Comunicação Social A Serviço Do Bem Comum

Por: Matheus Pereira Silva
15 Setembro 2016 - 04h24

Desde os tempos antigos, a comunicação faz parte do cotidiano dos homens; ela é uma das condições para a sobrevivência da espécie e possibilita o desenvolvimento da sociedade. Comunicação, do latim communicare, significa tornar comum. Por meio dela, os homens pré -históricos puderam transmitir às próximas gerações as práticas de caça, as estratégias para se refugiar e tantas outras atividades necessárias para a sobrevivência. Já na Idade Média, os padres das igrejas utilizavam os sermões para transmitir a fé e o apoio ao Estado para a população não letrada. Nesse período, todo o estudo científico e filosófico estava concentrado na nobreza e no clero. No Iluminismo, a comunicação foi essencial para a transmissão dos conceitos deracionalidade entre os estudiosos, e a imprensa foi fundamental para levar a informação à população, agora já com maior parcela letrada. Hoje, expressam-se facilmente, por meio de redes, os sentimentos e pensamentos das pessoas. Assim, a comunicação faz parte da história do homem enquanto instrumento que agrega conhecimento e informação, bem como da relação entre homem e sociedade.

A sociedade atual tem feito uso da comunicação como possibilitadora de reflexão filosófica acerca das situações de crise que diversas nações vêm enfrentando. Peguemos como exemplo a crise migratória. Em 2 de setembro de 2015, o garoto Aylan Kurdi foi encontrado morto em uma praia da Turquia após a embarcação em que estava com seus pais ter afundado no Oceano Atlântico. A família, com um grupo de pessoas, fugia da Síria por conta das condições impostas pela guerra. Refugiados de seu país de origem, eles tentavam a vida em outro lugar. Esse é o drama que inúmeras pessoas vivem diariamente em busca de uma condição de vida razoável. O mesmo acontece com o grande contingente de haitianos refugiados que chegam ao Brasil. Isso tem sido um problema, pois os países não estão acolhendo esse grande número de pessoas, além de as circunstâncias das viagens ilegais serem extremamente precárias. Quando a cena do garoto sírio comove as pessoas, é papel da comunicação fazer com que a sociedade repense seu posicionamento e entenda a necessidade da mudança de atitude. A comunicação contribui ao provocar, na sociedade, a sensibilidade do que é verdadeiramente ser ser humano.

Os comunicadores possuem a imensa responsabilidade de fazer com que as pessoas, fundamentadas em uma reflexão crítica e filosófica, façam as escolhas que mais possam acrescentar para aqueles que está ao seu redor, evitando ao máximo o individualismo e entendendo a forma de viver em sociedade. Mas quais os meios que os comunicadores podem empregar para promover o discernimento entre o certo e o errado, ou seja, a consciência social? Muito simples: um profissional de relações públicas pode, por exemplo, promover nas organizações em que trabalha ações sociais visando ao desenvolvimento dessa consciência por parte dos funcionários e acionistas. Um desafio? Possivelmente sim, ou não. Apesar de em tempos de crise ser preferível para as organizações o acúmulo de riquezas, no mercado é bem-vista uma empresa com práticas de ações objetivadas no desenvolvimento da consciência social. Por isso, aos comunicadores: em suas empresas existem inúmeras formas de despertar a consciência social, e é possível estimular em todos o exercício de seus direitos e deveres.

A ação social está sempre ligada à consciência social: uma leva a outra. Ao reconhecer a necessidade das outras pessoas e tomar uma atitude em relação a isso, o indivíduo zela pela igualdade e pela paz, conformando um princípio da consciência social. Logo, um profissional de relações públicas, enquanto comunicador, deve propor práticas de ação social nas organizações em que trabalha. Incitar a consciência social nesses espaços, além de benéfico, gera reconhecimento no mercado. Não é tendo em vista o lucro que um comunicador deve transmitir consciência social, mas com o objetivo de fazer seu papel de cidadão e ter um olhar diferenciado para a sociedade. Ele precisa usar todos os recursos que possui, todos os estudos que realizou e toda a criatividade possível para alcançar tal propósito.

A comunicação tem papel fundamental e poderoso na sociedade. Os telejornais, por exemplo, influenciam a formação da opinião pública, fazem parte da rotina da sociedade e são, para essas pessoas, uma fonte segura e fidedigna de informações. Quando feitos sem ética e com o objetivo de defender os interesses de somente uma parcela da sociedade, podem se tornar perigosos e até alienadores. Um comunicador tem a função de promover a reflexão crítica e filosófica, formando opiniões, informando as pessoas sobre os seus direitos e os seus deveres. Não que isso não seja responsabilidade de toda a população, contudo, os comunicadores têm muito mais ferramentas para melhor exercer esse papel de conscientização. De qualquer maneira, é necessário que as pessoas entendam que o comunicador não educa.

É importante salientar, ainda, o exercício de promover os direitos e deveres dos homens e das mulheres. No Código de Ética das Relações Públicas, do Jornalismo, da Publicidade e Propaganda, entre outras profissões da área de comunicação, fundamenta-se o propósito de realizar todas as atividades competentes a esses profissionais com um olhar para a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Isso também é uma forma de consciência social. Esse profissional discerne o que é certo, transmite esses valores ao desenvolver com ética e responsabilidade o seu trabalho e visa a um mundo melhor e mais igualitário para todos. Com toda a sua tecnologia e velocidade, atualmente, os meios de comunicação estão a favor da prática ética, que agora já pode ser entendida como comunicação social.

A comunicação, intrínseca ao ser humano, é necessária e faz parte do cotidiano. Por meio dela, os homens podem transmitir e expandir o conhecimento. A sociedade precisa da comunicação a seu favor. Aos comunicadores, a humanidade confia o papel de zelar pela consciência e de fazer o bem por meio do que escolheram, estudaram e praticam.

 

Tudo o que você precisa saber sobre Terceiro setor a UM CLIQUE de distância!

Imagine como seria maravilhoso acessar uma infinidade de informações e capacitações - SUPER ATUALIZADAS - com TUDO - eu disse TUDO! - o que você precisa saber para melhorar a gestão da sua ONG?

Imaginou? Então... esse cenário já é realidade na Rede Filantropia. Aqui você encontra materiais sobre:

Contabilidade

(certificações, prestação de contas, atendimento às normas contábeis, dentre outros)

Legislação

(remuneração de dirigentes, imunidade tributária, revisão estatutária, dentre outros)

Captação de Recursos

(principais fontes, ferramentas possíveis, geração de renda própria, dentre outros)

Voluntariado

(Gestão de voluntários, programas de voluntariado empresarial, dentre outros)

Tecnologia

(Softwares de gestão, CRM, armazenamento em nuvem, captação de recursos via internet, redes sociais, dentre outros)

RH

(Legislação trabalhista, formas de contratação em ONGs etc.)

E muito mais! Pois é... a Rede Filantropia tem tudo isso pra você, no plano de adesão PRATA!

E COMO FUNCIONA?

Isso tudo fica disponível pra você nos seguintes formatos:

  • Mais de 100 horas de videoaulas exclusivas gratuitas (faça seu login e acesse quando quiser)
  • Todo o conteúdo da Revista Filantropia enviado no formato digital, e com acesso completo no site da Rede Filantropia
  • Conteúdo on-line sem limites de acesso no www.filantropia.ong
  • Acesso a ambiente exclusivo para download de e-books e outros materiais
  • Participação mensal e gratuita nos eventos Filantropia Responde, sessões virtuais de perguntas e respostas sobre temas de gestão
  • Listagem de editais atualizada diariamente
  • Descontos especiais no FIFE (Fórum Interamericano de Filantropia Estratégica) e em eventos parceiros (Festival ABCR e Congresso Brasileiro do Terceiro Setor)

Saiba mais e faça parte da principal rede do Terceiro Setor do Brasil:

Acesse: filantropia.ong/beneficios

PARCEIROS VER TODOS