Aperfeiçoando os relatórios de sustentabilidade

Por: Cyrille Beller
01 Março 2005 - 00h00
A produção de relatórios extrafinanceiros – chamados internacionalmente de relatórios de sustentabilidade –, como balanços sociais e ambientais, já está se tornando uma prática anual para muitas empresas brasileiras. O relatório é a ferramenta de comunicação que possibilita o entendimento e acompanhamento do desempenho das empresas em suas várias dimensões. Deve ser entendido como uma ampliação de escopo – para refletir as dimensões social e ambiental – dos atuais relatórios anuais, que contêm informações sobre a estratégia e desempenho econômico e financeiro da empresa. Esse esforço de relato das organizações responde a uma demanda de transparência crescente quanto à maneira de dirigir os negócios e de atuar de forma responsável em relação à sociedade e ao planeta.

Como prática razoavelmente recente, a publicação desses relatórios enfrenta algumas dificuldades, como, por exemplo, a falta de padronização e a quantidade enorme de normas, leis e princípios de atuação social e ambiental, além de vários procedimentos de certificação. Apesar do lançamento de guias de elaboração, como o Guia de Elaboração de Relatório e Balanço Anual de Responsabilidade Social Empresarial, do Instituto Ethos, e internacionalmente o guia da Global Reporting Initiative (GRI), a elaboração do relatório de sustentabilidade é um exercício complexo. Frente às várias normas sociais e ambientais que são desenvolvidas e lançadas internacionalmente, como ISO, SA8000 e AA1000, às iniciativas como o Global Compact e às necessidades de implantação de sistemas de informação ricos em indicadores, mas desconectados da Responsabilidade Social Corporativa (RSC), as empresas têm dificuldades para encontrar o caminho da produção de relatórios de qualidade.

O reflexo dessa situação é que, em geral, os relatórios nacionais estão ainda muito focados em projetos sociais e, em conseqüência, a identificação dos impactos e das políticas de Responsabilidade Social Corporativa elaboradas é pouco presente, o que tende a desvalorizar o relatório perante os públicos potenciais e limita sua utilização como ferramenta de gestão ou de engajamento.

Para construir e melhorar os relatórios extrafinanceiros, as empresas precisam entender suas necessidades frente aos desafios dos negócios como um todo, integrando as questões sociais, ambientais e de governança. Antes de comparar os relatórios a benchmarks (teste que mede performance) usuais e levantar falhas, é preciso identificar e construir o “benchmark ideal” para a empresa, considerando as próprias necessidades, objetivos e peculiaridades.

O relatório de sustentabilidade é, antes de tudo, o reflexo do andamento da empresa no caminho da sustentabilidade. Além de uma peça de comunicação destinada à análise dos stakeholders da empresa, ele é também excelente ferramenta de gestão interna, pois permite medir, de maneira dinâmica, a evolução da empresa em relação a seus objetivos, constatar e corrigir erros de direcionamento ou de estratégia, definir e quantificar um esforço por meio do tempo. Um relatório bem elaborado pode tanto influenciar o comportamento e as decisões dos stakeholders, quanto permitir engajá-los, tornando-se uma ferramenta de gestão essencial à conduta de uma estratégia de desenvolvimento sustentável.

Tudo o que você precisa saber sobre Terceiro setor a UM CLIQUE de distância!

Imagine como seria maravilhoso acessar uma infinidade de informações e capacitações - SUPER ATUALIZADAS - com TUDO - eu disse TUDO! - o que você precisa saber para melhorar a gestão da sua ONG?

Imaginou? Então... esse cenário já é realidade na Rede Filantropia. Aqui você encontra materiais sobre:

Contabilidade

(certificações, prestação de contas, atendimento às normas contábeis, dentre outros)

Legislação

(remuneração de dirigentes, imunidade tributária, revisão estatutária, dentre outros)

Captação de Recursos

(principais fontes, ferramentas possíveis, geração de renda própria, dentre outros)

Voluntariado

(Gestão de voluntários, programas de voluntariado empresarial, dentre outros)

Tecnologia

(Softwares de gestão, CRM, armazenamento em nuvem, captação de recursos via internet, redes sociais, dentre outros)

RH

(Legislação trabalhista, formas de contratação em ONGs etc.)

E muito mais! Pois é... a Rede Filantropia tem tudo isso pra você, no plano de adesão PRATA!

E COMO FUNCIONA?

Isso tudo fica disponível pra você nos seguintes formatos:

  • Mais de 100 horas de videoaulas exclusivas gratuitas (faça seu login e acesse quando quiser)
  • Todo o conteúdo da Revista Filantropia enviado no formato digital, e com acesso completo no site da Rede Filantropia
  • Conteúdo on-line sem limites de acesso no www.filantropia.ong
  • Acesso a ambiente exclusivo para download de e-books e outros materiais
  • Participação mensal e gratuita nos eventos Filantropia Responde, sessões virtuais de perguntas e respostas sobre temas de gestão
  • Listagem de editais atualizada diariamente
  • Descontos especiais no FIFE (Fórum Interamericano de Filantropia Estratégica) e em eventos parceiros (Festival ABCR e Congresso Brasileiro do Terceiro Setor)

Saiba mais e faça parte da principal rede do Terceiro Setor do Brasil:

Acesse: filantropia.ong/beneficios

BAIXE GRATUITAMENTE
E-book Como começar uma⠀ONG

BAIXE GRATUITAMENTE

BAIXE GRATUITAMENTE
E-book 18 PASSOS essenciais para ajudar sua ONG

BAIXE GRATUITAMENTE

PARCEIROS VER TODOS