A importância do voluntário no processo de inovação das empresas

Por: Roberta Rossi
21 Junho 2013 - 21h15

Hoje, o tema inovação está mais em voga do que nunca e vem sendo discutido por ser um importante diferencial estratégico das empresas. As organizações devem se preparar para renovar continuamente seus produtos, serviços, processos, competências e organogramas, de modo que suas decisões garantam sua sustentabilidade.
Existem muitas maneiras de inovar, e as empresas estão sedentas por encontrar alguma que seja a ideal ao seu negócio. Os investimentos em inovação são muito altos, e o que se percebe é que apenas um grupo de pessoas ou áreas específicas são envolvidas nestes processos. Será que só os cientistas, designers e engenheiros são capazes de inovar?
Este artigo defende a ideia de que todos podem participar, especialmente os voluntários. O programa de voluntariado empresarial pode estar alinhado à estratégia de inovação da empresa, desde que esteja visando uma relação de valor compartilhado com a sociedade. Este termo foi criado por Michael Porter, um dos papas da estratégia, para mostrar ao mundo sua conclusão da interdependência entre empresas e comunidades. O ambiente deve ser saudável e favorável a todos. Só assim os negócios terão sucesso em longo prazo.
Um exemplo interessante é o Programa “10.000 Women”, do Goldman Sachs Group, que elegeu como uma de suas causas o apoio ao empreendedorismo feminino, oferecendo educação empresarial e gestão de negócios para mulheres em todo o mundo. O programa de voluntariado que complementa esse investimento social foi eleito um dos finalistas do prêmio “2011 Points of Light Corporate Engagement Award of Excellence”.
Investir nas mulheres é uma forma eficaz de reduzir a desigualdade entre os gêneros e facilitar o crescimento econômico inclusivo. A comunidade torna-se, portanto, socioeconomicamente mais saudável e fortalecida para realizar cada vez mais negócios. Neste contexto, os voluntários que já têm afinidade natural com a causa são envolvidos em novas experiências e desafios, contribuindo com a melhora da qualidade de vida da sociedade e podendo trazer inovações.
O voluntariado deve ser reconhecido como um componente essencial para o processo igualitário e sustentável, como traz o 1o Relatório sobre o Estado do Voluntariado no Mundo, elaborado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e pelo Programa dos Voluntários das Nações Unidas, publicado em dezembro de 2011. Outro documento, publicado em 2010, é o Relatório do Desenvolvimento Humano Global, que declarou que “colocar as pessoas no centro do desenvolvimento significa progredir com justiça e com uma forte base, capacitando pessoas a serem participantes ativas nas mudanças”.
É estimado que o mundo conte com 140 milhões de voluntários, força considerada essencial para mudá-lo.
Uma das maiores empresas de alimentos no mundo, a Kraft Foods, levanta as bandeiras do combate à fome e do incentivo ao estilo de vida saudável. Para desenvolver um programa de voluntariado holístico, colocou na mesma mesa voluntários, parceiros, fornecedores e outros atores interessados. Um dos resultados inovadores e replicáveis foi a construção, em sua sede global, em Northfield, nos Estados Unidos, de uma horta orgânica que produz milhares de quilos de alimentos por ano e que são distribuídos entre organizações locais que atuam na mesma causa.
Na Índia, os voluntários da HP organizaram um evento que reuniu 200 programadores e desenvolvedores com o propósito de gerar novas soluções para velhos problemas sociais, nas áreas de saúde e educação. Diversos grupos foram formados e, a partir daí, 19 aplicativos foram desenvolvidos em menos de 24 horas para estas causas.
A empresa geralmente encara o voluntariado empresarial como uma das estratégias para seu investimento social, de relações com a comunidade, de motivação e formação de funcionários, entre outras. Mas pode ir além, considerando-se parte da comunidade e integrando o programa em sua estratégia de negócios. A globalização mudou a cara do voluntariado. Agora todos têm a chance de participar e contribuir.
A gestão deve propiciar um voluntariado que incentive e capacite para a inovação e o empreendedorismo e que vá ao encontro das demandas do mercado e da sociedade, que são as mesmas, uma vez que somos interdependentes e interconectados.
Os voluntários podem ser estimulados a exercer o seu trabalho com um olhar apreciativo, ou seja, observar a partir das potencialidades o que poderia ser estudado e desenvolvido para melhorar a qualidade de vida de um grupo, comunidade e sociedade. Esta ação analisará como a empresa pode inovar em seus produtos, serviços e processos a partir das reais necessidades e interesses dessas pessoas.
Tudo isso forma uma cultura de diálogo, iniciativa, coparticipação, corresponsabilidade, cocriação, parceria e engajamento. E essa é a cultura de inovação!
Para que o voluntário participe dos processos de inovação trazendo suas experiências de dentro para fora da comunidade (e vice-versa), ele vai precisar empreender uma nova ideia na empresa. E hoje já sabemos que intraempreender é possível dentro de uma pequena, média ou grande estrutura organizacional. Não quer dizer que seja fácil, mas as empresas podem organizar processos que facilitem essa troca.
A CDC Development Solutions, organização sediada em Washington, tem a missão de utilizar recursos públicos, privados e voluntários para fortalecer PMEs (Pequenas e Médias Empresas), instituições sociais, governos e indústrias, que impulsionam o crescimento em mercados emergentes. Para tanto, estruturam programas internacionais de voluntariado com o objetivo de impulsionar a inovação global utilizando o talento do voluntário para criar valor de alto impacto social. Os funcionários contribuem com sua expertise dentro de instituições locais por um tempo determinado. São clientes da CDS: IBM, FedEx, Deloitte, Pfizer, Dow Corning, Intel, PepsiCo e Novartis.
Os resultados, claro, são de ganha-ganha: todos são beneficiados pela parceria.
Nessa mesma linha, a Ernst & Young oferece aos funcionários a oportunidade de participar de um programa de intercâmbio de três meses em países da América Central e da América do Sul, realizando o mesmo trabalho que estariam fazendo em home office, mas em empresas locais menores, com problemas de gestão e que não teriam condições de pagar por uma consultoria. Com isso, espera reforçar seus negócios, construir relações nos mercados em crescimento, desenvolver lideranças internas e reter funcionários.
É evidente que o programa de voluntariado empresarial deve ser legítimo para abordar essas questões com naturalidade, vontade e muito compromisso. A empresa precisa preparar-se para o ciclo pós-estímulo, pois toda mobilização gera resultados que podem ser muito positivos não só para a empresa, mas para a sociedade como um todo.

EDITAIS FILANTROPIA PLATAFORMA ÊXITOS
15.198
Oportunidades Cadastradas
9.566
Modelos de Documentos
3.061
Concedentes que Repassam Recursos
Prazo
16 Dez
2019
Bikeducação: Edital Itaú para Seleção de Projetos...
Prazo
16 Dez
2019
ONU / FIDA - Concurso de Fotografia “Juventude e...
Prazo
Contínuo
Fundo Regenerativo Brumadinho
Prazo
22 Dez
2019
UNDEF - 2019 Call to Civil Society to Apply for Funding...
Prazo
1 Jan
2020
Fundo Julia Taft para Refugiados
Prazo
25 Jan
2020
Environmental Curricula Grants
Prazo
31 Mar
2020
United Nations Voluntary Fund on Disability
Prazo
20 Jan
2020
United Nations Voluntary Trust Fund for Victims of...
Prazo
Contínuo
Mitsubishi Corporation Foundation for the Americas
Prazo
Contínuo
Oak Foundation’s - Issues Affecting Women Programme

PARCEIROS VER TODOS