Criando criaturas criadoras

Por: Roberto Ravagnani
01 Setembro 2003 - 00h00
Quem nunca ouviu a metáfora da criatura que se tornou mais forte que o criador? O MOC – Movimento de Organização Comunitária –, situado em Feira de Santana, na Bahia, é um típico criador que comemora o desenvolvimento de suas criaturas, vendo o próprio trabalho realizado e recompensado pelas conquistas daqueles que, com ele, aprenderam a caminhar.

Um exemplo vivo é a Associação dos Pequenos Agricultores do Município de Valente, cidade com pouco mais de 19 mil habitantes, a 238 quilômetros de Salvador. A atuação desse grupo principiou há vinte anos, quando agricultores começaram a desenvolver, a partir de orientações do MOC, formas para melhor aproveitar o sisal (fibra utilizada na produção de diversos itens). Por meio dos novos conhe­cimentos e técnicas, os resultados são constantemente aprimorados. A associação trabalha o sisal profissionalmente, hoje em dia exportando tapetes e bolsas, entre outros produtos. Segundo Naidison de Quintella Baptista, secretário-executivo do movimento, “ela gera 850 empregos diretos em uma cidade de população pequena, chegando a empregar mais que o próprio governo municipal”.

Projetos de desenvolvimento sustentável

Desde que foi fundado em 1967, o MOC tem direcionado sua atividade em prol das comunidades menos favorecidas, discriminadas, sejam elas da periferia urbana ou de zonas agrícolas. “O desafio constante é promover o aparecimento de associações, para que elas construam a própria história e conquistem autonomia”, diz Naidison.

Atualmente, 30 municípios do semi-árido baiano contam com ações da instituição, que atingem aproximadamente 70 mil pessoas. E, para que as comunidades se tornem capazes, existe todo o esforço de assessorar, habilitar e apoiar – elaborando materiais, estando presente, discutindo, refletindo, criticando e sendo criticado, propondo –, contudo atento sempre a nunca substituir a ação dos próprios grupos. Assim, o movimento vem contribuindo para o desenvolvimento sustentável da região sisaleira, especialmente na busca pelos direitos, além de dar exemplos de projetos para o governo, interferindo diretamente nas políticas públicas.

Procurando cumprir sua missão, o MOC possui linhas diretas de atuação, que se subdividem em projetos específicos, abordando as necessidades sociais da região em que opera. A organização trabalha pela melhoria da qualidade de vida das famílias de agricultores com o Programa Agrícola. Também incentiva a busca dos direitos das mulheres pelo Movimento de Mulheres Trabalhadoras Rurais, integrante do Programa de Gênero. Já o Programa de Educação Rural capacita professores campesinos em parceria com as prefeituras, além de formar monitores da Jornada Ampliada (Programa de Erradicação do Trabalho Infantil) juntamente com o Governo Federal. Outro projeto que chama a atenção na linha da educação rural leva o nome de Baús de Leitura. Naidison explica que tal iniciativa tem como objetivo difundir a leitura prazerosa e crítica entre as crianças da área agrícola. “Já foram distribuídos 603 baús de sisal com 45 livros em cada, o que abrange cerca de 400 professores e 24 mil crianças”. Por meio do Programa de Políticas Públicas, a organização ainda incentiva a participação da população na definição das políticas públicas, tentando inserir no debate as questões que mais afligem as comunidades.

Parcerias

Ao se observar a amplitude das atividades da instituição, surge naturalmente a dúvida sobre a capacidade de gerenciar e garantir a qualidade de todas as iniciativas. Então, faz-se necessário conhecer a fórmula para o sucesso nesses mais de 35 anos de intervenção social. O segredo? Trabalho em parceria – seja com as lideranças das comunidades beneficiadas pelos projetos ou com profissionais estrangeiros voluntários, que emprestam seu conhecimento para o atendimento dos objetivos. Assim, sempre que uma nova ação social é iniciada, são envolvidas as lideranças locais, como igrejas e sindicatos, criando senso de propriedade e uma rede capaz de tocar a bola para frente. Afinal, o trabalho do MOC se espalha num raio de 500 quilômetros e seria inviável, além de pouco inteligente, almejar a onipresença.

Além de braços para empreender suas ações, o movimento, bem como tantas outras entidades do Terceiro Setor, precisa de apoiadores institucionais e, principalmente, financeiros. Em tal quesito, a organização dá exemplo de estratégia na captação de recursos, uma vez que grande parte de sua verba vem de organismos internacionais, o que comprova competência na hora de elaborar e executar as propostas. Segundo Naidison “há financiamentos oriundos do Unicef, assim como de Portugal, Holanda, Espanha, EUA, Bélgica, Áustria e Alemanha”. Normalmente, esses parceiros tradicionais asseguram apoio por um prazo médio de três anos. “Quando o projeto atinge a metade do último ano, um representante do órgão apoiador vem até nós para a definição do próximo passo. Ou seja, não basta elaborar um bom projeto no papel, com o risco de não se ter a parceria renovada. É preciso cumprir o estabelecido para dar seqüência ao trabalho”, esclarece.

No entanto, nem tudo são flores na captação internacional de recursos. É importante ressaltar que essa fonte tem diminuído seu volume com o tempo, em função de restrições de recursos para países latino-americanos. A explicação, segundo o secretário-executivo, “é a migração de financiamentos para países da África, Ásia e Europa Oriental”. Apesar disso, nota-se que 50% da verba ainda é proveniente de fora do País, 12% vêm do empresariado e 38%, do governo. Para que as ações sociais não sejam prejudicadas, o MOC vem desenvolvendo novas formas de captar recursos, somando esforços com o mundo empresarial e solidificando parcerias com as três esferas governamentais.

Existem parcerias com a municipalidade, por exemplo, na capacitação de professores da rede de ensino. Com os governos estadual e federal, há a destinação de verbas para as iniciativas, muitas delas inseridas, inclusive, nas políticas públicas.

Desafios

Naidison acredita que o MOC com­partilha um dos maiores dilemas do Terceiro Setor na atualidade: “Estamos buscando entender como nos inserir melhor na nova conjuntura política, que demonstra crescente interesse em gerar parcerias intersetoriais”.

A instituição compreende que a sua causa – a organização comunitária – não é um objetivo que pertence a si mesma, mas sim ao desenvolvimento do País. Dessa maneira, pretende cada vez mais colocar à disposição das comunidades da região sisaleira baiana sua capacidade de ensinar as criaturas a se tornarem criadores. Criadores de um futuro equilibrado e sustentável. Criadores de um Brasil melhor.

Os números do MOC

30 municípios do semi-árido baiano contam com a presença do MOC

70 mil pessoas beneficiadas

230 professores da rede pública de 9 cidades já capacitados

603 baús de leitura com 27 mil livros distribuídos para 24 mil crianças

4 mil famílias orientadas sobre a seca

23 cooperativas de crédito formadas

60 funcionários

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
15.827
Oportunidades Cadastradas
9.593
Modelos de Documentos
3.162
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
30 Abr
2020
Dubai International Best Practices Award
Prazo
20 Mar
2020
16ª Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas...
Prazo
6 Mar
2020
2020 DRL Internet Freedom Annual Program Statement
Prazo
6 Mar
2020
Children’s Peace Prize 2020
Prazo
21 Mai
2020
Zayed Sustainability Prize 2021
Prazo
30 Jun
2020
Prêmio Internacional de Seguros Julio Castelo Matrán
Prazo
31 Dez
2020
Patrocínios e Doações - Instituto Usiminas
Prazo
31 Mar
2020
Edital X - Fundo Dema - Fortalecer a Agroecologia a...
Prazo
20 Mar
2020
IX Prêmio Fotografia-Ciência & Arte - CNPq
Prazo
8 Abr
2020
Research Enrichment – Public Engagement

PARCEIROS VER TODOS