Marquinhos

Por: Paula Craveiro
01 Maio 2008 - 00h00

Marcos Antônio Abdalla Leite, conhecido como Marquinhos, é um veterano nas quadras de basquete. Aos 56 anos, o atleta, que já atuou em times como Fluminense, Flamengo, Universidade Pepperdine (EUA), Gênova e Bolonha (Itália), possui em seu currículo nada menos que três olimpíadas, quatro Pan-Americanos, cinco Sul-Americanos, seis Mundiais Interclubes e quatro Mundiais, sendo campeão em 1979.
Entre 1978 e 1984, foi capitão da Seleção Brasileira de Basquete e, em 2000, selecionado para integrar a Seleção do Século. No ano passado, Marquinhos foi eleito o melhor jogador máster das Américas e o segundo melhor jogador máster do mundo.
Mas, além de ser bem-sucedido dentro das quadras, o atleta também mostra que é um campeão na arte de ajudar ao próximo. Atualmente, ele é presidente da Associação Maritacas em Ação e ainda participa do programa de intercâmbio Sports Partner Cities, desenvolvido pela associação em parceria com a Liga Urbana de Basquete (LUB) e a Public School Athletic League (PSAL), dos EUA.


Revista Filantropia: Quando começou sua história de engajamento social?
Marquinhos: Minha relação com projetos sociais começou em 1999, com a ONG Primeira Maritaca, direcionada a projetos socioambientais. Porém, por conta de outras atividades, o projeto foi suspenso. Até que, no início de 2007, foi realizada uma reunião com a Secretaria Municipal de Esportes, Lazer e Recreação de São Paulo (Seme), na qual o secretário Walter Feldman pediu para que a ONG fosse retomada.
Atualmente, como presidente da Associação Maritacas em Ação, meu envolvimento no projeto é integral. Porém, não realizamos nada sozinhos. Temos vários colaboradores, como membros da própria Maritacas, e parceiros, como a Liga Urbana de Basquete (LUB), do Rio de Janeiro. Também não me considero um mentor. Sou apenas um dos componentes que fazem o projeto acontecer.

Filantropia: Sua família também é envolvida em causas sociais?
Marquinhos: A família inteira é envolvida! Minhas filhas participam comigo dos projetos e dão suas opiniões, além de cada uma participar de um projeto diferente. Uma das minhas filhas, inclusive, está morando no Tibet há cinco meses. Inicialmente, a viagem foi feita com o intuito de estudar o budismo, mas, com os recentes problemas que os tibetanos estão enfrentando, ela acabou se tornando uma militante da causa.

Filantropia: Qual a sua visão sobre o Terceiro Setor no Brasil?
Marquinhos: Fico preocupado quando vejo que existem muitos oportunistas se “vestindo” de ONG para investir o dinheiro, que deveria ser direcionado a projetos, em benefício próprio. Isso é muito triste! Algumas ONGs servem apenas como fachada para o enriquecimento ilícito de alguns indivíduos. É por esse motivo que a Maritacas está ligada a uma Oscip, que responde ao Ministério da Justiça. Assim, nossa responsabilidade e integridade são enormes.

Filantropia: Em sua opinião, quais seriam os setores mais necessitados de atenção, tanto por parte do governo quanto das ONGs?
Marquinhos: Acredito que todos os setores no Brasil precisam de atenção, mas a saúde e a educação são os mais carentes. Por isso, creio que o esporte seja tão importante, pois auxilia na prevenção de doenças e leva a criança a um ambiente muitas vezes diferente do meio em que vive, mais saudável e ligado à cultura e educação.

Filantropia: Qual o maior problema social do país? Alguma sugestão sobre como resolvê-lo?
Marquinhos: Acredito que o maior problema que o Brasil enfrenta atualmente é a desigualdade social. Poucas pessoas têm muito, e muitas pessoas não possuem quase nada. Não sou contra as pessoas que possuem muito dinheiro, mas gostaria que todos tivessem mais acesso a essa riqueza. Gostaria que todas as pessoas fossem incluídas na sociedade. Sei que é difícil, mas não é impossível. Por isso, estou fazendo minha parte.

Filantropia: Quais são suas ideologias pessoais em relação ao desenvolvimento social do país e à melhoria da qualidade de vida da população?
Marquinhos: Eu não possuo uma ideologia. Acredito que as coisas acontecem naturalmente e você vai abraçando as causas que aparecem à sua frente, uma a uma. E creio também em uma força maior que nos direciona.
Há um ano e meio, me preocupava somente com a área empresarial, sem pensar na área de inclusão social e Terceiro Setor. Mas a vida me ensinou que não podemos ser tão radicais, que devemos ser maleáveis, e me direcionou às causas sociais, que hoje são muito importantes em minha vida.

Filantropia: Atualmente, além da Maritacas, você também está envolvido com o Sports Partner Cities. Conte um pouco sobre o projeto.
Marquinhos: O Sports Partner Cities (SPC) foi idealizado no início de 2008 pela Maritacas e pela LUB, que é a responsável pela chancela técnica no âmbito da cultura urbana. O projeto foi criado para alavancar o basquete no Brasil a partir do ambiente escolar, proporcionando aos técnicos brasileiros, principalmente aqueles que trabalham com a formação de crianças e adolescentes, informações privilegiadas sobre a inteligência esportiva norte-americana. O objetivo é mostrar que, por meio do basquete, podemos promover a inclusão social, combater a violência e mudar a cultura em relação à educação esportiva.

Filantropia: Quais são os objetivos e público-alvo do SPC?
Marquinhos: O SPC faz parte do Programa Esporte e Cultura Urbana da Seme e tem como foco a realização de diversas atividades para a difusão do streetball e da capoeira, modalidades genuinamente americana e brasileira, respectivamente, que serão usadas para promover o intercâmbio e para a formulação de políticas públicas a partir da cultura urbana. O público-alvo das ações são crianças e adolescentes da periferia.

Filantropia: O projeto será desenvolvido em quais localidades?
Marquinhos: O acordo prevê a visita de grupos de técnicos e atletas às escolas de Nova York e São Paulo, workshops, campings, treinamentos e participação em competições esportivas entre as duas cidades.

Filantropia: Você tem conhecimento sobre o Terceiro Setor nos EUA? Se sim, existe muita diferença entre EUA e Brasil?
Marquinhos: Não conheço muito bem o Terceiro Setor nos EUA, mas sei que ele é muito mais avançado que aqui no Brasil. Os projetos são mais sérios, visto que as verbas liberadas às entidades são realmente direcionadas aos projetos sociais. É claro que também existem os oportunistas, mas em escala bem menor devido à fiscalização.

Filantropia: Para você, qual o maior benefício que o esporte pode trazer a uma criança/adolescente?
Marquinhos: Acredito que o esporte é um meio de envolver a família e a educação das crianças, fatores essenciais para o desenvolvimento do cidadão. Contudo, muitas famílias estão desestruturadas. Então, esperamos reativar o convívio familiar saudável por meio do esporte e garantir que a criança tenha uma educação mais adequada, para que ela possa se tornar um cidadão incluído na sociedade.

Filantropia: Se você pudesse realizar apenas um desejo para melhorar o mundo, o que você pediria?
Marquinhos: Eu desejaria mais cumplicidade de ideais. Que as pessoas estivessem empenhadas e verdadeiramente comprometidas com alguma causa. Se todo mundo fizer sua parte, pelo menos com o que se comprometeu a fazer, teremos um mundo muito melhor.

Link
www.lub.org.br/sportspartner

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
14.822
Oportunidades Cadastradas
9.564
Modelos de Documentos
3.008
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
19 Nov
2019
13º Prêmio Ozires Silva de Empreendedorismo Sustentável
Prazo
24 Nov
2019
Lab Cidadania
Prazo
25 Nov
2019
UNESCO World Heritage Volunteers (WHV 2019) – Let’s...
Prazo
29 Nov
2019
11º Edital SulAmérica Para Apoio a Projetos Sociais
Prazo
15 Dez
2019
SUEZ - Institut de France Award 2019-2020
Prazo
20 Dez
2019
Programa VOA
Prazo
25 Jan
2020
Environmental Curricula Grants
Prazo
31 Mar
2020
United Nations Voluntary Fund on Disability
Prazo
Contínuo
Mitsubishi Corporation Foundation for the Americas
Prazo
Contínuo
Oak Foundation’s - Issues Affecting Women Programme

PARCEIROS VER TODOS