Marcos Frota

Por: Juliana Fernandes
01 Janeiro 2011 - 00h00

Há 25 anos, Marcos Frota dedica-se à arte circense. Sua paixão pelo circo teve início durante as gravações da novela Cambalacho, na qual interpretava o trapezista Rick. A partir dessa experiência, o ator se envolveu diretamente com a área e criou o Grande Circo Popular do Brasil. Na década de 1990, o projeto, que era originalmente artístico, voltou-se para o universo social com a fundação do Instituto Cultural e Assistencial São Francisco de Assis (Icasfa).

A instituição, que trabalha para promover o desenvolvimento humano e a inclusão social, contribuiu para a criação da Universidade Livre do Circo Marcos Frota (Unicirco), iniciativa que transforma jovens, crianças e portadores de necessidades especiais em artistas circenses por meio de oficinas livres, desenvolvendo não só a técnica, mas principalmente a educação e a atuação dos participantes na sociedade.

Em entrevista à Revista Filantropia, o embaixador do circo no Brasil avalia a importância social da cultura e comenta a atuação do Terceiro Setor para o desenvolvimento das atividades relacionadas à arte.

Revista Filantropia: Pelo 8º ano, a Unicirco promove o evento Somos Todos Brasileiros, em comemoração ao Dia Internacional da Pessoa com Deficiência. O que o motivou a direcionar o projeto para a causa?

Marcos Frota: Eu acho que a presença da pessoa com deficiência impregna alegria, que é a marca maior do circo, a essa questão séria e delicada. Isso poderia despertar um olhar espiritualizado. Por isso que a gente começou, desde 2003, a realizar o Somos Todos Brasileiros, que é um espetáculo de celebração dos Direitos Humanos e de afirmação da cidadania da pessoa com deficiência. O espetáculo é feito por essas pessoas, com a participação deles em cena, até na concepção, e compartilhado com instituições de amparo e reabilitação.

RF: Na teledramaturgia, você já interpretou alguns personagens portadores de necessidades especiais. Como você avalia a questão da inclusão?

MF: Eu realmente tive quatro personagens com algum tipo de deficiência na minha carreira. Um no teatro e três na televisão. Em todos eles eu esbarrei com o maior obstáculo, que é a questão do preconceito. O Brasil, apesar de ser um país aberto, mais jovem, multirracial e de atividade cultural muito grande, ainda tem um preconceito com as diferenças. As pessoas com deficiência sofrem muito com essa questão. O preconceito na rua, no trabalho, na escola, no namoro, em todas as classes sociais. E esse preconceito é materializado através da falta de acessibilidade. Então, a acessibilidade e o combate ao preconceito foram os motivos que me levaram a colocar a minha atividade artística em função dessa causa.

RF: Uma de suas lutas é para que o circo seja igualmente prestigiado como os demais segmentos artísticos do Brasil. De maneira geral, como você vê a situação da cultura no país?

MF: O Brasil já tem uma maturidade muito grande na área cultural. O público brasileiro tem, com relação à sua cultura e às manifestações culturais, o apreço, a admiração e o apoio efetivo. Nós não somos mais um país que não diz nada na área da cultura. E a minha luta é levar o circo com excelência artística para discutir a maioria das coisas que envolvem a cultura brasileira, principalmente a cultura popular brasileira. De que forma? Concebendo espetáculos de excelência artística e revelando novos talentos.

RF: E a importância do Terceiro Setor para o desenvolvimento das atividades relacionadas à arte? 

MF: O nosso país vive, apesar de todas as dificuldades e diferenças, um momento muito bom e de um olhar muito respeitoso com o todo. Isso foi fruto do trabalho de todos nós. Acho que não podemos só olhar as questões ruins da parte governamental e nem desprezar a imensa e importantíssima contribuição das instituições não governamentais no processo de desenvolvimento do país como um todo. As ONGs têm uma força importantíssima de propor e facilitar o diálogo e diluir os abismos na construção da cidadania brasileira. Existem questões complexas que, se não fosse a benemerência dessa atividade, nós não conseguiríamos ter um olhar, um encaminhamento de solução. Eu tenho trabalhado com muita gente séria e comprometida, e sem eles não teria chegado aonde eu cheguei.

RF: Você defende que a arte circense é um poderoso recurso para a formação integral do cidadão. De que maneira isso acontece?

MF: O circo é um provocador de disciplina, reflexão, companheirismo e reconhecimento da importância do trabalho em grupo. Isso tudo acaba refletindo na vida cotidiana de um jovem, adolescente ou adulto. Muitas mães me dão depoimentos dizendo que o filho era bandido há quinze dias e, de repente, o circo despertou outro tipo de sentimento. Em relação às pessoas com deficiência, elas se sentem confortadas e incluídas. Então, o circo para mim, hoje, é muito mais que um espetáculo. É realmente o exercício da cidadania, do crescimento e aprimoramento espiritual, o fato de compartilhar essa responsabilidade de oferecer o circo como opção. Há o encaminhamento de jovens e a possibilidade da realização de sonhos.

RF: Em sua opinião, qual é a importância de pessoas que têm visibilidade na mídia se engajarem em projetos sociais?

MF: Eu acho que principalmente aqueles que já receberam muito em termos de carinho, respeito e reconhecimento material e profissional têm de retribuir. Não dá para ficar realmente olhando para o próprio umbigo, apostar somente no seu sucesso ou ficar sustentado em tronos que a carreira artística, esportiva ou a área da comunicação, de maneira geral, oferecem. Nós, humanos, temos que olhar para o outro e reconhecer a presença de Deus. Às vezes uma palavra, uma presença, um exemplo e até ações mais efetivas são muito bem-vindos. Nós estamos em uma luta muito grande para conduzir o Brasil a ser uma grande nação do terceiro milênio. O comodismo, o egoísmo e a falta de olhar não cabem mais.

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
19.064
Oportunidades Cadastradas
9.597
Modelos de Documentos
3.404
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
30 Jun
2020
Linha emergencial de crédito Conexsus
Prazo
Patrocínio BS2
Prazo
31 Jul
2020
GlobalGiving Accelerator - Virtual Training Program...
Prazo
30 Nov
2020
Stop Slavery Award 2021
Prazo
31 Jul
2020
AEB - Chamamento Público para lançamentos a partir...
Prazo
4 Set
2020
Ideias para o Futuro
Prazo
Matchfunding Enfrente o Corona
Prazo
1 Ago
2020
Todos os olhos na Amazônia
Prazo
1 Ago
2020
The IFREE Small Grants Program
Prazo
31 Dez
2020
Patrocínios e Doações - Instituto Usiminas

PARCEIROS VER TODOS