Conectando O Bem: Rede Social Com Um Propósito

Por: Yonathan Parienti
07 Outubro 2015 - 12h47

Mais de 3 bilhões de pessoas de todos os cantos do globo usam a internet, e este número ainda vai aumentar. Conteúdo sem limites, fronteiras dissolvidas, um único fuso horário e espaço para todos são aspectos típicos desta nova era interconectada. Mas qual é a razão principal para isso?

A rede social é a resposta mais óbvia. A internet que promove mais compartilhamentos, e que inclui todas as gerações, é, no entanto, tida como sendo egocêntrica, na medida em que mostra pouca preocupação com “aquele que não sou eu”. Ela expandiu o uso da palavra “compartilhar” para dimensões sem precedentes, mas geralmente anuncia: “vejam onde e como eu estou” mais do que “fale-me de você” ou “vamos compartilhar experiências, compreender o mundo e ver como podemos agir juntos para ajudar a transformá-lo em um lugar melhor”.

Há sinais, no entanto, que mostram que esta é apenas uma percepção, e não a realidade.

Há uma nova filosofia on-line, especialmente entre as gerações mais jovens de cidadãos globais! Ela se baseia na premissa de que a humanidade tem uma necessidade crítica de positividade, de partilha de conhecimento, de criatividade e solidariedade. Essa filosofia exige uma internet com um propósito, e promove o uso desta tecnologia incomparável para conectar o bem. É uma rede social com um novo formato, na qual os jovens estão transformando ideias virtuais em ações concretas, para avançar com o progresso e com o bem social.

A internet é uma comunidade global para toda a humanidade, e a jovem geração on-line tem a capacidade de usá-la para causar uma grande mudança nas boas causas sociais. Obviamente que esta evolução da juventude ativamente envolvida, conectando o bem social, não termina aqui. Ela está abraçando todas as gerações e está se espalhando.

Da teoria à prática: esta é uma filosofia de ação. Este é um conceito realmente proativo que nos diz que, em muitos cantos do mundo, por trás da teoria, o bem social está sendo praticado. Vimos projetos destes na plataforma Horyou, a rede do bem social, e conhecemos inúmeras pessoas maravilhosas nos bastidores, os chamados “heróis anônimos” que, em todas as áreas, tentam ajudar a melhorar as condições de vida e tentam endereçar, à sua própria, os desafios do mundo de hoje.

Em Iaundê, o cirurgião Georges Bwelle é um deles. Nos últimos dez anos, ele tem dedicado todo o seu tempo livre para levar assistência médica à população de áreas remotas e vilas carentes dos Camarões, levando sorrisos aos rostos dos angustiados e compartilhando esperança com aqueles que já não tinham motivo para acreditar. No Afeganistão, no Brasil e na Índia, a Fundação Womanity, com sede na Suíça, desenvolve escolas para projetar a educação de meninas e impulsionar carreiras femininas através de bolsas, e assim ajudar a dar uma voz mais forte às mulheres no seu país e região. Já em Nova York, Stephen Ritz, da Green Bronx Machine, apoiado por uma enorme dedicação dos jovens estudantes, está retomando terrenos baldios na cidade e transformando-os em um oásis de agricultura urbana.

E esta é apenas uma pequena gota no oceano do bem social que estamos contemplando.

O que esses indivíduos e organizações têm em comum? Todos eles contam com a internet para se conectar com uma rede de pessoas que optam por apoiá-los, tanto on-line como off-line; para ajudá-los a manter o seu esforço e a alcançar seus objetivos. A internet os ajuda a se conectar e a estar em ressonância com as pessoas que lhes dão apoio on-line, e ajudando-os a alcançar seus objetivos no mundo real, marcando a transição do virtual para a realidade.

Esta é precisamente a nova direção da Internet: através das conexões reais pelo bem mais fortes que ela permite, ela está ajudando a transição bem sucedida do mundo virtual para o real, o tipo de movimento que pode, finalmente, fazer as sociedades globais avançarem.

A filosofia do bem social on-line trata de abraçar os desafios com positividade, compartilhar ideias, experiências e estratégias e de propor soluções concretas onde quer que elas sejam necessárias. Ao fazê-lo, a Internet destaca o melhor e mais brilhante da humanidade. Independentemente dos desafios que enfrentamos, este é o caminho para fazer realmente a diferença, visto que criamos uma sociedade mais interligada quando somos capazes de dar visibilidade às ações positivas no mundo inteiro.

Fazer o bem pode não ser novidade. Mas a relação entre tecnologia, positividade e conectividade é nova. Na sua essência, é a velocidade com a qual o bem social pode ser realizado através da Internet e a sua ampla disponibilidade. Pessoas de todas as nacionalidades são capazes de decretar o progresso social.

Tecnologia implica liberdade, a qual, por sua vez, implica propósito. Ela também marca o nascimento do cidadão global, que pode instantaneamente informar e ser informado, inspirar e ser inspirado, planejar e agir, compartilhar e se conectar. Com ela, todo mundo pode ser uma parte interessada genuína e, finalmente, ser um agente de mudança positiva. A filosofia do bem social on-line não é uma tendência ou um mero movimento circunstancial. É uma prática conduzida por jovens para melhorar a condição humana. Todos nós temos um propósito e uma razão, e a tecnologia é o caminho no qual podemos conectar o bem. É exatamente disso que se trata a inovação social.

Com a inovação social chega um fator econômico e uma oportunidade muito importantes. Ela também apela à necessidade de um investimento financeiro. Com e para ela, empreendedores estão emergindo de áreas inesperadas e criando tendências globais diferentes. Ela reproduz uma nova economia mundial caracterizada por um processo no qual o alcance global se pode implementar e ser rentável. Em suma, a solidariedade é representada por ações, mas também se beneficia de meios financeiros.

Todos esses são motivos pelos quais a Horyou está promovendo o segundo Fórum Global de Ética e Inovação Social anual, o SIGEF 2015, em Genebra, em outubro. O evento vai reunir organizações sem fins lucrativos, palestrantes de renome, empreendedores sociais e o público em geral, em três dias de diálogo e interação. Um de seus temas-chave explora o empreendedorismo social e como ele está moldando o futuro ao promover uma nova economia global. Ele destina-se a testemunhar que as estratégias empreendedoras sociais não estão apenas ajudando empreendimentos locais, mas estão direcionando a economia global para novas direções e, finalmente, mudando a própria definição de empreendedorismo.

A Horyou e seu evento colaborativo, o SIGEF, advogam esta nova filosofia da Internet sendo uma rede social com um propósito. Eles são o palco onde o virtual encontra o real, onde ideias positivas e realizações inspiram e desencadeiam ações pelo bem.

www.sigef2015.com

 

PARCEIROS VER TODOS