causaoudinheiro?

Por: Custódio Pereira
01 Março 2004 - 00h00
É preciso estimular o aperfeiçoamento e o fortalecimento do captador, assim como sua profissionalização

Em 23 de março de 2003 aconteceu o encontro do primeiro grupo internacional – International Fundraising Summit – formado por 23 representantes de 19 países, sendo eles: Nova Zelândia, Ucrânia, Holanda, Reino Unido, Suíça, Irlanda, Índia, França, Argentina, Chile, Alemanha, Austrália, Itália, EUA, Brasil, Dinamarca, Suécia, Hungria e Noruega. A reunião teve por objetivos conhecer e discutir os códigos de ética em vigor nesses países, e criar um Código Universal de Ética em Captação de Recursos.

O evento foi patrocinado pela AFP (Association of Fundraising Professionals), com o relevante apoio do professor Gene Temple, da Indiana Fundraising School.

Os códigos de ética foram comparados nos pontos em que convergiam ou divergiam entre si. Mesmo entre as nações desenvolvidas, os estágios de maturidade deles são bem diferentes, por causa da cultura específica de cada região na prática profissional de arrecadar recursos.

Um dos temas tradicionalmente polêmicos é o comissionamento, ou seja, o ato de receber uma porcentagem sobre o valor captado. Em tal assunto, o fator comum entre os países que participaram do encontro é que todos proíbem a remuneração baseada em porcentagem dos fundos recebidos.

Por incrível que pareça, esse ponto é de consenso nos códigos de ética, apesar de ser o mais discutido em todo o mundo, inclusive no Brasil. A diretoria da ABCR – Associação Brasileira de Captadores de Recursos – organizou diversas reuniões para discutir se a associação deveria ou não aceitar que o captador recebesse comissão por seu trabalho.

Se a intenção é fortificar o Terceiro Setor, precisa-se estimular o aperfeiçoamento e o fortalecimento do captador, assim como sua profissionalização. Causas poderão ser melhor atendidas se a instituição tiver mais recursos e, para isso, é necessário ter pessoas competentes, treinadas e eticamente envolvidas com a missão. O captador é um executivo como qualquer outro profissional, que tem o salário fixado pelo mercado.

O argumento usado principalmente pelas instituições de pequeno e médio porte sempre é: como vou pagar o profissional se não tenho recursos? Isto é, “nada mais justo que a remuneração por comissionamento”, quando todos “ganham”. Com tal raciocínio, essas instituições têm como “contratar” o executivo de captação de recursos. O comissionamento encoraja o abuso, pois passa a ser um fim em si mesmo: captar mais, para receber mais.

O captador como funcionário assalariado, assim como os demais na instituição, terá maior ligação com a causa e com a própria entidade. Uma análise a se fazer: se o doador souber que parte de sua contribuição irá para o intermediário, ele não concordará em ajudar; no entanto, o doador concordará em auxiliar se souber que a organização precisa pagar os salários das enfermeiras, do contador etc. Muitas vezes a comissão é alta, pois é oferecida infra-estrutura de telefone e de pessoas.

O tema certamente não é fácil. O assunto é constantemente levantado e discutido inclusive nas culturas que já possuem o próprio código de ética.

Há mais de 100 anos, os americanos aprenderam que é possível conseguir mais fundos, maior envolvimento e credibilidade ao se pagar salários, em vez de comissões. Mesmo com essa tradição, a Suprema Corte dos Estados Unidos teve de julgar recentemente o caso Madigan x Telemarketing Associates, um exemplo do uso de comissionamento na captação. No caso, a comissão cobrada era de 85%, sobrando no máximo 15% para a causa. Provavelmente, se o doador soubesse, não teria doado um centavo sequer.

É evidente que o Brasil, que está engatinhando no aprendizado da captação de recursos profissionalizada e ética, enfrentará dificuldades ainda maiores por causa da cultura e do hábito.

Vale repetir que todos os países que já possuem os respectivos códigos de ética, apesar da polêmica e das “tentações”, mantêm firme sua discordância em relação à remuneração comissionada.

Não existe uma resposta definitiva para esse debate, que merece contínua atenção e análise experimental. Assim, não se corre o risco de perder o verdadeiro sentido da arrecadação de meios: auxiliar aqueles que realmente precisam de ajuda.

Tudo o que você precisa saber sobre Terceiro setor a UM CLIQUE de distância!

Imagine como seria maravilhoso acessar uma infinidade de informações e capacitações - SUPER ATUALIZADAS - com TUDO - eu disse TUDO! - o que você precisa saber para melhorar a gestão da sua ONG?

Imaginou? Então... esse cenário já é realidade na Rede Filantropia. Aqui você encontra materiais sobre:

Contabilidade

(certificações, prestação de contas, atendimento às normas contábeis, dentre outros)

Legislação

(remuneração de dirigentes, imunidade tributária, revisão estatutária, dentre outros)

Captação de Recursos

(principais fontes, ferramentas possíveis, geração de renda própria, dentre outros)

Voluntariado

(Gestão de voluntários, programas de voluntariado empresarial, dentre outros)

Tecnologia

(Softwares de gestão, CRM, armazenamento em nuvem, captação de recursos via internet, redes sociais, dentre outros)

RH

(Legislação trabalhista, formas de contratação em ONGs etc.)

E muito mais! Pois é... a Rede Filantropia tem tudo isso pra você, no plano de adesão PRATA!

E COMO FUNCIONA?

Isso tudo fica disponível pra você nos seguintes formatos:

  • Mais de 100 horas de videoaulas exclusivas gratuitas (faça seu login e acesse quando quiser)
  • Todo o conteúdo da Revista Filantropia enviado no formato digital, e com acesso completo no site da Rede Filantropia
  • Conteúdo on-line sem limites de acesso no www.filantropia.ong
  • Acesso a ambiente exclusivo para download de e-books e outros materiais
  • Participação mensal e gratuita nos eventos Filantropia Responde, sessões virtuais de perguntas e respostas sobre temas de gestão
  • Listagem de editais atualizada diariamente
  • Descontos especiais no FIFE (Fórum Interamericano de Filantropia Estratégica) e em eventos parceiros (Festival ABCR e Congresso Brasileiro do Terceiro Setor)

Saiba mais e faça parte da principal rede do Terceiro Setor do Brasil:

Acesse: filantropia.ong/beneficios

BAIXE GRATUITAMENTE
E-book Como começar uma⠀ONG

BAIXE GRATUITAMENTE

BAIXE GRATUITAMENTE
E-book 18 PASSOS essenciais para ajudar sua ONG

BAIXE GRATUITAMENTE

EDITAIS
23.290
Oportunidades Cadastradas
9.597
Modelos de Documentos
4.132
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
1 Out
2021
The Land Accelerator - América Latina
Prazo
1 Ago
2021
AAAS Kavli Science Journalism Awards
Prazo
Contínuo
Super Desafio COVID-19 - Startups
Prazo
10 Ago
2021
The Chelsea International Photography Competition 2021
Prazo
5 Jun
2021
Prêmio Excelência em Competitividade 2021
Prazo
15 Dez
2021
Premio Iteramericano a Las Buenas Práticas para el...
Prazo
15 Jun
2021
FAPESP / M-ERA.NET 2021 – Ciência de Materiais e...
Prazo
Contínuo
Adobe Creative Residency Community Fund
Prazo
15 Jun
2021
Professional Fellowship 2021
Prazo
15 Jun
2021
2º Call for Partnerships - Global Media Defence Fund

PARCEIROS VER TODOS