Aprendizagem + emprego: fórmula perfeita

Por: Valeuska de Vassimon
01 Julho 2008 - 00h00

Muitas vezes, o primeiro emprego no Brasil é um sonho distante para jovens de baixa renda e escolaridade. No entanto, entidades sem fins lucrativos, em parceria com o governo, empresas ou institutos privados, tratam de transformar esse sonho em realidade. Com o intuito de promover o aprendizado e a inserção de jovens carentes no mercado de trabalho, as organizações que lidam com educação profissional têm tido bons resultados.

É o caso do Instituto Profissionalizante Paulista (IPP), fundado em 2004 por iniciativa do Rotary Club São Paulo, em parceria com o Citi. Com quase 1.400 alunos formados e 280 inseridos no mercado de trabalho, a ONG oferece cursos profissionalizantes com duração de 760 horas e, por meio das empresas parceiras, realiza a busca por vagas para os aprendizes. “Negociamos com as empresas, analisamos os benefícios, contatamos os pais dos jovens. Durante todo o tempo, eles têm nossa tutela e são avaliados por uma assistente social”, conta Kátia Drügge, superintendente do instituto. “Embora as micro e pequenas empresas não sejam obrigadas a seguir a Lei do Aprendiz, muitas nos procuram com o objetivo de colocar em prática sua responsabilidade social. Isso é muito importante, porque muitas vezes o primeiro emprego dá um sentido de vida ao jovem”, afirma.

Também seguindo as disposições da lei federal, o projeto Patrulheiro Mirim, em Monte Alto, no interior de São Paulo, já capacitou 580 adolescentes, dos quais 315 foram inseridos no mercado de trabalho. Em parceria com o Senac de Jaboticabal – cidade a 16 km do município – e a prefeitura de Monte Alto, os alunos têm uma carga de 15 horas semanais, com aulas que abordam temas como saúde e qualidade de vida, marketing pessoal, atitude empreendedora e informática, entre outros.

“Após a contratação das empresas e a evolução profissional de nossos alunos, constatamos 75% de sucesso, e observamos uma transformação da expectativa de futuro por parte dos menores aprendizes”, afirma Julio César Caetano, coordenador administrativo da Associação de Amparo e Profissionalização do Adolescente e Defesa do Meio Ambiente (Aprodema).

A maior dificuldade, no entanto, é em relação à captação de recursos na iniciativa privada para a capacitação e formação do menor aprendiz. “Apesar de nossas mobilizações, infelizmente não obtivemos êxito nesta esfera. Atualmente as estruturas organizacional e pedagógica são subsidiadas pela prefeitura”, conta Caetano, ressaltando que a sociedade do município contribui com a contratação dos jovens.

O programa ProJovem, lançado no ano passado pelo governo federal (que unificou as ações do Consórcio Social da Juventude e Juventude Cidadã) também promove o emprego de jovens carentes entre 18 e 29 anos.

Só em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, foram oferecidas 10 mil vagas na construção civil no começo de 2008, em parceria com a prefeitura da cidade.

Cumprindo outra lei federal (lei nº 8.213/91), e com o intuito de aumentar as chances de inserção de pessoas com deficiência nas grandes empresas está o Instituto de Pesquisas Eldorado, em Campinas, no interior de São Paulo. A capacitação dos jovens é realizada pelo projeto Oficina do Futuro, que ministra, além dos aspectos técnicos, módulos de cidadania, preparação para o trabalho e etiqueta corporativa.

“Estamos aguardando patrocínio de empresas para dar início a novas turmas, mas já foi possível notar os resultados positivos do projeto-piloto”, conta Wagner Faneco, assessor da Oficina do Futuro. Ele ressalta que, dos 19 alunos com deficiência física ou auditiva que concluíram os cursos de montagem eletrônica e tecnologia da informação, três já foram contratados e o restante está participando de processos seletivos.

Já a Fundação Idepac, em parceria com a empresa Contmatic Phoenix, empregou cerca de 6 mil jovens carentes desde 2005, sendo que 620 aprendizes conseguiram inserção no mercado de trabalho. “Começamos com um curso de 500 horas e aumentamos para mil horas/aula. Hoje temos mais de 14 mil empresários de micro e pequenas empresas que buscam nossa mão-de-obra qualificada”, afirma Sérgio Contente, presidente da fundação.

Só no primeiro trimestre de 2008, pelo menos 59 alunos garantiram seu primeiro emprego nas áreas de informática e administração. “O empresário nos telefona e escolhe se ele mesmo irá selecionar o aprendiz ou se podemos fazer isso por ele”, conta. Sérgio lembra que a única dificuldade encontrada até hoje pela fundação é o fato de alguns escritórios exigirem que o aprendiz resida próximo ao local de trabalho. “O escritório nunca está na periferia. Sem querer, é um erro que o empresário comete e que acaba excluindo o menor”, explica o presidente.

Como atuar na área

Apenas as organizações registradas no Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA) podem ministrar cursos de aprendizagem e educação profissional. Em relação aos aprendizes entre 18 e 24 anos e pessoas com deficiência, não há nenhuma regulamentação específica. “Os programas de aprendizagem devem ser aprovados pelo CMDCA onde a entidade é registrada, e a fiscalização é feita pelos agentes do Ministério do Trabalho e Conselhos Tutelares”, afirma o advogado Otavio Marques da Costa.

Embora não existam incentivos fiscais específicos para projetos vinculados à Lei do Aprendiz, na prática, todos os programas governamentais são realizados em parceria com as ONGs, segundo a advogada Adriana Carvalho. “A entidade deve entrar em contato com o poder público por meio das secretarias responsáveis pelos programas para saber as condições e inscrições necessárias às parcerias.”

Lei do Aprendiz

Conforme determinação da CLT, todos os estabelecimentos são obrigados a cumprir a cota de aprendizagem, variando entre 5 e 15%, com exceção das micro e pequenas empresas, além das entidades sem fins lucrativos que trabalhem com educação profissional.

Já a Lei do Aprendiz (lei nº 10.097/2000, lei nº 11.180/2005 e o decreto nº 5.598/2005) visa regular a contratação de aprendizes entre 14 e 24 anos, por meio de um contrato de trabalho especial em que o empregador garanta o aprendizado através de aulas teóricas e práticas, bem como o emprego do aprendiz, visando sua formação profissional.

O contrato gera vínculo empregatício e tem um prazo máximo de dois anos. Para sua validade, é necessário o registro em carteira e a inscrição do jovem aprendiz no programa de aprendizagem – realizado por entidades do Sistema S (Senai, Senac, Senar, Senat e Sescoop) – ou escolas técnicas e ONGs registradas no CMDCA.

O aprendiz tem direito ao salário-mínimo-hora e sua jornada não pode exceder seis horas diárias, ou oito horas, caso tenha concluído o ensino fundamental e as horas de aprendizagem teórica estiverem incluídas.

Links
www.eldorado.org.br
www.idepac.org.br
www.ipp.org.br
www.projovem.org.br

 

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
22.766
Oportunidades Cadastradas
9.597
Modelos de Documentos
4.060
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
3 Mai
2021
25º Concurso Inovação no Setor Público
Prazo
26 Abr
2021
15º Edital Funcultura Audiovisual
Prazo
Contínuo
Super Desafio COVID-19 - Startups
Prazo
21 Mai
2021
Projetos Sociais por Leis de Incentivo 2021
Prazo
14 Mai
2021
Edital de Seleção - Projetos Sociais
Prazo
11 Mai
2021
Prince Claus Seed Awards 2021
Prazo
10 Mai
2021
Para Mulheres na Ciência 2021
Prazo
Contínuo
Adobe Creative Residency Community Fund
Prazo
17 Mai
2021
PhotoContest 2021
Prazo
23 Mai
2021
9ª Convocatoria de Ayudas

PARCEIROS VER TODOS