Evento reúne empresáriose governo no combate à fome

Por: Daniela Tcherniacowski
01 Julho 2003 - 00h00
O Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social promoveu, em conjunto com o jornal Valor Econômico, em São Paulo, o painel “O papel da Iniciativa Privada no Combate à Fome”.

O seminário, que contou com a presença, entre outros, do ministro da Segurança Alimentar e Combate à Fome, José Graziano, e do assessor especial do presidente da República, Oded Grajew, foi voltado principalmente a empresas, orientando-as em como atuar no programa social criado pelo governo Lula.

Na ocasião, Oded Grajew concedeu entrevista especial à Revista Filantropia, na qual conta mais detalhes sobre os próximos planos do governo a respeito do Fome Zero e sobre a responsabilidade social das empresas.

Filantropia: Por que o presidente Lula colocou a fome como principal ponto de partida para seu governo?

Grajew: A fome sempre existiu. Por isso, o presidente colocou o tema na agenda nacional como a grande prioridade, transferindo-a para as ações governamentais e a mobilização da sociedade.

Filantropia: Qual é o peso da participaçãodas empresas privadas no programa?

Grajew: Hoje, o setor empresarial é o mais poderoso da sociedade. É o que detém recursos financeiros, econômicos, tecnológicos e de conhecimento. A participação das empresas é quase vital para eliminar a pobreza no País. Temos falado para as empresas que as ações, em sinergia com o Governo, têm de ser feitas junto com as comunidades. Para orientar melhor as empresas, criamos uma ONG com dezenas de grandes empresários brasileiros que vai ajudar a estruturar e ampliar as ações do Fome Zero no Brasil.

Filantropia: Fale mais sobre essa ONG.

Grajew: Ela foi criada para dar uma estruturação maior dessa mobilização empresarial. Entre os empresários, estão Antônio Ermírio de Moraes, Abílio Diniz, José Pessoa Queiroz, Horácio Lafer Piva e muitos outros. Estamos fazendo algumas ações como a realização de um informativo dirigido a entidades empresariais e a Expo Fome Zero que vai ser feita em fevereiro de 2004, para mobilizar outras empresas a se engajar.

Filantropia: Partindo dessa transparência, o governo pretende angariar cada vez mais fundos e ter maior participação da iniciativa privada?

Grajew: Existem estudos que comprovam existir recursos suficientes no Brasil para fazer a inclusão daqueles que estão excluídos da sociedade. Basta vontade política e competência para mapear os recursos e as carências e fazer o casamento entre eles. Esse é o grande desafio do Fome Zero. Se cada empresa brasileira pensasse em quantas pessoas poderia alfabetizar em cerca de três anos, acabaríamos com o analfabetismo no Brasil, por exemplo.

Filantropia: Existe uma preocupação de muitas entidades e empresas que já trabalham com inclusão social de esse programa ser assistencialista. Isso não prejudica o trabalho?

Grajew: Temos registrado que todas as entidades não só continuam sendo apoiadas pelas empresas, como ganharam maior suporte. Além disso, novas entidades sociais têm sido beneficiadas pelas empresas. A direção que está sendo tomada pelas empresas para se chegar à população é através de parcerias com entidades sociais. O Programa Fome Zero não quer ser meramente assistencialista. Ele inclui a educação, alfabetização e o emprego, sempre dando o peixe e ensinando a pescar ao mesmo tempo. E sempre em parceria com entidades sociais.

Filantropia: As empresas parceiras têm algum tipo de retorno governamental, como isenção de impostos?

Grajew: Apoiar iniciativas de inserção social ou de combate à pobreza faz parte da gestão de responsabilidade social das empresas. Aquelas mais socialmente responsáveis são as que têm funcionários mais comprometidos, engajados. No mundo todo, o movimento da responsabilidade social empresarial hoje está tendo maior adesão porque elas perceberam que esse é um grande fator de competitividade. O governo não está dando nenhum incentivo fiscal, tributário ou monetário. As empresas estão fazendo porque querem participar, faz bem a elas e à sociedade. Cada vez mais é difícil imaginar uma empresa próspera numa sociedade deteriorada.

Filantropia: Se a empresa deve ao governo federal, por exemplo, ela não pode ser parceira?

Grajew: Há um cadastro de inadimplentes com o Governo, sendo que um dos critérios para a empresa ser parceira é não estar nesse cadastro.

Filantropia: Como o presidente pretende convencer o mundo da importância do combate à fome?

Grajew: Colocando o tema como prioritário, da mesma forma que fez no Brasil. Assim como em Davos, durante o Fórum Econômico Mundial, também irá argumentar na ONU, em setembro, e na FAO, em outubro. Não só através de discurso, mas de propostas e no monitoramento das ações que estão sendo efetuadas. Em 1995, em Copenhagen, mais de 140 chefes de estado se comprometeram com uma série de ações para combater a pobreza no mundo. Porém, praticamente nenhuma das propostas foram cumpridas. Para que isso não acontece, acreditamos que a sociedade deve cobrar promessas e resultados.

Filantropia: O governo também tem falado na criação de um fundo mundial de combate à pobreza.

Grajew: Sim. Os recursos seriam exatamente iguais ao que cada país gasta em armamentos. Hoje, o orçamento mundial para o desenvolvimento de armamentos é de US$ 850 bilhões, sendo metade só dos Estados Unidos. Ou seja, acreditamos que o fim da fome e da pobreza não se deve à falta de recursos, mas de prioridades. Tanto que o presidente Lula tem dito que se a porcentagem do que é destinada a matar pessoas fosse para salvar vidas, seria um grande avanço da civilização.

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
16.515
Oportunidades Cadastradas
9.597
Modelos de Documentos
3.222
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
30 Abr
2020
Prêmio Melhores ONGs
Prazo
30 Abr
2020
Dubai International Best Practices Award
Prazo
1 Mai
2020
World Food Prize 2020
Prazo
8 Mai
2020
15ª edição do prêmio Para Mulheres na Ciência
Prazo
21 Mai
2020
Zayed Sustainability Prize 2021
Prazo
26 Mai
2020
UNESCO - Prize for Girls’ and Women’s Education...
Prazo
1 Jun
2020
Sophie Danforth Conservation Biology Fund
Prazo
18 Jun
2020
Global Health Security & Pandemics Challenge
Prazo
30 Jun
2020
Prêmio Internacional de Seguros Julio Castelo Matrán
Prazo
31 Dez
2020
Patrocínios e Doações - Instituto Usiminas

PARCEIROS VER TODOS