Tenho uma escola técnica e ofereço bolsas de estudos integrais (100%) e parciais (50%). Posso considerar as bolsas parciais como gratuidade?

As entidades que promovem a educação podem considerar como gratuidade tanto as bolsas integrais como as parciais. Utilizando analogicamente o disposto na Lei do Prouni (lei nº 11.096/2005), poderá ser considerado como gratuidade até mesmo as bolsas de 25% do valor total. O artigo
1º da Lei do Prouni regula que: “Fica instituído, sob a gestão do Ministério da Educação, o Programa Universidade para Todos (Prouni), destinado à concessão de bolsas de estudo integrais e bolsas de estudo parciais de 50% ou de 25% para estudantes de cursos de graduação e seqüenciais de formação específica, em instituições privadas de ensino superior, com ou sem fins lucrativos”. Destaca-se que é essencial que tais bolsas sejam concedidas a pessoas carentes, na acepção da palavra, “a quem dela necessitar” (art. 203 da Constituição Federal de 1988) para o atendimento de suas “necessidade básicas” (art. 1º da lei nº 8.742/93). Ainda, o parecer nº 2.414/2001, proveniente da Coordenadora-Geral de Direito Previdenciário, estipula que não será considerado como gratuidade os descontos concedidos uniformemente a todos os alunos e as bolsas de estudos concedidas aos filhos de funcionários. Este último possui nítido caráter trabalhista, portanto, longe estão de se amoldarem ao conceito de aplicação em gratuidade para fins beneficentes.

PARCEIROS VER TODOS