Gestão contábil-financeira deve ser profissional

Por: Revista Filantropia
01 Junho 2006 - 00h00

A contabilidade está para a boa saúde financeira de uma empresa, entidade ou
órgão do poder público, assim como o gás está para as tarefas diárias de uma dona de casa ou da cozinha de um restaurante. É uma equação simples: números são analisados e se transformam em informações preciosas, fundamentais para a tomada de decisões.
Mas não é o que acontece em uma boa parcela das ONGs e Oscips brasileiras. Falta profissionalismo na gestão contábil-financeira, gerando prejuízos e perda de oportunidades.Esta situação se acaba se refletindo quandoas entidades enviam ao Ministério da Justiça pedidos de qualificação como Oscip. A falta de um documento é suficiente para atrasar todo o processo.
As principais causas de indeferimento são: ausência de Balanço Patrimonial ou Demonstração do Resultado do Exercício, de DIPJ (ou Termo de Compromisso) e da participação de servidor público na diretoria da entidade.Há casos, também, de prestação onerosa de serviços de educação ou saúde e de ausência de cláusulas estatutárias obrigatórias, que inviabilizam a qualificação como Oscip.
Erros desse tipo podem ser evitados com a correta assessoria contábil. “Além dos aspectos de controle e evidenciação das atividades, a contabilidade é capaz de mostrar que a entidade realiza boas práticas de gestão”, avalia o contabilista Marcelo Monello,sócio-diretor do Escritório Contábil Dom Bosco e conselheiro do Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo (CRC SP). “A contabilidade é a vida da entidade, e é preciso que haja mais investimento neste setor”, completa.
O presidente do Sindicato dos Contabilistas de São Paulo (Sindcont-SP), Sebastião Luiz Gonçalves dos Santos, reforça a opinião de Monello, argumentando que a área contábil deve receber especial atenção por parte dos administradores de uma instituição. “Profissionalizá-la é uma necessidade, pois não há como uma entidade existir e se desenvolver com as contas desorganizadas, sem um planejamento
que contemple todos os aspectos – positivos e negativos – da pessoa jurídica
em questão. Não há, em hipótese alguma, chance de se projetar um futuro seguro para uma entidade que relegue a contabilidade a um plano secundário”, explica.

Prestação de contas
As Oscips, cuja legislação permite a remuneração de seus dirigentes, devem fazer,
anualmente, sua prestação de contas, levando em consideração a totalidade das operações patrimoniais e os resultados da entidade. São exigidos: o relatório anual de execução de atividades; a demonstração de resultados do exercício; o balanço patrimonial; a demonstração das origens e aplicações de recursos; a demonstração das mutações do patrimônio social; as notas explicativas das demonstrações
contábeis, caso necessário; o parecer e relatório de auditoria independente, somente para os casos em que os recursos recebidos, por meio de Termos de Parceria, for maior ou igual a R$ 600 mil.

Captação de recursos
Manter uma entidade funcionando dentro das exigências legais e ainda ter de “correr atrás” dos recursos financeiros não são tarefas fáceis. Este é o caso do Núcleo de Educação Sócio-Ambiental “Prof. Leandro Eduardo de Souza” (Nesa), entidade
criada em 2003, em Ribeirão Preto (SP), pelo químico Altamiro Xavier de Souza. Com grandes idéias, carece da experiência necessária para transformá-las em realidade.
Um dos projetos do Nesa é o Curso Popular para Concurso (Cuco), que tem o
objetivo de preparar pessoas desempregadas para prestar concursos em áreas que exigem baixa escolaridade, como a de porteiro, faxineiro, ascensorista, entre outros. “O principal problema é a inexperiência mesmo. Os recursos existem e podem ser captados, mas falta um corpo técnico que trabalhe exclusivamente para isso. Os projetos precisam estar em modelos próprios e exigem contrapartida que não
podemos oferecer. Ainda estamos aprendendo como funciona o Terceiro Setor”, conta.

Tudo o que você precisa saber sobre Terceiro setor a UM CLIQUE de distância!

Imagine como seria maravilhoso acessar uma infinidade de informações e capacitações - SUPER ATUALIZADAS - com TUDO - eu disse TUDO! - o que você precisa saber para melhorar a gestão da sua ONG?

Imaginou? Então... esse cenário já é realidade na Rede Filantropia. Aqui você encontra materiais sobre:

Contabilidade

(certificações, prestação de contas, atendimento às normas contábeis, dentre outros)

Legislação

(remuneração de dirigentes, imunidade tributária, revisão estatutária, dentre outros)

Captação de Recursos

(principais fontes, ferramentas possíveis, geração de renda própria, dentre outros)

Voluntariado

(Gestão de voluntários, programas de voluntariado empresarial, dentre outros)

Tecnologia

(Softwares de gestão, CRM, armazenamento em nuvem, captação de recursos via internet, redes sociais, dentre outros)

RH

(Legislação trabalhista, formas de contratação em ONGs etc.)

E muito mais! Pois é... a Rede Filantropia tem tudo isso pra você, no plano de adesão PRATA!

E COMO FUNCIONA?

Isso tudo fica disponível pra você nos seguintes formatos:

  • Mais de 100 horas de videoaulas exclusivas gratuitas (faça seu login e acesse quando quiser)
  • Todo o conteúdo da Revista Filantropia enviado no formato digital, e com acesso completo no site da Rede Filantropia
  • Conteúdo on-line sem limites de acesso no www.filantropia.ong
  • Acesso a ambiente exclusivo para download de e-books e outros materiais
  • Participação mensal e gratuita nos eventos Filantropia Responde, sessões virtuais de perguntas e respostas sobre temas de gestão
  • Listagem de editais atualizada diariamente
  • Descontos especiais no FIFE (Fórum Interamericano de Filantropia Estratégica) e em eventos parceiros (Festival ABCR e Congresso Brasileiro do Terceiro Setor)

Saiba mais e faça parte da principal rede do Terceiro Setor do Brasil:

Acesse: filantropia.ong/beneficios

BAIXE GRATUITAMENTE
E-book Como começar uma⠀ONG

BAIXE GRATUITAMENTE

BAIXE GRATUITAMENTE
E-book 18 PASSOS essenciais para ajudar sua ONG

BAIXE GRATUITAMENTE

PARCEIROS VER TODOS