Ênfase e Foco no Voluntariado Empresarial

Por: Roberta Rossi
19 Fevereiro 2013 - 23h47

Para tornar o mundo um lugar melhor, é preciso que todos tenham consciência dos seus direitos e deveres e lutem por eles no dia a dia. Este comportamento é esperado de todos, ou seja, pessoas, grupos, governos, empresas etc.

Do que estamos falando? De participação, cidadania, interatividade, solidariedade e também de voluntariado. O trabalho voluntário é algo que a pessoa oferece à sociedade como sua contribuição para este mundo melhor. Expressa e fortalece uma cultura de participação que é muito positiva para o desenvolvimento.

E o mundo corporativo, como pode fazer sua parte? Além de conduzir seus negócios de forma socialmente responsável, pode incentivar o trabalho voluntário. Muitas empresas consideram o movimento do voluntariado importante e rico para a cultura organizacional, a gestão de pessoas, a ampliação da visão de mundo. Portanto, voluntariado também é bom para os negócios. Quanto mais ele estiver alinhado com a identidade da empresa, mais estará compondo com outros projetos ou ações da organização, deixando de ser algo à parte.
Como as empresas podem desenvolver programas legítimos e efetivos? Cabe a elas refletir, planejar e dar a ênfase que achar mais interessante com base nessa sua identidade e estratégias de negócio. O quadro, elaborado por Reinaldo Bulgarelli, mostra os objetivos e abordagens que um programa de voluntariado e seu(s) foco(s) resultante(s)
podem ter.

Vamos analisar cada um dos itens apresentados no quadro detalhadamente:
Mobilização social/sensibilização

A organização pode fazer uma opção de apenas chamar a atenção para o tema do voluntariado, ou seja, sensibilizar seus colaboradores sobre a importância da interatividade, cooperação e da vida em sociedade. Afinal, tudo está interligado e o ideal seria sempre pensarmos e agirmos no coletivo.

É essencial que a empresa promova uma reflexão para que o funcionário entenda que seu trabalho é importante e faz parte de um contexto maior. Essa mobilização visa incentivar a realização de atividades para causas sociais e comunitárias. Isso pode ser feito por meio de palestras, workshops, reuniões, materiais de comunicação, plataformas virtuais que formam redes, ou ainda, pelo reconhecimento dos trabalhos desenvolvidos nesta arena.

Causas sociais

Usando a mesma estratégia de mobilização, engajamento e comunicação, a empresa pode estimular a contribuição para causas sociais relevantes, ou seja, que tenham sintonia com interesses da sociedade. Deve considerar em suas ações as políticas públicas e as agendas locais e globais: Declaração Universal dos Direitos Humanos, Constituição Federal, Estatuto da Criança e do Adolescente, Estatuto do Idoso, Política Nacional de Promoção da Igualdade Racial, Direitos da Pessoa com Deficiência, Movimento de Sustentabilidade e Responsabilidade Social, Objetivos do Milênio da ONU, entre muitas outras.

Relação com a comunidade do entorno

Quando o objetivo é aproximar a empresa da comunidade do entorno, o voluntariado pode contribuir. A empresa pode articular a ação do voluntário criando uma estrutura de apoio, troca e formação. A primeira etapa é realizar um diagnóstico da realidade desta comunidade, entender o público alvo, suas necessidades e interesses, potencialidades e receptividade ao trabalho voluntário. A construção coletiva é sempre o melhor caminho para desenvolvimento de projetos de qualidade e que sejam interessantes às duas partes.

É necessário reforçar o entendimento de que a comunidade não é apenas o local onde a empresa atua. Ela está presente na própria operação empresarial e o sucesso dos negócios está ligado a esse bom relacionamento. A empresa é parte da comunidade.

Desenvolvimento dos profissionais

Um dos benefícios valorizados pelas empresas em seus programas de voluntariado é o desenvolvimento de profissionais e líderes corporativos. Atualmente, percebe-se a tendência de que a formação de profissionais se dê também pela experiência em realizar um trabalho voluntário e as empresas precisam de pessoas que compreendam diversas realidades culturais, sociais, políticas, ambientais e econômicas e que saibam operar em um mundo integrado. O funcionário aprende a lidar com a diversidade e a otimizar recursos, além de ser estimulado a exercer liderança, a reflexão e a cooperação.

Captação de recursos

De acordo com a pesquisa BRIC Giving, realizada em 2008 pela organização britânica Charities Aid Foundation, 61,5% da população brasileira realizou doações para causas sociais nos 12 meses anteriores à pesquisa. Concluímos que grande parte das pessoas deseja fazer doações para o enfrentamento de problemas e desafios, tanto no Brasil quanto em outras partes do mundo. Isso soa simples, não é? Mas o doador voluntário acaba encontrando dificuldades em saber quem é quem, o que faz cada organização e as propostas de trabalho. As empresas podem ajudar os colaboradores nessa questão, pois têm mais condições na busca e avaliação de projetos interessantes para serem financiados.Essa modalidade de doação de recursos deve ser organizada, a empresa precisa sensibilizar e engajar os colaboradores na causa proposta e aumentar o interesse deles em se envolverem além do simples ato de doar.

Estímulo à participação em torno do foco do investimento social privado

À medida que as empresas definem um foco para realizar seu investimento social, elas passam por um processo de reflexão e planejamento em torno de causas que tenham relação com sua identidade. Portanto, é previsível que os colaboradores sejam incentivados a canalizar suas energias em torno do foco definido pela empresa.

Para obter sucesso e conquistar o apoio de voluntários, a empresa precisa ser transparente, demonstrando seus objetivos, ações planejadas e realizadas e os resultados esperados e conquistados. Enfim, precisa fazer uma boa gestão de seu programa de voluntariado. Essas são algumas alternativas de abordagem, mas deve ficar claro que ênfases não excluem outras possibilidades.

Tudo o que você precisa saber sobre Terceiro setor a UM CLIQUE de distância!

Imagine como seria maravilhoso acessar uma infinidade de informações e capacitações - SUPER ATUALIZADAS - com TUDO - eu disse TUDO! - o que você precisa saber para melhorar a gestão da sua ONG?

Imaginou? Então... esse cenário já é realidade na Rede Filantropia. Aqui você encontra materiais sobre:

Contabilidade

(certificações, prestação de contas, atendimento às normas contábeis, dentre outros)

Legislação

(remuneração de dirigentes, imunidade tributária, revisão estatutária, dentre outros)

Captação de Recursos

(principais fontes, ferramentas possíveis, geração de renda própria, dentre outros)

Voluntariado

(Gestão de voluntários, programas de voluntariado empresarial, dentre outros)

Tecnologia

(Softwares de gestão, CRM, armazenamento em nuvem, captação de recursos via internet, redes sociais, dentre outros)

RH

(Legislação trabalhista, formas de contratação em ONGs etc.)

E muito mais! Pois é... a Rede Filantropia tem tudo isso pra você, no plano de adesão PRATA!

E COMO FUNCIONA?

Isso tudo fica disponível pra você nos seguintes formatos:

  • Mais de 100 horas de videoaulas exclusivas gratuitas (faça seu login e acesse quando quiser)
  • Todo o conteúdo da Revista Filantropia enviado no formato digital, e com acesso completo no site da Rede Filantropia
  • Conteúdo on-line sem limites de acesso no www.filantropia.ong
  • Acesso a ambiente exclusivo para download de e-books e outros materiais
  • Participação mensal e gratuita nos eventos Filantropia Responde, sessões virtuais de perguntas e respostas sobre temas de gestão
  • Listagem de editais atualizada diariamente
  • Descontos especiais no FIFE (Fórum Interamericano de Filantropia Estratégica) e em eventos parceiros (Festival ABCR e Congresso Brasileiro do Terceiro Setor)

Saiba mais e faça parte da principal rede do Terceiro Setor do Brasil:

Acesse: filantropia.ong/beneficios

PARCEIROS VER TODOS