Famílias monoparentais

Por: Jaqueline Michele de Jesus, Paulo Roberto de Souza Batista, Renata Reis Grillo
28 Julho 2018 - 00h00

Sua relação com as organizações da sociedade civil que executam o serviço de convivência e fortalecimento de vínculo

 3754-chamada

Neste artigo, abordaremos a questão das famílias monoparentais e suas complexidades em relação à comunicação com as Organizações da Sociedade Civil (OSC) que executam Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV), e a importância da execução de uma comunicação clara e objetiva para que se resolvam conflitos que norteiam essa formação familiar.

A transformação social no decorrer do tempo tem sido significativa para o aparecimento desse modelo familiar devido ao empoderamento feminino. As mulheres têm se visto cada vez mais independentes e estão assumindo novos papéis no contexto familiar, assim, obtém saída para o mercado de trabalho. Nesse cenário, ressalta-se a importância do SCFV e a comunicação que é feita para com esse modelo.

Famílias e famílias monoparentais

Hoje em dia, a família é compreendida como um grupo de pessoas que compartilham histórias, circunstâncias, culturas, afetos e também conflitos.
A família monoparental tem crescido na sociedade e seu conceito está vinculado à palavra família em si. Nos termos jurídicos, existem três significações para o vocábulo família, sendo eles, a amplíssima, que compreende todas as pessoas ligadas pelo vínculo da consanguinidade ou da afinidade; a lata, que julga família como sendo os cônjuges e sua prole, assim como os parentes; e, por fim, no sentido restrito, que não compreende família somente as pessoas unidas pelo vínculo do matrimônio e filiação, considerando também família, a monoparental.

Entretanto, a família monoparental é reconhecida pelo Direito Constitucional, mas não existe no Direito Social e tampouco no Direito Civil. Assim, enquanto o Direito Civil não institui a família monoparental como sujeito de direito, o Poder Público não se vê compelido a auxiliá-la.

A monoparentalidade tem origens diversas. A mais comum é o divórcio; segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), em 2011 foram registrados mais de 351 mil divórcios. O caso de inseminação artificial também é uma das causas, assim como a adoção, amparada pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA, sob lei nº 8.069/1990), independentemente do estado civil.

Outra situação agravante é a de mães solteiras. Existem quatro tipos de mães solteiras, e três delas são consideradas monoparentais:
Neste viés, leva-se em consideração a quantidade de famílias monoparentais e a figura feminina. Em 2008, o IBGE divulgou que no ano anterior esse perfil representava 17,4% no território nacional.

Existem alguns serviços que podem auxiliar tais famílias, como o SCFV, o serviço da Proteção Social Básica do SUAS, ofertado de forma complementar ao trabalho social com famílias. O SCFV atende a partir de faixas etárias ou intergeracionais (crianças até 6 anos, crianças e adolescentes de 6 a 15 anos, adolescentes de 15 a 17 anos, jovens de 18 a 29 anos, adultos de 15 a 59 anos e pessoas idosas).

Esse serviço tem como objetivo fortalecer as relações familiares e comunitárias, valorizando o sentido de vida coletiva. O SCFV possui caráter preventivo, pautado na defesa e na afirmação de direitos e no desenvolvimento de capacidades dos usuários.

Relação entre a comunicação e as organizações da sociedade civil

Neste cenário, cabe a tais instituições ter uma comunicação livre com esses indivíduos. Em uma primeira instância, é preciso coletar o maior número de informações possíveis a respeito da família a ser atendida, de modo a estabelecer um vínculo comunicativo. Se possível, saber como tal família chegou ao modelo monoparental, a quantidade de pessoas afetadas por esse evento, se é uma mulher a chefe da família, se existe alguma fonte de renda etc.

Uma vez que o profissional consegue algumas informações, forma algumas opiniões e faz algumas mobilizações, ele já é capaz de oferecer o auxílio necessário. Logo, cabe ao serviço tomar algumas precauções escolhendo bem o que e para quem falar, obtendo, assim, informações construtivas para auxiliar no que for possível.

Conclusão

Ocorreram mudanças significativas referentes a temas centrais no que diz respeito às configurações familiares, como a questão econômica e a maior inserção da mulher no mercado de trabalho, o combate ao patriarcado e ao machismo, além das novas configurações de gênero e gerações. Apesar de ainda incipientes e tímidas, as políticas públicas e os movimentos sociais alavancam o reconhecimento e criaram novas perspectivas relativas à elaboração e efetivação de direitos das famílias monoparentais.

Os programas e serviços criados trazem orientações, norteiam as possibilidades de atendimento, inclusão e entendimento da questão, mas exigem amplo movimento da sociedade civil e seus canais de comunicação.

Acima de tudo, faz-se necessário desenvolver mecanismos na sociedade e nas instituições de atendimento às famílias, principalmente famílias vulneráveis e que estejam dentro dessas novas configurações.

Nesse sentido, o atendimento humanizado constitui poderosa arma para a compreensão e aproximação das pessoas com o “diferente”. A comunicação, a informação e o debate de temas transversais por meio de palestras, reuniões, informativos, leituras, cursos e políticas públicas voltadas às novas configurações familiares se fazem urgentes. Hierarquias familiares, dogmas religiosos, preconceitos sociais e raciais, e mesmo mudanças na comunicação com o advento das novas tecnologias, novas configurações no mundo do trabalho, sexualidade e gênero, apresentam a busca por sentidos e novas maneiras de estar e compreender a existência humana. A comunicação entre sociedade civil e instituições fomentando o debate e a aceitação de temas que já estão postos, existem e tem grande relevância.

  • Maternidade imposta: mães solteiras que não decidiram ter nem conservar o filho, mas que não estão autorizadas pela lei a interromper a gestação;
  • Maternidade involuntária: mesmo a gravidez não ocorrendo por opção, decide ter e educar sozinha; e
  • Maternidade voluntária: quando a mãe decide ter e assumir o filho sozinha.
EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
19.064
Oportunidades Cadastradas
9.597
Modelos de Documentos
3.404
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
30 Jun
2020
Linha emergencial de crédito Conexsus
Prazo
Patrocínio BS2
Prazo
31 Jul
2020
GlobalGiving Accelerator - Virtual Training Program...
Prazo
30 Nov
2020
Stop Slavery Award 2021
Prazo
31 Jul
2020
AEB - Chamamento Público para lançamentos a partir...
Prazo
4 Set
2020
Ideias para o Futuro
Prazo
Matchfunding Enfrente o Corona
Prazo
1 Ago
2020
Todos os olhos na Amazônia
Prazo
1 Ago
2020
The IFREE Small Grants Program
Prazo
31 Dez
2020
Patrocínios e Doações - Instituto Usiminas

PARCEIROS VER TODOS