Família Acolhedora

Por: Ana Carolina
15 Setembro 2016 - 04h27

Serviço de Acolhimento em Família Acolhedora visa à desinstitucionalização de crianças e adolescentes vítimas de abusos

De acordo com o Dicionário da Língua Portuguesa Larousse (2014), acolhimento é derivado do verbo acolher, que significa "receber alguém, agasalhar, hospedar, aceitar, abrigar-se, refugiar-se". Com isso, entende-se que o acolhimento é o período em que alguém está sob o cuidado de outrem dividindo o mesmo espaço, e por meio das relações diárias desses indivíduos, criam-se os vínculos.

O Serviço de Acolhimento em Família Acolhedora é um direito garantido pela Constituição Federal de 1988, no Artigo 227:

É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão.

Mesmo sendo um direito afiançado pela Constituição de 1988, o Acolhimento Familiar só ganhou ênfase com a aprovação da Lei n.º 12.010/2009, que veio para ampliar o conceito de família, reconhecendo e legitimando as relações de vínculo. Hoje, o Acolhimento em Família Acolhedora ainda é um serviço pouco conhecido e gera confusão com o apadrinhamento afetivo (neste, a criança ou o adolescente pode sair do abrigo com um responsável por alguns dias como fins de semana, férias escolares etc. , retornando depois para o local) e a adoção (em que a família adotante tem a guarda definitiva da criança ou do adolescente).

É necessário esclarecer que o Serviço de Acolhimento em Família Acolhedora tem como objetivo a desinstitucionalização de crianças e adolescentes vítimas de abusos, violências, maus-tratos, entre outras formas de negligências, crueldades e explorações, garantindo assim a convivência familiar e comunitária, pois se entende que o Acolhimento Familiar é um meio de proteção especial para crianças e adolescentes com seus direitos violados e segue como um acolhimento com tempo reduzido. Enquanto a criança tem seu direito à convivência familiar e comunitária assegurado, a equipe interdisciplinar realiza um trabalho com a família de origem para que essa criança possa voltar para sua família e, na impossibilidade disso, ser encaminhada para a família substituta (ação conhecida como adoção).

Desse modo, a criança ou o adolescente entra no serviço de Acolhimento em Família Acolhedora apenas por ordem judicial. Ao adentrar nele, é colocado provisoriamente em famílias acolhedoras que já foram cadastradas e capacitadas para recebê-lo e, a fim de que suas necessidades básicas possam ser supridas, fornece-se subsídio financeiro para a família por um período determinado (esse valor segue o estabelecido por cada município e geralmente acompanha um salário-mínimo). É importante deixar claro que a família acolhedora recebe o termo de guarda da criança ou do adolescente, o que a torna totalmente responsável por ele, porém esse termo é provisório e só tem validade enquanto as famílias estiverem vinculadas ao serviço e forem responsáveis por aquela criança ou adolescente.

O Serviço de Acolhimento em Família Acolhedora é reconhecido, legitimado e, embora ainda não esteja na prática de todos os estados e municípios do Brasil, também é executado no exterior, sobretudo nos países europeus. Segundo pesquisas, ele tem alcançado índices satisfatórios no que diz respeito à proteção.

No Brasil, o Serviço de Acolhimento em Família Acolhedora está sob respaldo do arcabouço legal conforme a Constituição Federal de 1988, o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), as Orientações Técnicas: Serviços de Acolhimento para Crianças e Adolescentes, a Lei Orgânica da Assistência Social (Loas), o Plano Nacional de Convivência Familiar e Comunitária (PNCFC), a Política Nacional de Assistência Social (PNAS) e o Sistema Único de Assistência Social (Suas).

Mesmo que por pequeno prazo, as famílias acolhedoras devem garantir a essas crianças e adolescentes proteção integral, visto que esse serviço segue as conformidades do ECA, que apontam para a provisoriedade e excepcionalidade da medida de proteção.

O Serviço de Acolhimento em Família Acolhedora tem como características: mobilização da comunidade ou divulgação, cadastramento, capacitação, acompanhamento e supervisão. Por isso, a importância de se ter uma articulação com a rede de serviços socioassistenciais e um trabalho interdisciplinar no processo de acolhimento dessas crianças e adolescentes, de preferência composto por assistentes sociais e psicólogos, formando assim a equipe psicossocial, a qual vai dar ênfase a uma ação profissional com foco na efetivação e garantia da cidadania.

Referências
BRASIL. Constituição Federal de 1988. Artigo 227. Brasília, 1988. Disponível em: <http://www.jusbrasil.com.br/topicos/10644726/artigo-227-da-constituicaofederal-de-1988>. Acesso em: 15 jun. 2016.

 

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
15.094
Oportunidades Cadastradas
9.565
Modelos de Documentos
3.051
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
22 Dez
2019
UNDEF - 2019 Call to Civil Society to Apply for Funding...
Prazo
20 Dez
2019
Concurso Anual para Jovens - Mulheres Rurais: inovando...
Prazo
17 Abr
2020
Conservation Grant - Amphibian Ark
Prazo
16 Dez
2019
Bikeducação: Edital Itaú para Seleção de Projetos...
Prazo
16 Dez
2019
ONU / FIDA - Concurso de Fotografia “Juventude e...
Prazo
17 Jan
2020
Cisco Global Problem Solver Challenge 2020
Prazo
25 Jan
2020
Environmental Curricula Grants
Prazo
31 Mar
2020
United Nations Voluntary Fund on Disability
Prazo
Contínuo
Mitsubishi Corporation Foundation for the Americas
Prazo
Contínuo
Oak Foundation’s - Issues Affecting Women Programme

PARCEIROS VER TODOS