante o consumo consciente desde a primeira coleta dos dados, em 2010, estariam as empresas adequando suas estratégias de comunicação verde e acompanhando esses fenômenos? A comparativa dentro desse período revela um aumento substancial do pecado da incerteza. Ou seja, há muito mais declarações comunicando alguma ação responsável sem que esta possa ser comprovada, ou que esteja desacompanhada de explicações claras.
O culto aos falsos rótulos passa a ser o segundo pecado mais praticado, mas essa mudança é fruto, na verdade, da queda expressiva da proporção de produtos cometendo os pecados da falta de prova e do custo ambiental camuflado. Aqui é válido questionar: as empresas estão efetivamente reduzindo a quantidade de declarações ambientais oportunistas? Ou estão sofisticando as práticas de greenwashing e adaptando a comunicação para um mercado mais informado?
Seja na sofisticação das práticas de greenwashing ou na efetiva adoção de práticas sustentáveis, empresas estão definitivamente dando mais atenção aos assuntos “verdes”. Exemplo do amadurecimento e da busca por novas práticas sustentáveis é a parceria que marcas estão desenvolvendo com a Terra Cycle, organização focada na coleta de lixo e fabricação de produtos verdes a partir de vários tipos de materiais de difícil reciclabilidade. Empresas estão se unindo à Terra Cycle a fim de ativar a logística reversa e se responsabilizar pela reciclagem de seus próprios produtos. Tais ações sugerem uma valorização da agenda verde no contexto corporativo e indicam sinais positivos para o futuro.

O FUTURO

E por falar em futuro, quais são as consequências que as práticas de greenwashing trazem em longo prazo?
A sustentabilidade, como atributo de venda, parece ter virado commodity. Do ponto de vista do consumidor, as práticas ambientalmente responsáveis cada vez mais fazem parte dos critérios básicos de julgamento e escolha de marcas, dividindo o peso com atributos clássicos como preço, qualidade, disponibilidade etc. No entanto, a cadeia produtiva ainda enfrenta desafios importantes de diminuição de impacto e implementação de práticas sustentáveis. Essa brecha entre a percepção do consumidor sobre a abundância dos produtos verdes e a quantidade real de opções ambientalmente preferíveis que as empresas conseguem oferecer se alimenta justamente das práticas desonestas de rotulagem ambiental. No anseio por resultados financeiros imediatos, empresas parecem não perceber que os falsos rótulos impactam diretamente a percepção de credibilidade por parte do consumidor. Nessa história, além do consumidor, saem perdendo aquelas empresas que implementam ações genuínas e pagam o preço — mais caro — da responsabilidade ambiental.
O estudo sobre o greenwashing no Brasil serve como um alerta e tem como objetivo alimentar debates para a evolução positiva e verdadeira na relação entre empresas, consumidores e meio ambiente. Fica evidente a necessidade de compreensão a respeito da rotulagem ambiental por todas as partes. A fim de aproximar a realidade do que se espera de uma sociedade sustentável, a conscientização e a educação sobre os produtos e serviços verdes ainda têm um longo caminho a ser percorrido.

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
11.149
Oportunidades Cadastradas
8.465
Modelos de Documentos
2.439
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
20 Fev
2019
II Festival Internacional de Teatro Sapucaia - FITS...
Prazo
19 Fev
2019
Prêmio Diogo de Vasconcelos 2018-2019
Prazo
30 Dez
2019
Wildlife Acoustics Scientific Product Grant
Prazo
22 Jul
2019
Fruit Attraction 2019
Prazo
26 Ago
2019
Israfood 2019
Prazo
4 Jun
2019
WorldFood Istanbul 2019
Prazo
28 Mar
2019
THAIFEX - World Food Asia 2019
Prazo
28 Fev
2019
ECHANGEUR22 - Residência Arte Contemporânea
Prazo
13 Mai
2019
Fund for Investigative Journalism’s
Prazo
15 Mar
2019
Apoio a Projetos – Brumadinho e Região
Prazo
22 Fev
2019
Next Step - Programa de Estágio do Google
Prazo
28 Fev
2019
FAPESP-CONFAP-JPI Oceans 2018
Prazo
28 Fev
2019
Prêmio ABC 2019
Prazo
1 Mar
2019
FAPESP - Pesquisa para o SUS - gestão compartilhada...
Prazo
13 Mar
2019
Women as agents of change in the Americas
Prazo
31 Mar
2019
World of Difference Awards 2019
Prazo
12 Abr
2019
FAPESP - University of Birmingham e University of Nottingham...
Prazo
12 Abr
2019
Escola de verão sobre economias latino-americanas
Prazo
30 Abr
2019
Prize on Education for Sustainable Development - ESD...
Prazo
31 Mai
2019
UN Young Champion of the Earth
Prazo
31 Dez
2019
Project Grants
Prazo
24 Fev
2019
4ºEdição do Prêmio Literário UCCLA - Novos Talentos,...
Prazo
28 Fev
2019
Prêmio de Inovação para Alimentação e Agricultura...
Prazo
10 Mar
2019
Scholarships 2019
Prazo
28 Fev
2019
5ª Mostra Pajeú de Cinema
Prazo
10 Mar
2019
The Next Generation 2019
Prazo
29 Abr
2019
Chamada de Propostas SPRINT - Edição 1-2019
Prazo
31 Mai
2019
Prêmio Mercosul - 2018
Prazo
Contínuo
Chamada Pública BRDE/FSA – Coprodução InternacionaL...
Prazo
28 Fev
2019
Seleção de projetos de Patrimônio Cultural – Segurança...
Prazo
17 Mar
2019
Semana Nacional de Museus
Prazo
31 Mai
2019
Selo Agro + Integridade 2019-2020
Prazo
18 Fev
2019
Call for Proposals Brazil 2019
Prazo
7 Mar
2019
Curso de Desarrollo de Proyectos Cinematográficos...
Prazo
Contínuo
Bolsa de Pesquisa no Exterior - BPE
Prazo
Contínuo
Patrocínio Net Claro Embratel
Prazo
4 Mar
2019
Empreendedorismo Social 2019
Prazo
Contínuo
Seleção de Projetos de Incentivo à Cultura - Lei...
Prazo
Contínuo
Seleção de Projetos de Incentivo ao Esporte - Lei...
Prazo
Contínuo
Bolsa de Pós-Doutorado
Prazo
18 Fev
2019
Liderando desde el Sur
Prazo
22 Fev
2019
Apoio à produção de inventários de Avaliação...
Prazo
28 Fev
2019
Jamnalal Bajaj International Award
Prazo
2 Mar
2019
Edital – Onde foi que eu errei?
Prazo
2 Mar
2019
Edital – Quebrando o silêncio
Prazo
8 Mar
2019
Photography Competition - 2019
Prazo
13 Mar
2019
CNPq - Gerência Regional de Brasília - FIOCRUZ
Prazo
30 Abr
2019
Premio Por La Paz
Prazo
3 Mai
2019
Design Competition - 2019
Prazo
3 Mai
2019
Advertising Competition - 2019
Prazo
6 Mai
2019
Programa de Paisagens Produtivas Ecossociais
Prazo
1 Out
2019
LGBTI Projects Funding
Prazo
1 Mar
2019
30º Concurso Literário Internacional de Poesias,...
Prazo
1 Mar
2019
Internet Freedom Fund
Prazo
30 Jun
2019
Maypole Fund - Women to Proactively Challenge Patriarchy
Prazo
9 Out
2019
Making the Case for Nature
Prazo
9 Out
2019
Recovery of Species on the Brink of Extinction
Prazo
9 Out
2019
Conservation Technologies
Prazo
9 Out
2019
Participatory Science
Prazo
9 Out
2019
Reducing Marine Plastic Pollution
Prazo
9 Out
2019
Documenting Human Migrations
Prazo
Contínuo
Chamamento de Projetos Jornalísticos Sobre Florestas...
Prazo
Contínuo
FAPESP - Bolsa de Iniciação Científica
Prazo
Contínuo
FAPESP - Jovens Pesquisadores em Centros Emergentes
Prazo
Contínuo
FAPESP - Políticas Públicas
Prazo
Contínuo
Bolsas do Programa de Capacitação Técnica
Prazo
Contínuo
FAPESP - Bolsa de Doutorado
Prazo
Contínuo
RESOLUÇÃO Nº 191, de 21 de Dezembro de 2018
Prazo
19 Fev
2019
Edital: Combatendo o Trabalho Infantil na Indústria...
Prazo
28 Fev
2019
Edital: 70 Anos da Declaração Universal dos Direitos...
Prazo
16 Abr
2019
International Master’s Fellowships
Prazo
21 Fev
2019
4° Edital Instituto CCR de Projetos Culturais
Prazo
28 Fev
2019
Boas Práticas, Histórias de Sucesso e Lições Aprendidas...
Prazo
15 Mar
2019
Edital IberEntrelaçando Experiências
Prazo
5 Mar
2019
1st UNWTO Gastronomy Tourism Start-up Competition -...
Prazo
Contínuo
Projetos - Globosat
Prazo
29 Mar
2019
The Diana Award 2018
Prazo
21 Fev
2019
Concurso de curtas audiovisuais – 2018 - “Comunidades...
Prazo
Contínuo
Estabelecimento de Parcerias para Coedições de Livros...
Prazo
Contínuo
Leia para uma criança
Prazo
19 Fev
2019
Programa de Apoio à Realização de Eventos Científicos...
Prazo
Contínuo
Programa de Desenvolvimento Científico Regional –...
Prazo
Contínuo
Política de Patrocínios da CEMIG
Prazo
30 Jun
2019
Chamada Pública Bilateral FINEP-CDTI para projetos...
Prazo
21 Mar
2019
Seleção de Projetos Esportivos - Lei de Incentivo
Prazo
Contínuo
Revista Científica de Direitos Humanos - Submissão...
Prazo
21 Set
2019
Crédito De Pesquisa Para Comitês Técnico-Científicos
Prazo
Contínuo
Chamada Pública ANCINE-FSA - Coinvestimentos Regionais
Prazo
Contínuo
Filiação ao Departamento de Informação Pública...

PARCEIROS VER TODOS