Elaborando um projeto de voluntariado

Por: Revista Filantropia
01 Março 2010 - 00h00

Ações planejadas e organizadas podem garantir o sucesso do trabalho voluntário. No entanto, muitas atividades sociais se iniciam para resolver problemas emergenciais. Na urgência de solucionar algo, nem sempre o plano é seguido à risca, o que compromete os resultados.

Ao desenvolver uma série de projetos e trocar experiências com grupos de voluntários, detectamos que projetos estruturados têm grandes possibilidades de obter êxito. Vários deles reúnem algumas características que podem ser sintetizadas nas seguintes etapas: motivação, convocação, diagnóstico, elaboração do projeto, ação, reflexão, registro e continuidade. Apresentaremos alguns procedimentos que podem ser acompanhados como um fio condutor à elaboração de projetos de voluntariado. No entanto, é a realidade local que determinará a necessidade de pular algumas ou reforçar outras fases.

Motivação

Entre tantos atores e cenários, o interesse em iniciar ou participar de um projeto de voluntariado geralmente parte da identificação com a causa, ou da necessidade de responder a uma demanda da sociedade. Há também casos em que a inquietude inicial brota durante uma atividade ou pela compreensão da própria experiência de vida.

A motivação depende do grau de consciência que a comunidade tem diante dos problemas comunitários. O importante é manter o grupo motivado do início ao fim do projeto. Para isso, é fundamental que todas as etapas sejam construídas coletivamente e que cada um conheça o seu papel e saiba como participar.

Convocação

Para reunir um grupo, é preciso convocar. Convocar é convidar, chamar, informar, conquistar o interesse e o apoio, integrar e comprometer a comunidade em torno de um só objetivo.

É verdade que existem projetos que não comportam um grande número de participantes. Ainda assim, é importante estender o convite para potenciais agentes da ação e para os destinatários.

Diagnóstico

A ação vai depender do diagnóstico. Diagnosticar significa identificar as reais necessidades da pessoa, do grupo ou da organização social que receberá a ação voluntária. É também nesta etapa que se conhece o perfil dos participantes, analisando-se quanto tempo, trabalho e talento os voluntários poderão oferecer ao projeto para que, posteriormente, possam ser considerados no plano de ação.

Recomenda-se que, no diagnóstico, sejam levadas em consideração a opinião e a necessidade do público que será atendido. A perspectiva dos representantes da comunidade enriquece o processo de diagnóstico participativo. É necessário, portanto, que o tempo e o esforço dedicados a essa etapa sejam proporcionais ao desenvolvimento total do projeto, e que conduzam à ação.

Elaboração do projeto

Antes da ação propriamente dita, é necessário colocar no papel todas as ideias que norteiam o projeto. Essa fase vai ajudar o grupo a ter clareza do processo e do desenvolvimento como um todo.

Ao criar o plano, é preciso responder às seguintes questões: O que é o projeto? Por que fazê-lo? Para que fazê-lo? Para quem? Como criar e executar as atividades? Quando as ações acontecerão? Qual o prazo para cada uma das tarefas? Quem será o responsável pela execução? Quais e quantos recursos humanos, materiais e financeiros estão disponíveis? Há possibilidade de parcerias?

Ação

Momento de realizar a atividade. Chegou a hora de colocar em prática tudo o que foi discutido e planejado.

Reflexão

Refletir é essencial e deve permear todas as etapas do projeto. Sempre que necessário, o grupo deve trocar impressões e ideias para ver se o resultado da ação corresponde ao esperado. Trata-se de uma oportunidade de pensar sobre o que deu certo e os impactos das ações realizadas para poder corrigir erros, valorizar os acertos e, eventualmente, fazer modificações. Pode-se também analisar se as etapas previstas foram cumpridas e se os objetivos foram alcançados.

Registro

A experiência pode ser divulgada, ampliada, analisada, revisada e reeditada se houver o registro das ações realizadas. A partir daí, será formada uma base comum de dados, conhecimento e informação, fazendo com que seja fácil perceber os impactos, os resultados, as dificuldades e as conquistas do projeto.

O material registrado permite melhor comunicação e difusão do projeto. O apoio e a participação de outros estão diretamente relacionados à clareza da informação oferecida e à possibilidade de avaliar o impacto do projeto baseado em dados reais e mensuráveis.

Continuidade

A duração de um projeto varia bastante. No entanto, mesmo para aqueles que duram anos, é necessário pontuar etapas de início, meio e fim, para que seja possível mensurar e comemorar os resultados parciais e seguir adiante.

Reconhecimento e comemoração

Reconhecer e comemorar são procedimentos fundamentais em projetos sociais, mas nem sempre são lembrados. Valorizar, estimular e reconhecer ações de voluntariado são gestos que promovem o comprometimento.

O reconhecimento e a celebração são fundamentais para fortalecer a autoestima dos envolvidos. É o momento de reconhecer o serviço prestado à comunidade e incentivar a participação em novos projetos.

Tudo o que você precisa saber sobre Terceiro setor a UM CLIQUE de distância!

Imagine como seria maravilhoso acessar uma infinidade de informações e capacitações - SUPER ATUALIZADAS - com TUDO - eu disse TUDO! - o que você precisa saber para melhorar a gestão da sua ONG?

Imaginou? Então... esse cenário já é realidade na Rede Filantropia. Aqui você encontra materiais sobre:

Contabilidade

(certificações, prestação de contas, atendimento às normas contábeis, dentre outros)

Legislação

(remuneração de dirigentes, imunidade tributária, revisão estatutária, dentre outros)

Captação de Recursos

(principais fontes, ferramentas possíveis, geração de renda própria, dentre outros)

Voluntariado

(Gestão de voluntários, programas de voluntariado empresarial, dentre outros)

Tecnologia

(Softwares de gestão, CRM, armazenamento em nuvem, captação de recursos via internet, redes sociais, dentre outros)

RH

(Legislação trabalhista, formas de contratação em ONGs etc.)

E muito mais! Pois é... a Rede Filantropia tem tudo isso pra você, no plano de adesão PRATA!

E COMO FUNCIONA?

Isso tudo fica disponível pra você nos seguintes formatos:

  • Mais de 100 horas de videoaulas exclusivas gratuitas (faça seu login e acesse quando quiser)
  • Todo o conteúdo da Revista Filantropia enviado no formato digital, e com acesso completo no site da Rede Filantropia
  • Conteúdo on-line sem limites de acesso no www.filantropia.ong
  • Acesso a ambiente exclusivo para download de e-books e outros materiais
  • Participação mensal e gratuita nos eventos Filantropia Responde, sessões virtuais de perguntas e respostas sobre temas de gestão
  • Listagem de editais atualizada diariamente
  • Descontos especiais no FIFE (Fórum Interamericano de Filantropia Estratégica) e em eventos parceiros (Festival ABCR e Congresso Brasileiro do Terceiro Setor)

Saiba mais e faça parte da principal rede do Terceiro Setor do Brasil:

Acesse: filantropia.ong/beneficios

BAIXE GRATUITAMENTE
E-book Como começar uma⠀ONG

BAIXE GRATUITAMENTE

BAIXE GRATUITAMENTE
E-book 18 PASSOS essenciais para ajudar sua ONG

BAIXE GRATUITAMENTE

PARCEIROS VER TODOS