A voz do colaborador

Por: Revista Filantropia
01 Maio 2009 - 00h00

De acordo com a Points of Light Foundation, organização norte-americana que incentiva o voluntariado em todo o mundo, “um programa de voluntariado empresarial é o apoio formal e organizado de uma empresa a empregados e aposentados que desejam servir voluntariamente uma comunidade com seu tempo e habilidades”. Ou seja: é o apoio ao colaborador. É o funcionário quem participa da estruturação de um programa de voluntariado e quem se responsabiliza pelas ações, atuando com o auxílio da empresa. O contrário – uma empresa que determina o encaminhamento das ações de voluntariado e as oferece a seus colaboradores – pode ser muito negativo para a participação voluntária e social. Vejamos o porquê:

  • O programa empresarial deve preservar a participação facultativa, isto é, o engajamento dos funcionários não pode ser imposto. Uma empresa que determina o que e quando seus funcionários farão atividades voluntárias cria um vínculo de participação obrigatória e o distancia da solidariedade inerente a essas ações;
  • O trabalho não deve ser recompensado, de forma direta ou indireta – a recompensa por essas ações, além de descaracterizar a atividade voluntária, faz com que colaboradores engajados e outros com menos interesses “solidários” entrem em um conflito direto, prejudicando as ações voluntárias e até mesmo o trabalho remunerado;
  • O empregado determina, junto com colegas, o público de interesse – a motivação é um elemento fundamental em um programa de voluntariado empresarial. Mesmo que o público a ser beneficiado, determinado pelos colaboradores engajados com as atividades voluntárias, não seja o de interesse da empresa na relação com a comunidade, é a possibilidade de escolha que traz o sucesso e a perenidade das atividades.
  • Empresas nem sempre determinam ações “sociais” como mote do voluntário – exemplos de empresas que tentam envolver seus funcionários em atividades adequadas a interesses comerciais resultam, invariavelmente, em descrédito por parte do colaborador e no enfraquecimento das iniciativas voluntárias na empresa. O programa precisa ser um espaço democrático no qual os voluntários possam debater os rumos a serem seguidos, influir nas decisões, ter a certeza de que o programa pertence aos funcionários.

Destacamos alguns pontos que determinam efetivamente o “naufrágio” ou a falta de adesão a um programa de voluntariado empresarial, porque a experiência do Centro de Ação Voluntária de Curitiba mostra que o insucesso de um programa de incentivo ao voluntariado em um período determina a falta de engajamento às ações sociais da empresa por um longo período. Ao se implantar, desenvolver e apoiar um programa de voluntariado em uma empresa, é preciso ter em mente que o programa pertence aos colaboradores e são eles que determinam o encaminhamento das ações. Não faltam ferramentas para proporcionar esse engajamento que, além de trazer satisfação pessoal para os colaboradores, ainda implicam em benefícios junto à comunidade para a empresa.

Link
www.acaovoluntaria.org.br

e-mail
acao@acaovoluntaria.org.br

Telefone
(41) 3322-8076

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
19.064
Oportunidades Cadastradas
9.597
Modelos de Documentos
3.404
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
30 Jun
2020
Linha emergencial de crédito Conexsus
Prazo
Patrocínio BS2
Prazo
31 Jul
2020
GlobalGiving Accelerator - Virtual Training Program...
Prazo
30 Nov
2020
Stop Slavery Award 2021
Prazo
31 Jul
2020
AEB - Chamamento Público para lançamentos a partir...
Prazo
4 Set
2020
Ideias para o Futuro
Prazo
Matchfunding Enfrente o Corona
Prazo
1 Ago
2020
Todos os olhos na Amazônia
Prazo
1 Ago
2020
The IFREE Small Grants Program
Prazo
31 Dez
2020
Patrocínios e Doações - Instituto Usiminas

PARCEIROS VER TODOS