Apae Teresina abre as portas e mostra eficiência

Por: Felipe Mello, Roberto Ravagnani
01 Outubro 2005 - 00h00

O Censo 2000 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apresentou a seguinte informação: 14,5% da população brasileira tem algum tipo de incapacidade ou deficiência. São pessoas com pelo menos alguma dificuldade de enxergar, ouvir, locomover-se, com deficiência física ou mental. Traduzindo a porcentagem, o resultado chega a aproximadamente 24,6 milhões de pessoas.

No mês de setembro deste ano, os diretores da ONG Canto Cidadão, Felipe Mello e Roberto Ravagnani, estiveram em Teresina, capital do Piauí, e conheceram de perto o trabalho desenvolvido pela unidade local de uma das mais famosas instituições da área. Entre muitos eventos, a expedição de cidadania visitou a Apae da cidade, que existe desde 1968, quando foi fundada por iniciativa do professor João Porfírio de Lima Cordão e de sua esposa, a também professora Maria do Socorro de Sá Lima.

A diretora da entidade, Dolores Bomfim, conta que João e Maria foram pais de uma criança portadora de deficiências mental profunda, visual, auditiva, muda, cardiopática e com raquitismo patológico acentuado. Motivos potencialmente causadores de rancor, mas que foram revertidos em uma obra de altruísmo que sobrevive até hoje.

O estudo do IBGE reserva ao Piauí uma estatística mais elevada do que a média, no que se refere à parcela da população portadora de algum tipo de deficiência. No estado, essa parcela corresponde a 17,6%. Número bastante significativo: 20% acima da média nacional e quase 80% acima da estimativa da Organização Mundial da Saúde (OMS), de que aproximadamente 10% de qualquer população é portadora de algum tipo de deficiência.

Demanda suficiente para contar com a atenção e o empenho de uma equipe grande de profissionais. Segundo Dolores Bomfim, “atualmente a Apae Teresina possui 354 alunos de 0 a 14 anos, que estudam, adquirem cultura, praticam lazer e esporte”. A organização ainda oferece reabilitação, tratamento, estimulação precoce, iniciação profissional, apoio à família e assistência médica e odontológica.


Transformando a realidade

Entre tantos aspectos que chamam a atenção no local, destaca-se o desenvolvimento de ações que visam a inclusão social do público atendido. E na Apae Teresina essa preocupação é evidente pela atenção dada às questões de escolaridade, introdução à literatura e informática. Dolores conta que a entidade possui um laboratório com computadores de boa qualidade para aulas práticas e educativas, que são ferramentas importantes para a construção do conhecimento e desenvolvimento de habilidades motoras e cognitivas.

O investimento na preparação de crianças e jovens faz muito sentido, uma vez que 32,9% da população sem instrução ou com menos de três anos de estudo possui alguma deficiência. As proporções de portadores de deficiência caem quando aumenta o nível de instrução, chegando a 10% de portadores de deficiência entre as pessoas com mais de 11 anos de estudo.

O reflexo se dá na dificuldade de entrada no mercado de trabalho, especialmente para os portadores de deficiência mental: somente 19,3% das pessoas que declararam apresentar deficiência mental permanente estão ocupadas. As outras incapacidades permitem uma inserção maior no mercado de trabalho: incapacidade física ou motora tem 24,1%, dificuldade na audição, 34%, e dificuldade para enxergar, 40,8%. Para quem não apresenta nenhuma dessas deficiências, a proporção de pessoas ocupadas sobe para 49,9%.

É importante esclarecer que a pessoa portadora de deficiência é aquela que se diferencia do nível médio dos indivíduos em relação a uma ou várias características físicas, mentais ou sensoriais, de forma a exigir atendimento especial com referência a sua educação, desenvolvimento, integração e inclusão social. Dispensável explicitar que também no atendimento a essa parcela da população o poder público, em todas as esferas, deixa muito a desejar. Em quantidade e em qualidade.

O resultado, pela visão negativa, é o sofrimento de um contingente enorme. “Olhando o copo meio cheio”, a omissão e incompetência do Estado intimam e motivam a sociedade civil a se organizar, contribuindo para o equilíbrio social e exercitando a cidadania. “A dedicação à causa da Apae é resultado de uma necessidade evidente, uma vez que 50% dos portadores de deficiência no Brasil são deficientes mentais, de acordo com a Federação Nacional das Apaes”, relata a diretora da unidade.


Enfrentando desafios

O desafio é ampliado ao passo que fica nítido o misto de preconceito, desinformação e desinteresse de uma grande parte da população, assim como de empresas que contribuem com projetos de responsabilidade social. Basta verificar os relatórios de investimento na área e comprovar que a maioria esmagadora dos recursos vai para projetos de educação de crianças normais.

E para manter e desenvolver seus trabalhos, a Apae Teresina recorre a diversas fontes, tais como convênios com o Ministério da Assistência Social, a Secretaria Estadual da Educação/PI, a Secretaria Estadual de Saúde/PI, a Fundação Municipal de Saúde e a Prefeitura Municipal de Teresina. Esses parceiros participam por intermédio de convênios (pagamento por atendimento realizado), recurso para merenda escolar, contratação de professores, realização de teste do pezinho e cessão de dentistas e médicos.

Além das parcerias com órgãos públicos, a organização também realiza eventos como uma tradicional feijoada. “É a melhor do Piauí. São centenas e centenas de pessoas que compram a camiseta (ingresso) e vem saborear nosso prato principal  E o melhor, a sobremesa é a certeza da continuidade dos nossos projetos”, informa Dolores.

Ainda são realizados bingos e bazares com brinquedos e outros produtos doados pela Receita Federal – de acordo com a lei que permite que itens apreendidos sejam doados a organizações sociais sem fins lucrativos devidamente registradas Outra ação da Apae nacionalmente conhecida é a venda de cartões de Natal e o sorteio de brindes mais expressivos, como automóveis. São eventos encabeçados pela direção central da entidade e que conta com a participação das unidades espalhadas por todo o país.


Atuação

A instituição atende a população com diversos graus de deficiência, além de trabalhar paralelamente na prevenção, especialmente pela realização do “teste do pezinho” – cujo objetivo é detectar precocemente erros inatos do metabolismo, responsáveis por diversas doenças que podem causar lesões irreversíveis (retardo mental). 

A visita revelou dois pontos fundamentais para a melhoria do dia-a-dia da Apae Teresina: captação e manutenção de voluntários e comunicação externa. Atualmente, são apenas quatro voluntários com dedicação regular. Além disso, a organização, repleta de boas notícias para compartilhar e solicitações a fazer, ainda não possui uma página na rede mundial de informações.

Sem dúvida alguma são deficiências que podem ser brevemente reparadas, para que a Apae Teresina invista cada vez com mais qualidade o seu tempo, competência e carinho na melhoria da qualidade de vida dos portadores de deficiências atendidos por ela.

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
19.064
Oportunidades Cadastradas
9.597
Modelos de Documentos
3.404
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
30 Jun
2020
Linha emergencial de crédito Conexsus
Prazo
Patrocínio BS2
Prazo
31 Jul
2020
GlobalGiving Accelerator - Virtual Training Program...
Prazo
30 Nov
2020
Stop Slavery Award 2021
Prazo
31 Jul
2020
AEB - Chamamento Público para lançamentos a partir...
Prazo
4 Set
2020
Ideias para o Futuro
Prazo
Matchfunding Enfrente o Corona
Prazo
1 Ago
2020
Todos os olhos na Amazônia
Prazo
1 Ago
2020
The IFREE Small Grants Program
Prazo
31 Dez
2020
Patrocínios e Doações - Instituto Usiminas

PARCEIROS VER TODOS