Ativismo social

Por: Juliana Fernandes
19 Fevereiro 2013 - 23h22

Karina Bacchi mostra como ajudar ao próximo faz bem à alma

Engajada em causas sociais importantes, a atriz, apresentadora, escritora e modelo Karina Bacchi vem, ao longo dos anos, sendo exemplo de consciência humanitária, solidariedade e filantropia. Desde 1990, ela realiza junto à ONG Florescer um trabalho social voluntário na comunidade de Paraisópolis, em São Paulo, que hoje beneficia aproximadamente 800 crianças e tem o reconhecimento e a parceria da Unesco.

Em 2005, Karina foi nomeada, pelo Ministério da Saúde, embaixadora brasileira em campanhas de conscientização – em especial a Campanha Brasileira contra Tuberculose e Brasil Livre da Rubeola. É parceira e incentivadora de dezenas de instituições e projetos que visam à ação por um mundo mais justo e mais humano. Entre elas: SOS Mata Atlântica, Ação Criança, Associação dos Amigos do Menor pelo Esporte Maior (Amem), Soma, Pestalozzi, Inverno sem Frio e Casa da Sopa. Em entrevista à Revista Filantropia, ela conta sobre a sua trajetória social e suas expectativas em prol do Terceiro Setor.

Revista Filantropia: Em que momento da sua vida surgiu a vocação para o trabalho social?
Karina Bacchi: Sempre acompanhei os trabalhos da minha mãe, que se dedica há mais de 20 anos em prestar um serviço eficiente com a ONG Florescer.

RF: Desde 1990, você apoia a Associação Nadia Rubio Bacchi (Ong Florescer), fundada por sua mãe, a empresária Nadia Bacchi. Conte-nos um pouco sobre o projeto e a sua atuação.

KB: A ONG Florescer atua na Comunidade de Paraisópolis, em São Paulo, e atende a aproximadamente 800 crianças carentes, fornecendo cursos de reforço escolar, inglês, música, teatro, futebol etc. Minha mãe é a fundadora e presidente da ONG, e eu sou a madrinha. Ajudo de várias formas: já escrevi livros cujo valor arrecadado com a venda foi em prol da ONG, fiz a doação do prêmio de “A Fazenda” [reality show da Rede Record], colaboro na divulgação e estou presente sempre que posso nos eventos.

RF: Em 2009, você foi a grande vencedora da segunda temporada do reality show “A Fazenda”. Com o prêmio, você então cumpriu um propósito pessoal e doou o valor à ONG Florescer. Como foi essa decisão?

KB: Ganhar “A Fazenda” foi uma vitória pessoal, e a doação do prêmio já era um desejo meu antes de entrar no reality. Veio em ótima hora e ajudou muito a ONG Florescer.

RF: Em entrevista à Revista Caras, você declarou que “Faz bem à alma poder ajudar”. Que outras ‘transformações’ positivas acontecem na vida daqueles que, como você, dedicam-se às causas sociais?

KB: Damos mais valor à vida e ao que temos. Ajudar é também uma forma de gratidão. Aprendemos que o valor das coisas está na simplicidade, num sorriso, no afeto.

RF: Além do seu trabalho como atriz e apresentadora, você também já escreveu dois livros: Felizka (2004) e Código K (2005). Com o Felizka, foi contemplada com o Prêmio Quality Cultural. Como foi essa experiência e de que forma surgiu a ideia para o projeto?

KB: A ideia surgiu pela proximidade com as crianças, pela vontade de escrever algo com uma mensagem positiva e otimista. Deu muito certo! Realizei-me, as crianças amaram e ainda ajudei a ONG com a venda dos livros.

RF: Em 2005, você foi nomeada pelo Ministério da Saúde como embaixadora brasileira em campanhas de conscientização na área de saúde. Como foi receber este título?

KB: Foi uma surpresa e uma alegria muito grande. Ser nomeada embaixadora pelo Ministério da Saúde é uma responsabilidade e tanto. Foi muito especial.

RF: Depois de tantos anos de dedicação às causas sociais, quais são os seus grandes sonhos ou expectativas em prol do Terceiro Setor?

KB: Eu sou uma pessoa que colabora com diversas causas sociais sérias, e acredito nelas. Ajudo sempre que posso e meu grande desejo é ver mais e mais pessoas engajadas nestas ações. Só com união é possível haver transformação. E eu faço a minha parte.

RF: Sempre que possível você empresta seu carisma a instituições como Pestalozzi, GRAACC, IBCC e Ação Criança. Para você, apesar da correria do dia a dia, é fundamental existir uma relação efetiva com elas?

KB: Quando aceito colaborar, eu o faço de corpo e alma. Aproveito ao máximo o tempo que tenho com as crianças, conheço a instituição, divulgo, dedico-me. Na minha opinião, o que vale é o prazer em ajudar. Fazer com vontade, entusiasmo. Fazer uma foto é só uma pequenina parte; o envolvimento vale muito mais, pra mim e pra elas também!

 

 

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
15.490
Oportunidades Cadastradas
9.585
Modelos de Documentos
3.095
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
15 Abr
2020
1º Concurso Sua Arte no Livro Didático - FNDE
Prazo
20 Mar
2020
IX Prêmio Fotografia-Ciência & Arte - CNPq
Prazo
2 Fev
2019
7º Edital SECMA - Seleção de Projetos Audiovisuais...
Prazo
1 Mar
2020
2ª Chamada de artigos Censo GIFE
Prazo
23 Mar
2020
World Habitat Awards 2020
Prazo
31 Mar
2020
United Nations Voluntary Fund on Disability
Prazo
Contínuo
Mitsubishi Corporation Foundation for the Americas
Prazo
Contínuo
Oak Foundation’s - Issues Affecting Women Programme
Prazo
Contínuo
Apoio Emergencial para organizações indígenas na...
Prazo
Contínuo
Fundo Regenerativo Brumadinho

PARCEIROS VER TODOS