A armadilha da “pilantropia”

Por: Nilton Antonio Tiellet Borges
01 Maio 2003 - 00h00
A discussão sobre a avaliação radical que o Estado faz das entidades filantrópicas, rotulando-as de “pilantrópicas” costuma deixar de lado a simples observação de que as entidades comprovadamente sérias sempre terão argumentos para reagir e assegurar sua característica institucional.

Por outro lado, fatos são fatos e esse rótulo que o Estado cismou de colocar nas entidades é muito sério. Tem tudo a ver com os tempos atuais, em que só se fala em corrupção. Aliás, essa palavra vem do latim corruptione, que significa “o ato ou efeito de corromper, decompor, perverter, desintegrar”, e a forma como o Estado utiliza o termo “pilantrópica” é altamente tendenciosa. E perigosa. Melhor seria dizer abertamente: corrupta.

Diante disso, resta às entidades filantrópicas proceder ao exame detalhado dos argumentos utilizados na avaliação feita pelo Estado, para que possam insurgir-se e reagir com firmeza, inclusive para assegurar sua própria sustentabilidade a médio e longo prazo. Nesse contexto, só sobreviverão as entidades que estiverem melhor preparadas, na ética e na transparência, desde que sincronizem suas atividades às novas dinâmicas em maturação na sociedade e/ou no mundo empresarial.

Só sobreviverão as entidades que estiverem melhor preparadas, na ética e na transparência, desde que sincronizem suas atividades às novas dinâmicas em maturação na sociedade e/ou no mundo empresarial.

Para fortalecer seus argumentos e manter sua característica institucional, as ações das entidades não lucrativas deverão estar fundamentadas em princípios éticos que expressem de forma clara e manifesta o compromisso e a responsabilidade social. Ficou no passado a época dos segredos. Agora, a transparência é a alma da ação social.

Nos contornos estreitos deste texto é impossível identificar quais os mecanismos de que dispõe a entidade para expressar e comprovar sua atuação social. Porém, a título de ilustração, é importante falar daquele que considero um dos mais importantes sinalizadores da organização institucional: o controle.

O controle é um mecanismo que está ao alcance de todas as entidades. Mas depende de (muito) empenho e comprometimento. Por isso, não é fácil. É necessário que toda a organização esteja envolvida na prática da responsabilidade social. Isso significa que todos devem conhecer profundamente os objetivos e finalidades da instituição, uma vez que o conhecimento gera sinergias, principalmente com o público de quem ela depende para o fortalecimento do seu desempenho. É necessário, ou melhor, indispensável encontrar uma forma racional e metódica no controle das ações benemerentes, pois elas são fenômenos de riqueza nas células sociais, formadas pelos mais carentes. Todavia, essa forma de controle supõe e inclui a compreensão da verdadeira abrangência dos controles internos (na entidade) e externos (fora da entidade) quando da sistematização da informação contábil.

Nesse ponto, o avanço tecnológico deve ser recebido e aproveitado como um aglutinador e simplificador dos controles internos, buscando otimizar as tarefas e evitar o (re) trabalho. Para algumas entidades, isso significa mudanças que dependem de conhecimento e ação coordenada. Mas isso é outra conversa.

Por enquanto, essas palavras devem servir apenas como alerta para que as entidades sem fins lucrativos não se deixem intimidar. Infelizmente, pelo que se vê, não basta ser uma entidade séria, é preciso provar a seriedade. E, desta forma, acabar de vez com esse perverso rótulo que lhes está sendo, insidiosa e injustamente, imposto.

“É indispensável encontrar uma forma racional e metódica no controle das ações benemerentes”

Tudo o que você precisa saber sobre Terceiro setor a UM CLIQUE de distância!

Imagine como seria maravilhoso acessar uma infinidade de informações e capacitações - SUPER ATUALIZADAS - com TUDO - eu disse TUDO! - o que você precisa saber para melhorar a gestão da sua ONG?

Imaginou? Então... esse cenário já é realidade na Rede Filantropia. Aqui você encontra materiais sobre:

Contabilidade

(certificações, prestação de contas, atendimento às normas contábeis, dentre outros)

Legislação

(remuneração de dirigentes, imunidade tributária, revisão estatutária, dentre outros)

Captação de Recursos

(principais fontes, ferramentas possíveis, geração de renda própria, dentre outros)

Voluntariado

(Gestão de voluntários, programas de voluntariado empresarial, dentre outros)

Tecnologia

(Softwares de gestão, CRM, armazenamento em nuvem, captação de recursos via internet, redes sociais, dentre outros)

RH

(Legislação trabalhista, formas de contratação em ONGs etc.)

E muito mais! Pois é... a Rede Filantropia tem tudo isso pra você, no plano de adesão PRATA!

E COMO FUNCIONA?

Isso tudo fica disponível pra você nos seguintes formatos:

  • Mais de 100 horas de videoaulas exclusivas gratuitas (faça seu login e acesse quando quiser)
  • Todo o conteúdo da Revista Filantropia enviado no formato digital, e com acesso completo no site da Rede Filantropia
  • Conteúdo on-line sem limites de acesso no www.filantropia.ong
  • Acesso a ambiente exclusivo para download de e-books e outros materiais
  • Participação mensal e gratuita nos eventos Filantropia Responde, sessões virtuais de perguntas e respostas sobre temas de gestão
  • Listagem de editais atualizada diariamente
  • Descontos especiais no FIFE (Fórum Interamericano de Filantropia Estratégica) e em eventos parceiros (Festival ABCR e Congresso Brasileiro do Terceiro Setor)

Saiba mais e faça parte da principal rede do Terceiro Setor do Brasil:

Acesse: filantropia.ong/beneficios

BAIXE GRATUITAMENTE
E-book Como começar uma⠀ONG

BAIXE GRATUITAMENTE

BAIXE GRATUITAMENTE
E-book 18 PASSOS essenciais para ajudar sua ONG

BAIXE GRATUITAMENTE

PARCEIROS VER TODOS