Ética como regra

Por: Fernando Credidio
01 Maio 2004 - 00h00

A ética e a excelência das virtudes são questões discutidas desde a Grécia Antiga. Aristóteles, o mais ilustre dos discípulos de Platão, preocupou-se, acima de tudo, com o bem humano, determinado basicamente por dois fatores: pela natureza humana, constituída de elementos corporais ligados a uma forma dinâmica por ele chamada de alma (psyché, que deu origem ao adjetivo psíquico), e por um fator variável, denominado pelos gregos de ocasião.

Aristóteles distinguiu dois tipos de virtude: as intelectuais e as morais – estas que consistem no controle das paixões e são características dos movimentos espontâneos do caráter humano. Ao contrário do que muitos imaginam, a virtude não é uma atividade, e sim uma maneira habitual de ser. Ela não pode ser adquirida da noite para o dia, porque depende da prática. Com atos repetitivos, o homem acaba por transformá-los numa segunda natureza, numa disposição para agir sempre da mesma forma. O processo é sempre o mesmo, sejam os atos bons ou maus. Quando bons, temos a virtude. Quando maus, o vício.

A atividade daquele que age de acordo com os bons hábitos é o que chamamos de felicidade. É a felicidade mais auto-suficiente, pois não precisa de bens materiais para se efetivar. Dessa forma, como a condição fundamental para a conquista da felicidade é a virtude, que só pode ser adquirida mediante exercício e esforço, o homem deve desenvolver mecanismos de ação que garantam a sua aquisição. Tais mecanismos são, em especial, os valores (educação) e as leis. Os valores criam no indivíduo os hábitos virtuo-sos; as leis organizam e protegem o exercício da virtude pelos membros da sociedade.

Já a ética, felizmente, tem sido discutida cada vez com mais freqüência e ênfase pela sociedade contemporânea, que, mais informada, atenta e vigilante, passa a cobrar principalmente das empresas posturas socialmente responsáveis.

No Brasil não é diferente. Nas últimas semanas as discussões esquentaram. Desde os lançamentos dos comerciais da Fiat Automóveis (criação da agência de propaganda Leo Burnett) e da cerveja Brahma (cujo filme foi produzido pela agência Africa e teve como protagonista o cantor Zeca Pagodinho), temos sido espectadores de acalorados debates a respeito da ética. Ponto para aqueles que vêm alertando as organizações sobre o perigo de se anunciarem empresas-cidadãs, sem cumprirem, porém, os princípios básicos da ética, da cidadania e da responsabilidade social.

É incontestável que a maior parte das corporações tem se deixado levar pela persuasão e verve “criativa” dos publicitários, que freqüentemente se desviam da busca por atributos, como respeito, admiração, credibilidade e reputação para as marcas, parecendo mais preocupados com o próprio ego.

Boa parte dos consumidores atuais não está interessada em pactuar com pantomimas publicitárias ou atributos físicos e funcionais das marcas. Como bem define Percival Caropreso, diretor da McCann Erickson Brasil, “a nova geração de consumidores exige compromissos sociais de uma marca, praticados de fato e comprovados na vida real”.

Os anos de 2003 e 2004 mostram-se pródigos em “pérolas” desenvolvidas pelas agências de propaganda com a tendência a confundir bom humor e mau gosto.

Virou moda publicitária fazer troça de valores preservados pela sociedade. A F/Nazca Saatchi & Saatchi, por exemplo, com o mote Ilha Quadrada/Verão Redondo, zombou da música clássica e satirizou algumas cidades que ainda disponibilizam pedalinhos. A Fischer América, que tanto criticou a Africa no episódio Zeca Pagodinho, foi igualmente infeliz ao menosprezar as mulheres que não possuem os atributos físicos e de beleza convencionados pela mídia, chamando-as, sem qualquer pudor, de “barangas”. A agência Leo Burnett não ficou atrás: criou um comercial para a Fiat discriminando ex-detentos, ao considerá-los irrecuperáveis diante dos apelos do novo Palio. No entanto, o caso mais rumoroso, sem dúvida, foi aquele protagonizado por Zeca Pagodinho. Faltou ética e, sobretudo, bom senso à Brahma, à Africa e, especialmente, ao cantor.

Parafraseando Flávio Trovão, aqueles que militam no Terceiro Setor, principalmente na área de comunicação, possuem um enorme desafio pela frente: alertar e conscientizar a sociedade de que ética não se retoma ou se reconquista – apenas se vive e se aplica, com a missão de conduzir os ideais e desejos do homem contemporâneo para projetos que priorizem a dignidade e a melhoria das condições de vida de uma nação.

“Somos aquilo que fazemos repetidamente. A excelência da virtude não é alcançada pelo fazer, mas pelo hábito de praticá-la” Aristóteles

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
22.766
Oportunidades Cadastradas
9.597
Modelos de Documentos
4.060
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
3 Mai
2021
25º Concurso Inovação no Setor Público
Prazo
26 Abr
2021
15º Edital Funcultura Audiovisual
Prazo
Contínuo
Super Desafio COVID-19 - Startups
Prazo
21 Mai
2021
Projetos Sociais por Leis de Incentivo 2021
Prazo
14 Mai
2021
Edital de Seleção - Projetos Sociais
Prazo
11 Mai
2021
Prince Claus Seed Awards 2021
Prazo
10 Mai
2021
Para Mulheres na Ciência 2021
Prazo
Contínuo
Adobe Creative Residency Community Fund
Prazo
17 Mai
2021
PhotoContest 2021
Prazo
23 Mai
2021
9ª Convocatoria de Ayudas

PARCEIROS VER TODOS