A mudança começa aqui

Por: Rodrigo Alvarez
01 Janeiro 2010 - 00h00

Estava eu a caminho do International Fundraising Congress (IFC), mais badalado congresso de captação de recursos do mundo, no trem que liga Londres a Amsterdã. Ia a trabalho, junto com uma equipe de dez pessoas da Resource Alliance, organização inglesa que realiza o IFC desde 1981 e chegou ao Brasil em 2008.

Chegamos a Amsterdã depois de seis horas de uma agradável viagem. Eu imaginava que viajávamos de trem por economia, mas só então descobri que o motivo era ambiental. Apesar de ser um pouco mais caro (sim, mais caro!) que o mesmo trecho de avião, era mais ambientalmente responsável. Começávamos a viver o tema do IFC deste ano – mudar o mundo – antes mesmo de o evento começar.
Após um ano da crise financeira que abalou também os captadores de recursos, a mensagem principal do IFC deste ano era: change starts here (a mudança começa aqui). Foi uma forma de acordar do transe da crise e olhar o que de mais maravilhoso está acontecendo no mundo. Na plenária de abertura, duas senhoras africanas falaram com o coração na ponta da língua. Lembro-me mais claramente de Stella Maravanyika, ativista de direitos humanos expulsa de seu país, Zimbabwe. Ela vive em Londres desde 2002 dando suporte a pessoas vindas de lá que necessitam de asilo, comida, roupas.

Também fiquei muito impressionado com a fala de um senhor inglês chamado John Hillary, coordenador executivo da War on Want, que luta contra a pobreza em países em desenvolvimento junto a pessoas afetadas pela globalização. Além da fala articulada e clara, o recado principal foi: “a pobreza é política. As decisões de políticos e empresas em países ricos podem significar a morte ou a vida para pessoas que vivem em países em desenvolvimento”. Ele terminou dando exemplos de movimentos de resistência que estão surgindo no mundo todo, e citou, entusiasmado, o exemplo do Movimento dos Sem Terra no Brasil.

Mas essa era apenas a plenária de abertura, inspiradora, com jogos de luz e música, como em um espetáculo. Os conteúdos do IFC e seus palestrantes-show viriam nos dias seguintes. Os três dias que se seguiram foram de muita informação – no programa principal havia 37 temas de oficinas divididas em cinco macrotemas:

  • Além da Captação de Recursos (Beyond Fundraising);
  • Captação de Recursos com Empresas (Corporate);
  • Captação de Recursos com Indivíduos (Individuals);
  • Grandes Doações (Major Gifts);
  • Financiamento Institucional (Institutional Funding).

Desses 37 temas, 21 (mais da metade) eram sobre indivíduos. Este é um assunto pouco explorado no Brasil, mas é de longe o tema de maior atenção dos captadores de recursos profissionais acima da linha do Equador. No mundo todo, de 75 a 80% dos recursos para causas provêm de doações individuais. É certo que o trabalho com indivíduos leva tempo e precisa de investimento para ser iniciado. Talvez por isso nossas ONGs e entidades, pequenas e com recursos escassos, vão demorar um pouco mais para descobrir o que as grandes ONGs internacionais já sabem – captar recursos com indivíduos é mais divertido e traz resultados mais sustentáveis em longo prazo.

Além das sessões do programa principal, ainda havia outros dois tipos de sessões: O IFC Live Sessions, filmadas em um auditório que imitava um estúdio de TV, e The 60 minute Sessions, sessões mais curtas com dicas e previsões sobre o futuro da captação de recursos no mundo. Aconteceram também inúmeras oportunidades para relacionamento a toda hora, nos cafés ou em jantares temáticos, como a festa de encerramento com o tema Piratas do Caribe.

Difícil dizer se há alguma tendência para nós, brasileiros, mas tento resumir algumas das discussões mais importantes:

Técnica versus paixão

Em primeiro lugar, é mesmo impressionante o modo como a discussão técnica é profunda e muito avançada em relação às nossas conversas por aqui sobre captação de recursos. Um cardápio grande de opções – heranças, retenção de doadores, face-to-face (cara a cara) e, claro, diversas sessões sobre o uso da internet para captar recursos; uma delas abordava como a campanha presidencial de Barack Obama mudou para sempre a captação de recursos no mundo.

Porém, se por um lado a discussão técnica domina, a discussão ideológica ou do sentido da existência das ONGs é quase inexistente. Se eu fosse um doador e passasse por algumas palestras do congresso, talvez me assustasse com o excesso de tecnicismo.

Internet e inovação

Parece lugar comum, mas a cada ano aumenta o número de workshops que tratam das possibilidades de uso da internet para captar recursos. Assisti a três sessões sobre o assunto – uma aula de um dia com Nick Allen (o “papa” do assunto nos Estados Unidos), outra palestra com ele e com Marcelo Iniarra (argentino que criou algumas das campanhas mais criativas e bem sucedidas do Greenpeace) e uma palestra com um indiano do Greenpeace, que dava sua aula enquanto bebia cerveja! As três apresentações foram ótimas.

A aula de Nick Allen no primeiro dia tinha um mote: “traga audiência para seu site”. O pensamento é óbvio: se você tem audiência, tem doadores. O que não é tão óbvio é como conseguir trazer pessoas para seu site, e como converter essa audiência em doações.

Aí entra o casamento entre comunicação e captação de recursos, que estamos roucos de tanto repetir. Mas o interessante foi a apresentação de um caso sobre uma organização chamada Defenders of Wildlife, a qual desenvolveu uma campanha que se tornou muito conhecida nos Estados Unidos. Eles descobriram que a governadora do Alasca, Sarah Palin, candidata à vice-presidência do país pelo partido republicano, “patrocinava” caçadas a lobos nas montanhas. Por isso, fizeram um vídeo bombástico sobre o assunto (com imagens das caçadas) e colocaram no YouTube. A campanha buscava arrecadar recursos para comprar espaço na televisão e denunciar o que acontecia na região. O vídeo teve mais de 600 mil acessos, e o Defenders ofWildlife captou US$ 1,3 milhão em toda a campanha para comprar espaço na TV; consequentemente, conseguiu garantir recursos para sua própria atividade.

  • A grande sacada dessa campanha é o que chamam de seizing opportunities (aproveitando oportunidades). Eles utilizaram um tema popular e de interesse de todo o país e o conectaram com o propósito da Defenders of Wildlife. Isso trouxe popularidade, audiência e doadores. Parece fácil, mas não é. No fundo, nada teria acontecido se a organização não tivesse feito a lição de casa antes de lançar a campanha:
  • Tendo um website bom e claro;
  • Adquirindo boas ferramentas de gerenciamento de conteúdo, captura e processamento da doação, além de envio de e-mails para base de dados;
  • Desenvolvendo uma grande lista de e-mails cadastrados: os americanos falam em listas de mais de 10 mil nomes para começar (interessantes mesmo são listas com mais de 100 mil nomes!);
  • Fazendo bons apelos por e-mail;
  • Montando uma equipe capacitada e dedicada exclusivamente ao uso da internet (interagindo bem com outros departamentos da organização);
  • Tendo rápida capacidade de análise dos resultados e mudança de rumo

Os estrangeiros fazem a lição de casa bem feita

Às vezes é um pouco de exagero e, no final das contas, esse processo científico demais perde a vida. Talvez por isso eles se encantem com a explosão de vida e alegria que nós temos por aqui, ao sul do Equador.
Mas nós também temos muito a aprender com esse profissionalismo e excelência que vêm da Europa e dos Estados Unidos. Quem sabe podemos tropicalizar esse profissionalismo e fazer do Brasil uma potência em captação de recursos?

www.rodrigoalvarez.net

Tudo o que você precisa saber sobre Terceiro setor a UM CLIQUE de distância!

Imagine como seria maravilhoso acessar uma infinidade de informações e capacitações - SUPER ATUALIZADAS - com TUDO - eu disse TUDO! - o que você precisa saber para melhorar a gestão da sua ONG?

Imaginou? Então... esse cenário já é realidade na Rede Filantropia. Aqui você encontra materiais sobre:

Contabilidade

(certificações, prestação de contas, atendimento às normas contábeis, dentre outros)

Legislação

(remuneração de dirigentes, imunidade tributária, revisão estatutária, dentre outros)

Captação de Recursos

(principais fontes, ferramentas possíveis, geração de renda própria, dentre outros)

Voluntariado

(Gestão de voluntários, programas de voluntariado empresarial, dentre outros)

Tecnologia

(Softwares de gestão, CRM, armazenamento em nuvem, captação de recursos via internet, redes sociais, dentre outros)

RH

(Legislação trabalhista, formas de contratação em ONGs etc.)

E muito mais! Pois é... a Rede Filantropia tem tudo isso pra você, no plano de adesão PRATA!

E COMO FUNCIONA?

Isso tudo fica disponível pra você nos seguintes formatos:

  • Mais de 100 horas de videoaulas exclusivas gratuitas (faça seu login e acesse quando quiser)
  • Todo o conteúdo da Revista Filantropia enviado no formato digital, e com acesso completo no site da Rede Filantropia
  • Conteúdo on-line sem limites de acesso no www.filantropia.ong
  • Acesso a ambiente exclusivo para download de e-books e outros materiais
  • Participação mensal e gratuita nos eventos Filantropia Responde, sessões virtuais de perguntas e respostas sobre temas de gestão
  • Listagem de editais atualizada diariamente
  • Descontos especiais no FIFE (Fórum Interamericano de Filantropia Estratégica) e em eventos parceiros (Festival ABCR e Congresso Brasileiro do Terceiro Setor)

Saiba mais e faça parte da principal rede do Terceiro Setor do Brasil:

Acesse: filantropia.ong/beneficios

PARCEIROS VER TODOS